domingo, 18 de setembro de 2011

D. S-K não foi julgado, mas os franceses não o querem na política

Económico:

Strauss-Kahn dá esta noite a primeira entrevista desde que foi detido por suspeita
Linkde abuso sexual. Os franceses não o querem na política.

Segundo a sondagem, cerca de 20 por cento dos franceses inquiridos querem que D.S-K regresse à política como se nada se tivesse passado.
Por cá, a opinião que mais me impressionou sobre este "affaire" foi a de Manuel António Pina. Aqui há uns tempos na sua coluna de opinião no JN defendeu a inocência de D.S-K como se o seu não julgamento equivalesse a uma absolvição e a uma condenação da vítima.
Tal como aconteceu com certos figurões do PS em relação ao processo Casa Pia.

PS: Entretanto já se conhece o conteúdo da primeira entrevista de D.S-K. Diz que teve "uma fraqueza moral". Claro que não admite a violação ou tentativa da mesma. Foi apenas a tal "fraqueza moral"...o que fica ao critério dos intérpretes. "Fraquezas morais" deste calibre, parece que teve várias. No outro dia confessou que tentou beijar a jornalista francesa que chegou a casa com a roupa rasgada por causa da tal "fraqueza moral".

D. S-K. provavelmente é mesmo isso: uma fraqueza moral.

Sem comentários:

A viagem da Apolo 11 nos media