Páginas

sábado, 1 de novembro de 2014

O BES e o MES de há 40 anos.

O jornal Sempre Fixe de 5 de Outubro de 1974 publicou um diagrama sobre o grupo Espírito Santo ao mesmo tempo que anunciava que dezanove elementos da família se tinham posto ao fresco, para Espanha. Segundo o jornal, o esquema foi tirado do livro Sociedades e Grupos em Portugal de Maria Belmira Martins. É simplesmente impressionante e as pessoas não sabem disto, assim. Mesmo com todo esse poder económico quem mandava "nisto tudo", não era, como agora aconteceu, o presidente do grupo. Era o sistema político de então, muito mais sadio do que hoje. E grupos como o Espírito Santo, havia outros. Como a CUF por exemplo. Ou o grupo de Champallimaud. Ou outros ainda, mais pequenos e que faziam de Portugal um país com capital suficiente para ombrear com vários países europeus.
Veio o 25 de Abril, o socialismo e o comunismo que expulsaram aqueles capitalistas e empresários, indubitavelmente patriotas, nacionalizando-lhes as empresas, gerindo-as depois mal e porcamente, mas sempre com grandes proclamações e seguiram-se três bancarrotas. A primeira logo em 1977. A segunda, menos de dez anos depois e agora, em 2011, a terceira, pela mão de um Inenarrável primeiro ministro. Anuncia-se a próxima, se os mesmos que contribuiram para estas três retomarem o poder político. O pior está para vir, nesse caso.

Isto é tão simples de antever que até dói pensar que não se veja claramente visto.

 
José Miguel Júdice na entrevista ao i de hoje refere que " a maior parte dos problemas do GES resulta de a família não ter sido devidamente paga depois de expropriada".

Provavelmente tem razão, mas leia-se o que então um comunista de extrema-esquerda encapotado no MES dizia sobre o assunto. Um tal Ferro Rodrigues, em dicção tipo citroën ds,  dizia ao mesmo jornal nessa altura, sobre Portugal e o modelo económico...
Sobre esta personagem do MES de então e que nunca abandonou a política " de esquerda" , com os belíssimos resultados alcançados em quatro décadas, poderia dizer-se que há uns dez anos, um grupo de 4 miúdos disse coisas sobre essa pessoa suficientes para o mesmo se relegar para o olvido democrático e não ter a desfaçatez de continuar no activo, como está, com a complacência de todo um sistema político.
No tempo do tal "fascismo" que andam sempre a vituperar ocorreu um escândalo do género- Ballet Rose- que foi suficiente para que os envolvivos, sem qualquer acusação formal ou até mediática ( nem seria possível perante a censura da época) , fossem definitivamente afastados da ribalta política. Um caso concreto é o de um ministro conhecido como Correia de Oliveira e a ironia do destino é que quem denunciou esse caso internacionalmente foi...Mário Soares.
Como se vê, os critérios morais e éticos mudam consoante as pessoas envolvidas...



Está aqui, devidamente patenteada, uma das causas principais do nosso atraso lendário de há 40 anos para cá. Um dos protagonistas dessa miséria ainda está na AR e agora até é porta-voz de um grupo parlamentar, a fazer lembrar o célebre veículo francês sempre que se exprime.

8 comentários:

Aladdin Sane disse...

Desconhecia o nome do modelo do "boca de sapo" :)

Floribundus disse...

tive um 'boca' em 2ª mão comprado a um economista que mudava de carro e mulher quando tomava banho

fiquei a dever-lhe a vida numa manhã de inverno ao pisar uma poça gelada

os més, onde se incluía sampaio, entraram para o ps e sanearam o boxexas

a ribaldaria do prec destruiu em definitiva a economia do rectângulo

ontem, dia das bruxas, ri-me imenso com a 'assombração'

zé sócrates regressa de xuxa na boca

José Domingos disse...

Curiosamente, o maior partido portugês, o FP ( funcionalismo público), está de novo á venda, nas eleições de 2009, o preço, foi um aumento de 2,5%, dado pelo inenarrável, pinto de suza, agora, é a retoma dos salários e as 35 horas, dadas, pelo tó chamuças. Vendem-se, por um prato de lentilhas,os funcionários estatais.
É assim o caminho para o socialismo, e da quarta bancarota, cantado e musicado, para os amanhãs. Vergonha

Apache disse...

“Vendem-se, por um prato de lentilhas, os funcionários estatais.” [José Domingos]
Nem todos. Alguns, não gostando de cortes salariais, também não apreciam lentilhas.

Rui F Santos disse...

a memória e a História são tramadas. por isso a coerência é algo tão importante, e dificil de manter para os "sem-espinha".
Portadaloja, como sempre, o verdadeiro Serviço Público de dignidade intransigente.
Obrigado,
Rui Santos

BELIAL disse...

As promessas são irresistíveis: retoma salarial e reposição da 35h.

E enquanto o pau vai e vem, folgam as costas com o costa.

O ps é o melhor patrono da fp, sua guarda pretoriana eleitoral.

Os outros dão-lhe para trás, referindo-se-lhes como "essa gente"...e a boiada não gosta, claro...

BELIAL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BELIAL disse...

Para muitos o prato de lentilhas são muitos milhares de euros por ano a menos.
É a doer.
Conheço caso de mais de 8000€

Para além disso impostos e descontos, sem fuga.