Páginas

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O avogado Proença é sempre compatível...

O advogado Proença de Carvalho é um dos pivots desta choldra em que nos encontramos. Vejamos como se desempenha nesta situação.
Em breve estará a explicar à solícita dona Lourenço, na SIC,  que tudo isto faz parte da democracia que tantas alegrias lhe tem dado, ao contrário do "fassismo" que era tenebroso para este tipo de jogo, com tanto pluralismo de intervenientes.


Daqui:

Daniel Proença de Carvalho. O advogado é presidente não executivo da Zon, cujo maior accionista é Isabel dos Santos. Proença de Carvalho foi também um dos advogados que tratou da restituição de 150 milhões de dólares que Angola havia transferido para um advogado para comprar 49% do Banif. O caso iniciou-se em 1994, mas o Estado angolano só se considerou ressarcido em 2010. É um também um dos accionistas da Interoceânico. O advogado é igualmente presidente não executivo da Cimpor, dominada pela Camargo Corrêa, aliada da Interoceânico no BCP.

Daqui:

 A ‘candidatura' do grupo francês Altice à compra da PT Portugal aos brasileiros da Oi conta com a participação de vários escritórios de advogados e bancos de investimento. Trabalham neste processo que poderá dar origem a um negócio superior a dois mil milhões de euros os escritórios Uría Menéndez Proença de Carvalho, bem como os bancos BTG Pactual, Goldman Sachs e Morgan Stanley e a ‘boutique' de investimento Perella Weinberg, que está de regresso a Portugal depois das privatizações de 2011.
 A Uría Menéndez Proença de Carvalho está a apoiar a Altice, com uma equipa de peso, composta pelos sócios Daniel Proença de Carvalho, António Villacampa Serrano e Filipe Romão. A Altice conta ainda com dois escritórios franceses.


 Daqui:

 A disputa pela PT ganhou ontem novo fôlego, com a empresária angolana Isabel dos Santos a oferecer 1,21 mil milhões de euros pela PT SGPS através do lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA). 
 
Como é que isto se compatibiliza? É fácil. Assim:


A Ordem dos Advogados garante que Proença de Carvalho não viola qualquer regra deontológica  por acumular mais de duas dezenas de cargos em empresas, entre elas a Controlinveste que detém o DN ou o JN, com o seu escritório de advogados.
Proença preside à Controlinveste Conteúdos, cujo grupo é accionista da PT, empresa que os franceses da Altice querem agora comprar, numa operação que está a ser apoiada pela sociedade daquele advogado, segundo o próprio confirmou hoje ao Correio da Manhã.
“Não está nessas empresas como advogado e, portanto, não há incompatibilidade”, frisa ao SOL o presidente de distrital de Lisboa da Ordem, José Carlos Martins, acrescentando que o que o estatuto dos advogados proíbe é que um jurista represente interesses opostos.
Segundo explicou ao SOL, o facto de Proença de Carvalho estar a representar o grupo francês Altice, que manifestou interesse na compra da PT, e já ter presidido à concorrente Zon (a nova NOS) não é impedimento para exercer a profissão. Mas está-lhe vedado, por exemplo, o exercício de cargos políticos e autárquicos, bem como o de assessores ou secretários de órgãos de soberania.  A excepção é o cargo de deputado, que um advogado pode exercer em simultâneo com a profissão.
Daniel Proença de Carvalho, que é sócio-presidente da Uría Menéndez - Proença de Carvalho, é também presidente da Cimpor - Cimentos de Portugal e presidente da assembleia geral de várias empresas, como a Galp Energia, SGPS, a Socitrel ou a Renova.

14 comentários:

muja disse...

Um dos "donos disto tudo", portanto...

Luis disse...

Será que o lugar de "Dono Disto Tudo" estará ainda em aberto?

josé disse...

O dito não é ddt. É adt: almocreve disto tudo.

foca disse...

O homem faz isto e ainda toca umas guitarradas.

Se há sentimento que me assola é uma profunda inveja.
Cm apenas 24 horas, não consigo que os meus dias tenham tanta produtividade.

Floribundus disse...

não dá pontos sem nós

nós e os outros

venha a nós

José Domingos disse...

E não saímos disto.O país parece uma casa de meninas. Desgraçadamente.

Floribundus disse...

a nova versão social-fascista diz respeito à paneleirada
'MENINOS à sala !'

lusitânea disse...

Quer seja DDT ou ADT de certeza que é adepto da malta toda(menos ele e os seus queridos claro) ir ficando mais escurinha.De cornos mansos é o que os democratas gostam...

lidiasantos almeida sousa disse...

Tambem li no EXPRESSO com o retrato do "baixinho" com photo shop para parecer mais novo. Homem velho casado com mulher mais nova dá nisto.
dona do "DONA DP "DN" VAI ANALISAR CONTAS DO "ECONOMICO" PARA DECIDIR NEGÓCIO
Conntrolinveste prepara terreno-para aferir da viabilidade de assumir o Jornal.

Resumindo: A comunicação Social está toda nas mãos dos Angolanos, Mosquito e genro do Cavaco dominam a maior parte dos títulos e ainda vão comprar o Negócios. O Genro fica com a TSF e aguarda oportunidade para abocanhar a RDP das Antenas \-2-3-4 etc- e assim será O IMPERADOR DAS RÁDIOS E Espetaculosa DE PORTUGAL, Deve ter uma vaca parideira a mugir dinheiro pelas tetas em vez de leite. O Mosquito é praticamente o dono pois o Oliveira já não manda nada, De outro lado temos o ALVARO SOBRINHO da família Madalena a dominar o SOL e o I. Resta o Publico do Belmiro, a COFICINA DO CM, Record etc. também já lá tem capital Angolano e o Expresso e outras publicações do DDT da comunicação Social, com acento no Clube do BILDENBERG,

Está bem está. de um lado temos os Chineses a comprarem tudoe a dominarem as Finanças. Agora até a COSEC e os vendilhões do templo a vender a um estado DITATORIAL, Do outro lado temos os Angolanos a dominarem a comunicação social para ninguem, poder criticar, senão rua!!!!!11

Zephyrus disse...

«Está bem está. de um lado temos os Chineses a comprarem tudoe a dominarem as Finanças. Agora até a COSEC e os vendilhões do templo a vender a um estado DITATORIAL, Do outro lado temos os Angolanos a dominarem a comunicação social para ninguem, poder criticar, senão rua!!!»

Chineses que compram grandes empresas. Isabel dos Santos pelo mesmo caminho.

No comércio local, as lojas de chineses ficaram no lugar das antigas lojas dos 300. Quem antes comprava roupa nas feiras, feita nas fábricas do Norte, compra agora nas lojas de chineses e nas marcas espanholas de roupa barata.

Consta que os asiáticos já estão a comprar as antigas mercearias de Lisboa.

No Alentejo os espanhóis compram herdades e investem no regadio.

No Algarve há búlgaros com fartura a trabalhar no campo, nas padarias ou nas obras. Os locais têm vergonha e preguiça.

São as maravilhas herdadas do desastre que foi o PREC.

Floribundus disse...

no extremo oposto há os que não têm ninguém

« Uma das tarefas, então, a que se propõe esta Irmandade da Misericórdia e de São Roque é “proporcionar um funeral cristão” a todos — se estes mortos que ninguém quis velar eram, em vida, católicos, ateus ou muçulmanos isso é impossível saber, admite Pedro Vasconcelos. Mas “a irmandade que vai aos funerais” está convicta de que os mortos não se vão zangar. “A ideia é: estas pessoas não têm irmãos de sangue, para acompanhá-los, mas têm irmãos de espírito, que somos nós, filhos do mesmo Deus, do mesmo Pai. Ninguém vai sozinho para a última morada”, diz Mário Pinto Coelho, primeiro-irmão, vice-provedor. É assim, pelo menos em Lisboa. »

Apache disse...

Este “artista” é como vento, sopra em várias direcções.

josé disse...

É mais como o fumo...vai à frente do vento.

lidiasantos almeida sousa disse...

Sabe como o DANIEL CASOU COM A Natalia visita muito frequente da também advogada ANA BRUNO A TAL do MONTEBRANCO? UM DIA CONTO NO SEU MAIL NO CASO DE NÃO SABER- AMOR É CHAMA QUE ARDE SEM SE VER. Com a falta de homens que há, una são casados e outros bichas. até os baixinho e feinhos marcham , mas atrás de um grande homem há sempre uma mulher.