sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Os verdadeiros donos de Portugal

"Em 1975 decapitámos a elite económica da altura e, desde então, á excepção da Sonae, da Jerónimo Martins e do grupo Pedro Queirós Pereira, não nasceu mais nada de grande dimensão. Houve algum enriquecimento nos sectores da construção, imobiliário e obras públicas, mas tenho muitas dúvidas que tenham liquidez neste momento para fazerem uma liquidação de impostos significativa." - Pedro Ferraz da Costa, ao Sol de hoje.

Pedro Ferraz da Costa, hoje com 65 anos, tem sido um dos indivíduos mais coerentes no discurso público que jamais ouvi, desde praticamente o 25 de Abril de 1974. Espanta até como conseguiu distanciar-se do devorismo cavaquista e manter o discurso claro e preciso sobre a nossa realidade diacrónica.
Em resumo, diz Pedro Ferraz da Costa, "tenho a pior impressão do Estado". Para ver a diferença entre este discurso e o do Bloco de Esquerda que publicou há pouco o livro Os Donos de Portugal, basta ver esta página do livro que retrata o capitalismo português saído da experiência do PREC e após a "recomposição da burguesia" ( sic).

Se a nossa desgraça económica tem responsáveis eles são a Esquerda in totum e a ideologia que a sustenta. E vamos continuar a pagar durante muitos anos estes mitos e lêndias que nos impingem todos os dias nos media.
Quem manda nos media são herdeiros dessa esquerda global que nunca esqueceu o que supostamente aprendeu no PREC e antes dele. São eles os verdadeiros donos de Portugal


E para perceber ainda melhor como foi possível este estado de coisas no nosso país, nos últimos 37 anos, basta ver este gráfico do mesmo livro e que retrata as deambulações dos arrivistas do poder político, quase exclusivamente acantonados no PS e no PSD e que tomaram de assalto as empresas com ligações ao Estado cujo aparelho dominaram através de eleições e cooptações entre amigos e correlegionários. Isto é tão claro que não o querer ver é um erro colossal e ainda bem que foi o Bloco a mostrar em gráfico. Mesmo com objectivos turvos ( para a Esquerda radical, "quanto pior, melhor" para eles )a demonstração vale para se verificar o autêntico forrobodó despudorado que tem sido a nossa vida político-económica nas últimas décadas. A corrupção de Estado é isto que aí fica. Insindicável e inefável tem sido esse o caldo de cultura da nossa desgraça que ainda não acabou e promete continuar na mesma senda por falta de visão de quem lhe ponha cobro.
E que ninguém tenha dúvidas que as razões do nosso atraso endémico começaram no PREC mas enraizaram ainda mais como o assalto devorista e incompetente de quem se lhe seguiu, ou seja as sucessivas direcções políticas do PSD e do PS. E o CDS só não figura na lista com relevância porque são um partido sem poder real. São a "direita" que a Esquerda vituperou tanto tempo que pouca gente vota neles...
Duas figuras se agigantam neste panorama pelo que fizeram e principalmente pelo que não fizeram podendo tê-lo feito: Mário Soares e Cavaco Silva. Por incompetência, falta de visão, desleixo ou simplesmente ausência de coragem política, estas duas figuras enterraram o país na miséria em que se encontra. Em vez de serem responsabilizados e castigados politicamente por estes crimes negligentes ainda são ouvidos, convidados, escolhidos.
Quem tem culpa disto? O povo português, sem dúvida, mas com uma elite que os guia: o poder mediático.


8 comentários:

joserui disse...

Elite que os guia? Elite em Portugal começa a ser uma espécie em vias de extinção, mas nos média, está extinta há muitos anos. Coitadinha. -- JRF

AAA disse...

Bem sei que a responsabilidade é directamente proporcional ao tempo em que esses personagens estiveram no poder. Mas «esquecer» Guterres e, principalmente, sócrates, é um erro enorme.

lusitânea disse...

Mas a rapaziada fala tão bem que até as pedras da calçada choram...

Wegie disse...

Falas dos herdeiros da esquerda a apresentas uma lista com Champalimauds, Espírito Santos, etc. Não percebo nada...

Maria disse...

"... a "direita" que a esquerda vituperou tanto tempo que pouca gente vota neles..."

Isto é verdade até certo ponto. "Esta" direita foi e continua a ser consentida desde Abril porque foi a "direita" que os fazedores desta ditadura democrática resolveram escolher dentre os mais domesticáveis e prventura interesseiros, para 'formarem' uma pseudo direita suficientemente neutra para pertencer ao sistema (a verdadeira direita foi imediatamente eliminada, pois se não o fosse esta gentaça nunca veria o poder e ela sabia-o de cor e salteado) que mostrasse ao mundo e especialmente aos portugueses que 'isto' era uma democracia a sério. Todos eles, os que a integram, são os aprovados pelas instâncias mais altas - as que decididamente mandam em Portugal.
Os dois dirigentes que cita e bem e responsáveis absolutos pelo inferno económico em que o país se encontra, mais não têm sido até aos dias de hoje do que os representantes do mundialismo em Portugal. Eles vieram instalar-se no nosso país para isso mesmo. Como aliás sucede em todas as democracias.

Se dúvidas houvesse sobre os representantes desta pseudo direita, basta observar-se o bailado político de muitos deles (e as suas 'visitas' aos E.U. para 'conferenciar' com os presidentes e/ou seus representantes máximos), como, por exemplo, Freitas do Amaral, Durão Barroso, Cavaco e mais uns tantos. Os que não aceitaram submeter-se aos ditames do mundialismo (através dos seus representantes no terreno) foram afastados compulsivamente ou pura e simplesmente eliminados. Há dúzias de exemplos por aí.

Este regime que fomos obrigados a aceitar e a nele viver 'felizes e contentes', chegou embrulhado numa mentira monumental mas muito bem cozinhada e os portugueses estão há quase quarenta anos a pagar com língua de palmo a sua imensa ingenuidade de que eles, os 'grandes democratas', velhacórios da pior espécie, se aproveitaram com toda a liberdade do mundo.

Parabéns ao Dr. Ferraz da Costa cujas avisadas opiniões ouço com atenção e agrado. Tomara haver outros, muitos, com os mesmos pontos de vista desassombrados sobre o autêntico caos económico em que nos encontramos mergulhados desde Abril, graças a um bando de ladrões de colarinho branco e outros tantos apatriotas que, fazendo jus ao seu curriculo, não passam de verdadeiros bandidos a viverem milionàriamente à custa dos biliões sacados à sorrelfa durante quase quarenta anos a um Estado outrora auto-suficiente, reduzindo à miséria um povo crente, honesto e bom. Para nossa infelicidade, demasiadamente bom.

Floribundus disse...

de toda esta canalha escapa apenas o PR.
o resto é lixo

Zéfoz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Domingos disse...

Excelente artigo. Ser de esquerda, é ser-se iluminado, ser-se de direita, é ser-se diabolizado.
É bem e correcto, ser-se de esquerda, e os média, são moços de recados, dos patrões, que acham que são de esquerda.
Enfim, uns labregos, embora ricos, que enterraram o país. Ainda não há culpados, nem prisões.

Carros de música corrida