domingo, 27 de dezembro de 2020

As lições de Champalimaud

 O Público de hoje traz uma entrevista com Jaime Nogueira Pinto que passou de proscrito até uns meses atrás, proibido de participar em conferências na universidade pública a personalidade actualmente bem tolerada pelo status quo, eventualmente por causa do programa que anima aos sábados na Antena Um, juntamente com o comunista Pedro Tadeu. Até já tem aparecido em programas de tv dos animadores do sistema. 

A entrevista tem como leit-motiv um livro ilustrado sobre Champalimaud, aqui já recenseado



Sobre Champalimaud e o valor que representou para Portugal nos anos sessenta muito haveria a dizer e alguns já o disseram mas as lições de Champalimaud poucos as aprenderam e muito menos os que mandam agora no governo do país. 

Como se lê na entrevista, em 1975, imediatamente antes das nacionalizações de Março e meses seguintes desse ano, Champalimaud abandonou qualquer esperança de salvação económica do país.

O sistema comunista-socialista que se instalou então impôs a estatização de cerca de dois terços da economia e o resultado foi a primeira bancarrota, em 1976.

Porém, durante o ano de 1974 Champalimaud ainda acreditou que seria possível manter a estrutura industrial produtiva que existia e da qual era um dos principais defensores e intervenientes. 

Por causa disso alimentou uma breve polémica numa revista de então- Vida Mundial- aqui já mostrada com um comunista inspirador das teorias estapafúrdias do Bloco e Esquerda em geral, chamado João Martins Pereira, um antigo assalariado do capitalismo luso, tornado crítico do mesmo e mentor de um Louçã e outros. 

O assunto lembra o caso recente da TAP porque os argumentos são parecidos e cuja essencialidade Champalimaud resumiu em poucas palavras referindo-se à "sua" Siderurgia: 

"Tivesse tido a Siderurgia Nacional o Estado como proprietário e ela não passaria hoje de um lamentável empreendimento a custar ao erário público, isto é, a todos nós, fortunas sobre fortunas, contribuindo, como tantos outros negócios para que alguns políticos impelem o Estado, para o agravamento sucessivo dos impostos e o retardamento da elevação do nível de vida da população".

O assunto começou assim na edição de 5 de Dezembro de 1974 e pode ser lido aqui por quem estiver interessado :


Quem ler isto e olhar para o que se passa na TAP, com o inenarrável ministro que lida com o assunto, não pode deixar de notar as similitudes nos erros e consequências gravosas para o país e todos os que pagam impostos. 
Nada aprenderam porque nem sequer perceberam o que é muito simples e acima fica explicado. 


Sem comentários:

Os escombros do apocalipse