terça-feira, 7 de maio de 2013

Portugal contemporâneo, Salazar e o comunismo segundo António José Saraiva

António José Saraiva, um intelectual de quem Eduardo Lourenço ( é só para o tornar insuspeito porque Lourenço é o intelectual do livro O fascismo nunca existiu, com um "x" a enganar para dizer que sim...) dizia ser "durante meio século. uma referência-chave da cultura portuguesa" e José Mattoso considerava "um dos espíritos mais fascinantes da cultura portuguesa" deu em 1982 uma entrevista ao jornal O País.

Vale a pena ler por causa da noção que o mesmo tinha do comunismo  e do PCP em particular. O PCP continua o mesmo de então e o estratagema para conseguir aceder ao poder ( autarquias e lugares na A.R) a mesmíssima de sempre com tácticas aprimoradas de mudança de linguarejar. Em vez da cassete, já gravam em mp3...mas é sempre o mesmo discurso bolorento e fossilizado. O BE, esse, ainda é pior mas todos os media acham que não. Que tristeza de país!

Destaco uma passagem:

"E quando Salazar fez consagrar na Constituição de 1933 o princípio do equilíbrio orçamental, estava simplesmente a defender algo que hoje vemos ser elementar: que o país não pode endividar-se, da mesma forma que um homem pobre não o pode fazer. Só os ricos podem ter dívidas!"

Esta sabedoria do senso comum não fez eco nos lugares de poder nos anos oitenta e seguintes. Em 1982, escassa meia dúzia de anos do pós-Prec, o discurso cavaquista e depois soarista e a seguir outra vez cavaquista e mais uma vez soarista-guterrista e ainda por último, inenarrável,  nunca foi esse. O discurso que prevaleceu foi o de gastar sempre acima das possibilidades porque éramos e somos pobres, mas queríamos fazer figura de ricos. Os exemplos do devorismo e do novo-riquismo são às dúzias nessa fauna política. Dias Loureiros, Jorges Coelhos, Proenças de Carvalhos etc. etc...é só escolher.
Quem gastou e quem teve essa noção errada de Economia e Desenvolvimento , quem tendo responsabilidades políticas de relevo não quis ou não soube impor um modelo correcto, é o responsável directo pela nova bancarrota em que o país se encontra. O mais recente exemplo inenarrável é...Paulo Portas. Um líder que nos vai afundar ainda mais, tal como os demagogos de feira. E sem vergonha, porque o caso dos submarinos devia ser suficiente para o afastar de vez da política. Os jornalistas e media em geral, esses, continuam sempre como dantes: não percebem. não querem perceber e vão atrás dos flautistas panúrgicos que aparecem.

Que miséria!


6 comentários:

Floribundus disse...

os contribuintes pagam a dívida
os portugueses comem o que produzirem
os políticos de esquerda 'comem-nos os olhos da cara'
A Jota S parece cada vez mais o segolène, tal como as bruxas montado numa vassoura

Mentat disse...

Que o Portas não é flor que se cheire, isso é absolutamente verdade.
Mas no caso dos submarinos, é exactamente onde ele fez alguma coisa de jeito (se calhar é mesmo a única coisa que fez de jeito).
Primeiro, porque precisamos mesmo de submarinos, depois porque ele acabou por impedir que tivéssemos mais uma PPP de submarinos.
O Guterres tinha feito um negócio de comprar a leasing de 66 anos, 4 submarinos.
Ou seja, já aquilo estaria na sucata e os nossos bisnetos ainda andariam a pagá-los.
Houve quem no CDS “mamasse” do negócio?
Claro que houve!
Mas porque é que se fala tanto do assunto?
Porque alguém do PS deixou de “mamar”…
E depois alguém fala do preço dum submarino?
São 500 milhões cada um.
O que quer dizer que na Madeira se espatifou 12 submarinos.
Só em 2011 as PPP rodoviárias custaram 3 submarinos.
Em 2012 o Estado pagou meio submarino de divida da RTP.
O Parque Escolar tem uma divida de 2 submarinos.
Etc.
Já chega de conversa de submarinos.
.

josé disse...

A questão dos submarinos não é essa. É outra e que a Alemanha já resolveu: corrupção.

É imperioso que em Portugal se apure quem foi o responsável pelo recebimento de "luvas" que os alemães deram por assente.

Imperioso significa que é necessário investigar o CDS, o tesoureiro do partido, as conversas do presidente a esse propósito e onde foram parar as tais "luvas", ou seja a que contas particulares.

Portas tem que ser investigado por isso porque a história dos jacintos capelos leite não pega de todo, a não ser para imbecis.

josé disse...

Em Portugal o DCIAP está habituado a fazer de conta e a recolha de provas é sempre difíiiiiicil! Sempre muito difíiiiiicil.

Tem que passar a ser fáaaaaaacil.

Mentat disse...

"A questão dos submarinos não é essa. É outra e que a Alemanha já resolveu: corrupção."

Pois é mesmo.
Mas quando a "imprensa" fala neste assunto, parece que o crime é a compra dos submarinos.
Isso é que me irrita.

"Em Portugal o DCIAP está habituado a fazer de conta e a recolha de provas é sempre difíiiiiicil!"

E porque é que será?
Porque mamaram todos!
Ou julga que foi só o CDS?!
Tenho a certeza que até o PCP mamou.
Numa obra do tempo de Cavaco sei eu que eles mamaram e muito.
.

Maria disse...

Que maravilha de entrevista/depoimento de A.J.S.! Um grande Senhor, um grande Português. Tivesse ele sido comunista ou não na sua juventude. Mas uma pessoa tão inteligente e culta quanto ele e com os seus princípios éticos e religiosos bebidos desde o berço, não poderia deixar de ter chegado a uma conclusão mais tarde, como o fez, para mais com a evidência in loco, perante as diferenças incomensuráveis verificadas entre o materialismo e o espiritualismo.

Tenho que comprar este livro (se ainda estiver à venda).
Poder ler as suas justíssimas alegações e eloquentes constatações que o levaram a ter-se afastado, chegada a idade da razão, definitivamente do comunismo, trazem uma lufada de ar fresco no meio de tanta ignorância (as mais das vezes consequência de ou lavagens ao cérebro ou maldade intrínseca misturada com oportunismo puro), de uma teimosia larvar e de um facciosismo irremediável.
Que falta nos fazem a abertura de espírito e erudição de António José Saraiva nos dias que correm, para poder pôr em pratos limpos a desorganização política, social e moral em que este regime nos mergulhou. Tratou-se/trata-se de uma tragédia de proporções inimagináveis, sem que, generosos e crentes que somos, disso nos tivéssemos apercebido a tempo e com a perspicácia necessária para a termos podido evitar.

Américo Tomás e os seus erros