sábado, 4 de dezembro de 2010

Sá Carneiro, anos 70

Ainda a propósito de Sá Carneiro e da efeméride que passa, vale a pena recordar o tempo passado de há mais de trinta anos para se entender a idiossincrasia da pessoa e do político.
Em 1975-76 a nossa economia estava mais ou menos assim, depois das nacionalizações de 11.3.1975.


O Jornal de 30.1.1976. Clicar para ler.

Em 6.2.1976, numa entrevista ao mesmo O Jornal, Sá Carneiro, falava sobre o seu modelo de sociedade, para Portugal. Vale a pena ler e reparar que Sá Carneiro foi sempre contra os comunistas e particularmente a sua presença no Governo do país. Se há aspecto particular da actividade política de Sá Carneiro que valha a pena realçar, é o seu anti-comunismo. Aliás, em 1980, os comunistas sabiam perfeitamente que era assim porque viam nele a figura do anticristo comunista, o único indivíduo capaz de lhes dar água pela barba na estrutura jurídico-política que tínhamos. Na entrevista, porém, Sá Carneiro entendia que só as pequenas e médias empresas deveriam ser desnacionalizadas. As grandes, mormente os grandes grupos económicos monopolistas, não...

Em 11.3.1977, um ano depois, Sá Carneiro entendia o assunto de modo ligeiramente diverso: "É fundamental que se criem condições para um investimento privado em larga escala, e isso dependia da definição do sector público-privado, depende do pagamento das indemnizações". Como bem sabemos tal só aconteceu mais de uma dúzia de anos depois...e com as consequências que vimos e vamos sentindo economicamente.


Em 14.4.1978 ( O Jornal) o PSD estava em crise, por causa de...Sá Carneiro. A Comissão Política de então não estava de acordo com as ideias de Sá Carneiro, demasiado avançadas, pelos vistos. Sá Carneiro queria hostilizar politicamente o então presidente da República. A Comissão, não. Entre os membros da comissão estavam Sousa Franco, Barbosa de Melo e Sérvulo Correia ( esse mesmo, o advogado), Rui Machete e Figueiredo Dias ( esse mesmo, dos códigos penais. Até me faz rir, ao saber isto, ler como li hoje, que se Sá Carneiro fosse vivo a justiça estaria diferente. Quem disse? Alguém com responsabilidades. Mas com Costa Andrade e Figueiredo Dias, no PSD de então e em lugar de relevo- Costa Andrade foi deputado- dizer uma coisa dessas é pelo menos estultícia.)


Em 1979, Sá Carneiro tinha um projecto de Constituição para alterar a que tinha sido aprovada em 1976. E quem era o autor desse tal projecto? Santana Lopes! Sá Carneiro, segundo o Expresso de 20.12.1980, tinha encarregado o deputado Santana Lopes de elaborar um projecto desse teor! E que continha tal projecto de relevante? A diminuição dos poderes do presidente da República, voilà! E havia outro projecto de outras figuras do PSD de então ( e da maioria governamental que não apenas do PSD) , em sentido diverso. As figuras eram Barbosa de Melo, Lucas Pires e José Luís Vilaça ( actualmente advogado na PLMJ). Criticavam Santana Lopes...e obviamente Sá Carneiro.

6 comentários:

lica disse...

isto é o que se chama estar bem documentado. Parabens jose

Karocha disse...

O José no seu melhor!

zazie disse...

Serviço público

ze disse...

Há um lapso. O Lucas Pires não era à data uma figura do PSD.

josé disse...

Nem José Luís Vilaça. O lapso advém do facto de no texto se falar no grupo parlamentar afecto à maioria. Que não era só do PSD...

josé disse...

No texto do jornal, entenda-se.