quinta-feira, 3 de maio de 2018

Os frutos podres de Maio de 1968 numa outra visão histórica

Nem toda a informação sobre Maio de 68 segue o habitual guião da esquerda, como por cá aconteceu nas publicações citadas.

Em França a revista Valeurs Actuelles de uma direita que não se envergonha de o ser, como por cá nem existe, publicou estas páginas sobre o assunto que mostra outra visão do fenómeno.

Por cá o pensamento único de uma esquerda sem alternativa deu o tom e fixou o modo da discussão: utopia, sonho e praias sob a calçada. A mentalidade do "e tudo era possível"...que reapareceu por cá, naquela manhã de Abril de 1974. Para que não haja dúvidas é ler aqui, o artigo de Villaverde Cabral que nada esqueceu da "utopia" e do tempo em que lá esteve:

Neste sentido, o movimento foi e permanece «absolutamente moderno», para usar a frase de Rimbaud, representando uma actualização dos quadros mentais das sociedades mais desenvolvidas de então. Aquilo a que se pode chamar uma auto-presentificação da sociedade.
É a contestação de todos poderes autoritários, desde a família e a escola à política e à guerra, que une os estudantes e os jovens trabalhadores que, ao começarem a ocupar espontaneamente as fábricas depois dos acontecimentos de Nanterre e de Paris, forçaram o partido comunista e a sua central sindical a paralisar a França durante três semanas, criando assim uma «estrutura de oportunidade» para o alastramento da vaga anti-autoritária ao resto da Europa e ao Oriente, acabando por abalar de forma ainda maior os regimes ditatoriais, como a Checoslováquia e a Polónia, do que os liberais. Embora nos antípodas da modernidade de Maio, até a chamada «revolução cultural chinesa» e os «movimentos de libertação» do Terceiro Mundo convergiram para aprofundar as fissuras entre as elites mundiais dominantes.
Os pensadores desta vaga de contestação encontravam-se na margem da filosofia e das ciências sociais da época: Herbert Marcuse e Jean Baudrillard, com as suas denúncias da «sociedade de consumo»; o antigo grupo de «Socialisme ou Barbarie» (Castoriadis, Lefort, Lyotard), com a sua crítica às burocracias e ao «socialismo real»; o subverviso Guy Debord, com o seu desvendamento da «sociedade do espectáculo»; sem esquecer os filmes premonitórios de Jean-Luc Godard: Weekend e La chinoise, ambos realizados em 1967, fazendo da arte política sem ideologia.

Gostei particularmente da "presentificação", para além do "desvendamento", claro...
De facto, na  Educação os frutos podres de Maio de 1968 continuam a empestar a Escola e ninguém diz que o rei vai nu e o ministro é um perfeito imbecil que até para falar em público carece de fichas preparadas por outros. Portanto, um bom exemplo do Maio de 68.

Não tem que ser assim e efectivamente não é o desejável.


2 comentários:

lusitânea disse...

Os nossos interpretadores democratas acordaram no 25 para o "modelo a adoptar" para a nossa sociedade.Têm andado a navegar à bolina e cheiraram os modelos da Roménia comunista, da Jugoslávia mas havia adeptos para o maoismo, para o Hoxa da Albânia e claro para o Farol de Cuba e da URSS.
Como quem paga não gosta desses modelos dão um cheirinho de "pugresso" e afinal só lixam quem é da classe média com licenciatura que são aqueles que suportam a canga fiscal a caminho da coleira da escravatura
E reformas está quieto.É sempre em frente.Porque se mexerem vai tudo abaixo...e voltamos ao antigamente:constituição de 1933 com o império só do Minho ao Allgarb...

muja disse...

Manifestação do 1º de Maio no regime do "salafrário":

https://www.egaliteetreconciliation.fr/La-manifestation-du-1er-Mai-a-Saint-Petersbourg-50779.html

Comparar com a respectiva numa verdadeira democracia onde há "direita que não se envergonha de o ser":

https://www.egaliteetreconciliation.fr/Defile-du-1er-mai-2018-1200-antifascistes-saccagent-les-commerces-parisiens-50756.html