quarta-feira, 16 de maio de 2018

O obituário de Tom Wolfe no jornalismo português

Ontem, à tardinha, quando tomei conhecimento do falecimento de Tom Wolfe, afinal ocorrido na segunda-feira,  consultei os arquivos e tirei os scannings que apresentei, pensando nos obituários de hoje, na imprensa de "referência" e imaginando exactamente o que viria a suceder: uma cópia de informações "bebidas" noutros lados, sem qualquer esforço pessoal de informação particular, resultante de um saber próprio e de um conhecimento individual. Nada. Tudo profissionalizado na cópia e na obliteração das fontes.

Os obituários de hoje são todos iguais, podendo ser escritos por um robot adequado ao assunto e que pelos vistos está já em mente dos inteligentes da artificialidade. Estes que agora escrevem nos jornais, obituários como estes, são apenas os precursores dessa inteligência.

Aqui estão eles:

Em primeiro lugar o Público, o mais pedante de todos estes robots que cataloga numa página os lugares comuns da escrita codificada na internet.


Em segundo lugar o Diário de Notícias, um pouco mais sofisticado na medida em que associa politicamente o falecido a uma das "bestas" no neo-liberalismo e faz disso uma trocadilho, com foto a condizer. De resto quem escreve Wired Magazine,  de Louis Rossetto,  como se fosse o título da revista, nem a revista conhece bem.



A seguir o i, com duas páginas também muito bem apedantadas em que até tentam explicar o que são as "técnicas" do "novo jornalismo", eventualmente com recurso a sebentas dos cursilhos de comunicação social existentes. 


O que me irrita mais neste pseudo-jornalismo de cópia integral e remisturada é o modo de escrita, diacronizando os tempos  dos verbos. Ora, no presente situado, ora num passado que nunca visitaram, nem sequer em sonhos. Tudo copiado, portanto. E sem qualquer menção da fonte, para além das citações que aparecem aspadas.
Este jornalismo de cópia em segunda mão é uma desgraça nacional nestes jornais ditos de referência.

Por isso podem bem limpar as mãos à parede e ler o que escreveu o Correio da Manhã, sem peneiras, sintético, embora tudo copiado, também.

Evidentemente o obituário real e adequado vem ao lado, assinado por Francisco José Viegas que acredito tenha lido pelo menos A Fogueira das Vaidades. Quanto a conhecer os artigos da Rolling Stone ou da Esquire isso é que tenho quase a certeza: nunca os topou. Precisava de ter mais cinco anos para tal...




Estas pessoas não têm vergonha? Acham que isto é que é ser jornalista?

Resta dizer quanto a estes obituários, que acabei de os recortar e arquivar. Para memória futura.

18 comentários:

joserui disse...

RIP Tom Wolfe.
A última frase é demais :) … os auto-intitulados jornalistas da praça deviam colocar os olhos neste blogue. A ver se aprendem alguma coisa. Daqui a uns anos estão a fazer as mesmas figuras tristinhas de sempre.

joserui disse...

Foro do tópico: Onde anda o Muja?
Estive a ler o comunicado da Coreia do Norte sobre as negociações com os EUA e achei duro, sem papas na língua e principalmente de grande dignidade. De facto algo está muito mal no planeta quando a maior democracia ocidental está entregue a um bando de cangaceiros ao ponto de eu, um anti-comunista primário, ter de dar razão ao little rocket man.
E isto: "We shed light on the quality of Bolton already in the past, and we do not hide our feelings of repugnance towards him." Ouch.

Ricciardi disse...

É evidente que só erra quem faz alguma coisa. Quem não faz coisa alguma dedica-se a encontrar defeitos no trabalho alheio.

São os velhotes mirones das obras nos centros das cidades. Uma chusma deles a botar abaixo a obra por isto ou por aquilo. Não tem nada propor, excepto dizer mal de quem faz alguma coisa.

Estes meninos nunca erram. São perfeitos. Nao erram porque não fazem. Limitam-se a tirar fotocópias dos trabalhos dos outros.

Rb



lidiasantos almeida sousa disse...

SIMPLESMENTE MARAVILHOSO, NINGUÉM FAZ ESTE TRABALHO INTELECTUAL, SEMPRE A APRENDER. CONHEÇO MAS NÃO COM ESTES PORMENORES. desculpe a letra maiúscula mas estou a escrever na tablet de meu pequeno sobrinho e as teclas são minúsculas. a tecnologia está a matar o ser humano adulto.

muja disse...

Ando por aqui, JRF; mas, por ora, a correr e sem vagar pois... vou-me casar!

josé disse...

Eh lá! Isso merece um brinde da casa.

Saia um Tocqueville à pressão...

Ahahahah!

Floribundus disse...

dá vontade de dizer ao jornalixos

“Arranjo-lhes um lugar no desemprego e dessincronizo-lhes as trombas!”,
como no 'Pátio das Cantigas'

joserui disse...

Ahahah! Muja… tem de me prometer uma coisa mesmo assim, porque eu só quero a sua felicidade: Antes as Cataratas do Niágara que o Ryugyong Hotel de Pyongyang… ouça… não faça isso à sua mulher.
E mais um brinde!… Abraço!

Floribundus disse...

no próximo mês os bipolares têm os santos populares

É noite de São João, refilão
Ninguém quer calar o bico
Com o cochicho na mão, pois então
Um vaso de manjerico
Pega a march’ó filambó, trolaró
Com archotes e balões
Aos encontrões, os rufiões
A dançar o sólido batem mais os corações.

Olha o cochicho
Que se farta d’apitar
Re pi pi pi pi pi pi!
E nunca mais desafina.
Rapaziada,
Quem é que quer assoprar
Re pi pi pi pi pi pi!
No cochicho da menina?

Um papo-seco, liru, capiru
Por mal da dó, por capricho
Ao ver-me na rua só, o pató
Quis agarrar-me o cochicho.

Mas quando um soco lambeu,
O judeu, até gritou pela mãe
E sem parar, pôs-se a gritar.
O cochicho é muito meu
Não o dou a mais ninguém.»

judeu foi sempre mal visto

zazie disse...

Ah, que engraçado- o muja encontrou uma mujinha

":O))

Muitas felicidades!

muja disse...

JRF, já tinha tentado para a passagem de ano - sem sucesso...

Agora tenho de me contentar com Moçambique...

muja disse...

Obrigado a todos!

Maria disse...

É lá, Muja, que grande novidade! Que a menina que escolheu para marido e ela a si, o saiba a apreciar como o enorme ser humano e grande português que é. Muitas felicidades a ambos.

E não se esqueça! Continue a vir a este excelente espaço deixar as suas imperdíveis opiniões.

Anjo1 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anjo1 disse...

Parabéns e felicidades, Muja!

lidiasantos almeida sousa disse...

para ZAZI, também pode ser minha amiga, para si boa noite e bons sonhos.


http://viticodevagamundo.blogspot.pt/2018/05/old-france-by-emmanuel-lansyer.html

lidiasantos almeida sousa disse...

eu não escrevo a coberto dum perfil falso eu sou mesmo eu. e consulto este blog para ver publicações antigas. e não sou. olha o robot.

Miguel D disse...

Muitos parabéns Muja!
Quem pensou que não havia Portugueses no Indico enganou-se! :-)

As cornetas do poder