quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Crime, já dizem

Santana Castilho, no Público de hoje, escreve uma crónica sobre o relatório do Ministério da Educação atribuído à OCDE e que afinal, é produto da casa, cujos gastos em estudos já são sobejamente conhecidos e de alto valor pedagógico. Por algumas horas, o tempo de se descobrir e denunciar publicamente a aldrabice, foi um "relatório da OCDE".
Ontem, a ministra, sempre tensa, jurava mais uma vez que nunca disse que era da OCDE. Nem o PM o dissera, também asseverou numa defesa inútil.
Qual quê! Ninguém ouviu o que o PM disse e o que esteve escrito no sítio oficial do PS, afinal nunca existiu.
As aldrabices, para esta gente, vão-se tornando quase uma natural forma de expressão
Portanto, a crónica de Santana Castilho merece ser lida, em passagens como esta:
" A cena macaca não surpreende. Estamos habituados. Mas a macacada da cena merece comentário, até porque a pagámos a bom preço [ segundo a ministra incrível e sempre tensa, custou qualquer coisa entre 40 e 50 mil euros. Pouca coisa para quem gere o dinheiro de todos]. A coisa não é um relatório de avaliação séria e credível. É um mero texto opinativo, de estilo duvidoso. Pouco me importa o currículo dos autores, quando as 93 páginas que produziram são de uma pobreza que dói."
Fica aqui a passagem como testemunho desta aldrabice que custou "entre 40 a 50 mil euros" ao erário público ( a ministra sempre tensa, não sabia bem. São minudências estas coisas dos honorários a peritos e custos de estudos e pareceres).
A ministra sempre tensa, ontem na AR, teve ainda o desplante de dizer que com estas críticas, no futuro, não teríamos peritos do gabarito daqueles que convidou, para elaborar seja o que for.
É preciso não ter noção do ridículo, para dizer uma coisa destas. Precisamente por isso é que a uma interpelação de Pedro Duarte (JSD) que falou em crimes cometidos, a ministra sempre tensa, ficou ainda mais tensa para lhe replicar, em tom de ameaça : "não me esqueci do que disse" .
Espero que não, porque aqui pode ter a certeza que também não esquece o que anda a dizer e principalmente a fazer: mal ao ensino e ao país. De modo criminoso, de facto. Porque não há crime socialmente mais penoso do que afundar a qualidade da Educação como o anda a fazer.

15 comentários:

Anónimo disse...

Só 50.000? Parece que cada assinatura de contrato das auto-estradas custa 500.000 aos concessionários. Meio milhão, não há engano!

Dinheiro "entregue" aos fornecedores, preto no branco.
Ou isto é jornalismo de sarjeta ou o país já está a rastejar.
E quem paga são as pessoas que fazem "entregas" naquelas cabines da auto-estrada.

http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=1039136&div_id=1728

lusitânea disse...

Para os amigos tudo, adversários nada e para o resto cumpra-se a lei.
Esta é a ética dos regulamentos dos pais da pátria socialista...

JC disse...

Porque é que o governo de Santana Lopes foi mesmo dissolvido por Jorge Sampaio?
Quantas vezes é que este governo já ultrapassou, em trapalhadas,
mentiras e falta de vergonha, o governo do Santana?
Não sei se é mera impressão minha, mas o que me parece é que nunca descemos tão baixo como com este poder que nos "des"governa...
Isto é um saque, Deus meu, a que todos assistem impávidos e serenos...

Anónimo disse...

JP,

Concordo totalmente. O problema é que a nossa abordagem é distinta da utilizda nos EUA, em Israel, no tão apreciado MIT, etc. Nós, bem representados pelo PR, achamos que não se deve fazer ondas nem ter reacções rápidas e violentas. O resultado é o afundanço, a imagem que de facto temos na europa como país, a descrença e um estado de falência social. Para tudo isto funcionar a justiça tem que estar muito bem programada de modo a não funcionar. Nisso, somos os melhores.

Não foi por acaso que utilizei a palavra "rastejar" no meu anterior post. Quando o PM de Portugal, país da UE, produziu publicamente no canal do Estado uma afirmação em que dizia que "aqueles" (forças ocultas?) que lhe estavam a dar luta acabariam a "rastejar", estava de facto a produzir uma ameaça pública. Isto tem tanto de grave como de ordinário, penso eu. Mas quem sou eu?

Tino disse...

No blogue Do Portugal Profundo vi há uns meses uma referência a uma notícia de um jornal - o 24 Horas ou o Crime - sobre uma duvidosa compra de um apartamento pela ministra da educação.

Nunca vi o tal recorte.

Tino disse...

Vasco Graça Moura deu hoje forte na embusteira do Relatório da OCDE:

http://dn.sapo.pt/2009/02/04/opiniao/a_deborah.html

Anónimo disse...

Tino,

Você é que sabe o que quer.
http://www.portaldascuriosidades.com/forum/index.php?topic=62915.0

josé disse...

Também comentei o caso por aqui, com referência explícita ao 24 Horas que publicou a notícia, com base em documentos como certidões da Conservatória de Registo Predial, etc.

Não vejo, de facto, como é que um casal de professores, vai amealhar mais de 5000 euros por mês, muito, muito por baixo ( a conta certa deverá ultrapassar os 7500), para pagar a hipoteca.

SObre isto é que a ministra deveria falar.
Para explicar estes milagres de multiplicação.

Não estou a falar em corrupção. Estou apenas a falar em transparência e modo de ocupação de lugares no Estado que é de todos e não apenas deles que se julgam donos.

Leonor disse...

É com gosto redobrado que leio o seu postal, numa escrita desassombrada e cristalina.
Ainda bem que há vozes que se levantam contra esta apropriação ilícta do erário público.

Segismundo disse...

http://aberracaojuridica.blogspot.com/search?updated

A moral socialista.

Colmeal disse...

Se bem me lembro ....

O ABC avançou com uma teoria que consta por aí, em que a "Coveira" da Educação vai fazer parte das listas do Ps ao Parlamento Europeu ...
e aí já vai conseguir arranjar dinheiro para pagar esse maravilhoso "duplex" na Av. de Roma.

josé disse...

Se fizer parte das listas, sai postal com relevo e nota da notícia do 24 Horas.

Anónimo disse...

Colmeal,

A manutenção, desde há meses, de uma ministra que rasteja miseravelmente, só tem sustentação numa tática desse género, ou então poderá/poderia o PM ter em mente um calendário manipulado para as eleições legislativas, não sendo muito conveniente dar parte de fraco. Para conseguir eleger a senhora e os seus deputados europeus sem dar cabo dos resultados tem de manter a ministra para sustentar a tese de que os professores simplesmente não querem ser avaliados, escondendo ao mesmo tempo todos os outros problemas da educação, que está num estado lastimável, por exemplo ao nível da segurança, motivação, etc.

Colmeal disse...

Flash,
é mesmo isso, a senhora está em "banho-maria", foi afastada da ribalta, nem sei mesmo como ontem foi ela que deu a cara (de pau...) na A. R. e depois foi o que se viu, abriu a boca e .... foi um disparate pegado. Aquela do "Senhor deputado eu ouvi bem aquilo que disse..." para o deputado Pedro Duarte foi o cúmulo e revela toda a falta de educação e respeito por quem não comunga das suas "invenções"(que como se viu não são invenções, são plágios de ideias da América Latina).

José, se se confirmar a presença dela nas listas, acho que é dever de todos denunciar a farsa que estão a montar. Esperemos que nessa altura as pessoas tenham os olhos bem abertos e não se deixem enganar. Além de que não sei a utilidade de tal pessoa no P. E., por mim podia ir até Guantanamo investigar os voos da Cia e quem sabe por lá ficar...

Tino disse...

José

Se te lembrares bem, a ministra sinistra disse numa entrevista que o que mais gostava de fazer nos tempos da militância anarquista era dobrar folhetos e colocá-los em envelopes.

Vejo constantemente anúncios do género:

«Ganhe dinheiro a dobrar e enviar circulares».

Se calhar foi assim que a sinistra ministra ganhou o dinheiro para o palacete.

Da próxima vez que vir um daqueles anúncios vou também responder.

:)))


Quem quiser, aproveite:

http://emprego.trovit.pt/emprego/dobrar-casa