domingo, 14 de junho de 2020

A heroína de Angola: racista, esclavagista e canibal

A revista francesa Guerres&Histoire ( do grupo Science&Vie) tem umas páginas muito interessantes no último número-Junho 2020 sobre a "rainha Ginga", ou seja a principal heroína de Angola, com direito a estátua e tudo.

Vale a pena ler sobre este modelo de civilização angolana cujo padrão de actuação se pautava pelo tribalismo racista, pelo uso de escravos e pelo canibalismo e que agora é a principal heroína do povo que manda em Angola.

O artigo é interessante porque mostra bem que praticamente desde o início da chegada dos portugueses, no início do séc. XVI o território tinha dono que foi sendo expulso para o interior.
Em meados do séc. XVII , precisamente na altura em que recuperamos por cá a independência, os holandeses, piratas,  tiraram-nos região de Luanda, e por lá ficaram, durante meia dúzia de anos e alguns vans e outros apelidos descendentes de tal pirataria que depois deram em racistas, alguns de sinal contrário.

Quanto à rainha canibal converteu-se depois ao catolicismo, deixou de comer gente e fez a paz com os portugueses que por lá continuaram, até 1974. Agora tem uma estátua em Luanda, simbolizando a nacionalidade angolana. Tinha escravos e era racista porque fez a guerra a outras tribos e raças.
Um modelo, portanto.

Sem comentários: