domingo, 13 de maio de 2018

Os radicais livres que mataram Aldo Moro há 40 anos

Há sensivelmente 40 anos a extrema-esquerda italiana, reunida em grupúsculos de iluminados radicais como as Brigate Rosse, depois de terem assassinado mais de 40 pessoas, mataram Aldo Moro, o dirigente máximo do partido Democracia Cristã, prestes a formar um compromisso histórico ( uma geringonça...) com o então PCI, dirigido por um Berlinguer de feição europeista.

A notícia da morte,  em 12 de Maio de 1978, pelo O Jornal:


 A capa dessa edição de o jornal, com um desenho de João Abel Manta, sublinhando o discurso subliminar contra o "fassismo":


 E o artigo sobre os autores do assassínio que se propunham avançar por toda a Europa para espalhar a fé comunista de radicais livres:


Esta mentalidade prosélita também teve expressão em Portugal com a criação das FP25 e os atentados assassinos, levados a cabo por esses terroristas.

 Na altura, a actividade começou em Portugal passados dois anos daquele apelo revolucionário. Como então explicava O Jornal, em Maio de 1980:

E afinal, nas artes da pirataria terrorista já éramos pioneiros de longa data. Palma e Mortágua; Mortágua e Palma...

 A viúva das bombas por detonar dizia então "olhe que não! olhe que não"...mas sim, de facto:

Por isso deu com os costados nos bancos da Boa-Hora e agora anda a tentar limpar o cadastro em entrevistas para canalha ler.



 Os outros, os que andaram a matar gente e a copiar os italianos,  andam a comemorar às escondidas os feitos passados, todos com a mesma matriz comunista.
São os "filhos da madrugada" que comemoram há um mês atrás...


  Na Itália estes radicais livres tiveram outro tratamento. Uma das autoras directas do rapto de Aldo Moro que provocou a morte imediata dos cinco guarda-costas e depois do próprio Moro, Adriana Faranda, falou agora e a revista francesa Marianne, desta semana, transcreveu o que disse e se resume numa frase:" hoje posso dizer que a nossa concepção do mundo estava desligada da realidade". Vão dizer isso àqueles piratas e respectiva prole que ainda hoje comemoram os feitos de antanho...:
Adriana Faranda foi condenada a trinta nos de prisão e cumpriu  quinze. Vale a pena ler a história desta tragédia destes radicais livres amarrados ao marxismo:


Nota-se assim que Aldo Moro foi assassinado por uma mera intransigência de "princípios". Algo, aliás já apontado em 29.11.1992 na revista Panorama pelo então, à época de 1978, ministro do Interior italiano, Francesco Cossiga, depois presidente:

 


 Moro foi morto pelas Brigate Rosse por uma "questão de princípio" de ambos os lados. A Democracia Cristã não aceitou negociar com terroristas. Estes não aceitaram negociar com a "burguesia" para não perder a face oculta...

Para além dos radicais livres das Brigate Rosse havia outros que se reuniam na Lotta Continua, todos com o mesmo desiderato que é afinal o dos actuais radicais livres portugueses herdeiros directos dessa canalha. A Revista italiana L´Espresso de 5 de Setembro de 1996 ainda lhe dava espaço, para contar as actividades assassinas deste grupo de radicais livres:




Este tipo de gente continua entre nós...disfarçada de um parlamentarismo serôdio que lhes serve de capa para as novas lutas contínuas, sempre na senda da pirataria. Quem não os conhece, compra-lhe as ideias...que são sempre as mesmas, feitas daquela caca ideológica desligada da realidade.

5 comentários:

Floribundus disse...

a Itália, tal como o rectângulo,
não tem 'concerto'

em ambos (os 2) lados tudo funciona à esquerda por baixo da mesa ou atrás do 'poliombo'

'é tão lindo o maganão'

em 2005 estive no local onde capturaram Moro
fiquei com a ideia que foi um alívio

como nas células cancerosas
é dificil estabelecer o que é causa ou consequência

por cá temos a pança de antónio das mortes pelos séculos dos ditos

Floribundus disse...

Alex O'Neill

No sumapau seboso da terceira,
contigo viajei, ó país por lavar,
aturei-te o arroto, o pivete, a coceira,
a conversa pancrácia e o jeito alvar.

Floribundus disse...

fiquei muito triste ao saber do desaparecimento físico dum Amigo que não via há um tempo

deixou um livro de memórias dum rústico

falávamos com expressões e sotaque alentejano, apesar de nascido em Lisboa
HOMEM com muita classe

« O antigo deputado do CDS-PP e fundador da Confederação dos Agricultores Portugueses (CAP), Raul Miguel Rosado Fernandes, morreu hoje em Lisboa, aos 83 anos, vítima de doença, disse à Lusa o ex-presidente da CAP João Machado. »

foi muito roubado depois de 26.iv

para compensar não morreu nenhum FILHO da PUTA

Carlos disse...

"para compensar não morreu nenhum FILHO da PUTA"

Miserável!...

lidiasantos almeida sousa disse...

numa viagem de trabalho a MILÃO, NA PIAZZA DU DUOMO, deparei com uma manifestação de metralhadores, talvez comunas, e quem estava em cima do palanque, il cavaliere dono da Ferrari e daquilo tudo, era um homem muito bonito e explicaram-me qye era presidente do sindicato, que andava a comprar todas as Pequeninas empresas, para aumentar o seu IMPÉRIO. SEGUIA A VELHA MÁXIMA, SE NÃO OS PODES VENCER, JUNTA-TE A ELES.. Venho ver o seu BLOG sempre ansiosa para ver revistas e jornais que nunca conheci. merecia ser condecorado pelo actal PR e ele fazer um daqueles admiráveis soliloquios e dava- lhe uma beijoca. A MIM NÃO PORQUE O CONHEÇO DA CASA DO RICARDO SALGADO, ONDE ELE ERA VISITA PERMANENTE COM A SUA NAMORADA PODRE DE RICA E A CO-ADMINISTRADOR FETICHE DO FALECIDO BES.