Avançar para o conteúdo principal

João Abel Manta, artista comunista

Pedro Marques, autor do livro dedicado a João Abel Manta, lançado pelo Público em 2016, na colecção de designers portugueses, escreveu este artigo no Público de hoje sobre o mesmo João Abel Manta.

JAM é um artista comunista cuja obra admiro. É um desenhador de eleição e um dos melhores de sempre, em Portugal.
Os temas são quase sempre o fassismo, Salazar, o antigo regime e o capitalismo que execra particularmente. Não importa porque os desenhos fazem esquecer a temática.

Em 2016, o autor do artigo publicou um pequeno portfolio da obra do artista:


Em 1975, com o aparecimento do primeiro número de O Jornal, em 2 de Maio desse ano, começou a publicação de desenhos e cartoons do artista nas páginas das publicações O Jornal.


Nesse ano  O Jornal publicou um album de recolha de desenhos, caricaturas e cartoons antigos, de João Abel Manta, praticamente desde 1969 até essa data .
A obra está esgotada há muito.



Para perceber até onde chega o sectarismo político-ideológico, aqui irmanado com o génio artístico fica este exemplo de um livro que não tem falta deles. Praticamente cada desenho é uma ode ao sectarismo comunista.


Em 1976 os alemães tomaram em conta a mensagem e os desenhos e publicaram na terra deles este álbum que por cá nem apareceu e que tem na capa um dos mais célebres desenhos de JAM desse tempo:


Em 1978 as mesmas publicações O Jornal lançaram a obra que aquele Pedro Marques agora refere como sendo digna de republicação.

Esta recolha de 1978 é tão sectária quanto a anterior mas igualmente genial nos desenhos.
Vinha originalmente acondicionada num invólucro  de cartão grosso de cor parda  e chama-se Caricaturas Portuguesas dos Anos de Salazar.  Pode ser visto como uma homenagem do vício à virtude...


Comentários

joserui disse…
"os desenhos fazem esquecer a temática"
A mim não. Até sou um razoável adepto da separação entre obra e artista, mas neste caso ficam os dois juntinhos. Genial é uma palavra demasiado grande para tão pequena obra e menor temática. Não aprecio.
Ricciardi disse…
O.comentário do.porteiro da loja revela o tribslismo básico da genralidade dos comentadores do tasco.

Apreciam o engenho e a arte se não provierem do clã.

São os chamados pobres. De espírito.

Que aborrecido seria um mundo infestado por esta gente.

Rb
zazie disse…
Ele é genial, sim. E tão sectário que acaba por mostrar precisamente esse facciosismo ideológico que outros ainda querem temperar.

Aqueles espectadores do mapa de Portugal resume tudo o que foi o PREC.

Os palhaços ideológicos é que não gostam, mas embrulhem que foi mesmo assim.
Floribundus disse…
caiu-lhe o 'muro' sobre a cabeça

e ficou com a manta rota

como os 'malteses de pau e manta'
Floribundus disse…
El País

Las cosas que confunden a los españoles cuando llegan a Portugal
Comer a las 12, besarse una vez, fumar en los restaurantes y la abundancia de 'doctores', entre las peculiaridades vecinales