domingo, 26 de novembro de 2017

Um testemunho directo contra a mentira actual do pensamento único

Daqui:

Há precisamente 50 anos, também um sábado, mais ou menos por esta hora (17h00) , caía em Lisboa a popularmente chamada chuva "molha tolos". Persistente num cenário cinzento e normal naquela época do ano. Horas mais tarde, quando me dirigia para o pavilhão desportivo do Campo de Ourique para assistir aos jogos de andebol do campeonato regional da I divisão, já as bátegas eram bastante mais fortes mas ainda longe de algo de anormal. Entrei no pavilhão para junto da claque do Passos Manuel (o liceu tinha equipas de andebol que disputavam as provas oficiais da associação e da federação) e vibrámos com o encontro e o apoiámos fervorosamente o nosso ALPA. 
Findos os jogos da jornada já para lá da meia-noite, eu e uns amigos fomos até uma casa de petiscos perto do pavilhão, "Os Passarinhos", e quando de lá saímos "molhados" com umas canecas de cerveja e uns "piú-piús lá para as 02h00 da madrugada o céu abria-se em cascata e as ruas eram leitos caudalosos que as sargetas não conseguiam sugar e absorver. A corrente intensa da Rua João XXI  desaguava no Largo do Rato com violência e daí seguia impetuosa pela Rua de S.Bento. 
Chegados ao Jardim do Príncipe Real, o temporal dispersou-nos e cada um seguiu para sua casa. Já na cama, no último andar de um prédio na Rua Eduardo Coelho, ouvia a chuvada bater com estrondo nas telhas e nas vidraças das janelas. Ao almoço, recordo-me de umas vagas referências a inundações, mas à tarde saí para ir jogar matraquilhos e bilhar para o Jardim Cinema e não me recordo de grandes comentários às cheias que por essa altura já tinham ceifado a vida a centenas de pessoas. 
Só me apercebi verdadeiramente da dimensão da tragédia na segunda-feira, no Liceu Passos Manuel, onde a rotina das aulas se alterara em função da mortandade na zona da capital. O reitor, professores, alunos e contínuos contavam as suas experiências pessoais abertamente, sem receios dos "bufos" da PIDE que por lá existiam, e que nós sabíamos quem eram, mas não ligávamos muito a esses personagens porque o Liceu Passos Manuel era bastante rebelde no seu comportamento perante as autoridades e tanto andavamos à pedrada com a PSP  no largo anexo à igreja das Mercês como assobiavamos os veículos da GNR que atravessavam a rua em frente ao edifício escolar para entrarem nas traseiras do quartel dos Paulistas. 
Não sei de quem partiu a iniciativa, mas muito rapidamente os professores começaram a solicitar aos alunos voluntários para irem ajudar as autoridades nas zonas afectadas pelas cheias. Penso que quase toda a rapaziada com mais de 14 anos alinhou imediatamente nessa tarefa. Eu tinha, nessa época, 16 anos e fui com o meu grande amigo (precocemente falecido) Castanheira para Algés, onde deparámos com um cenário dantesco. Água, lama, destroços até ao primeiro andar dos prédios na rua da linha dos eléctricos e na avenida marginal. Chafurdámos por ali durante dias em caves imundas, recolhendo animais mortos e ajudando a carregar vítimas embrulhadas em cobertores enlameados para viaturas que seguiam para a morgue do Instituto de Medicina Legal. Por volta do meio-dia apareciam umas senhoras que nos davam uma sandes de "qualquer coisa" e uma gasosa. 
Mais que o silêncio dos mortos incomodava-nos, sobretudo, o pranto do vivos sobreviventes ou os rostos sem expressáo de quem ficara vazio de bens e sentimentos.  
Leio agora, passados todos estes anos, que as autoridades abandonaram as vítimas e quiseram esconder a "maior tragédia em Lisboa desde o terramoto de 1755". É mentira! Eu vi polícias, guardas republicanos, bombeiros, médicos, enfermeiros, soldados, empregados da Carris, da CP, dos CTT, estudantes, professores, anónimos, todos unidos para livrar a zona de Lisboa daquele armagedão inesperado. 
É óbvio que existia a Censura, como existe em todos os países que estão em guerra e Portugal combatia no Ultramar, mas, mesmo com o lápis azul o "Diário de Lisboa" titulava, como se pode ver na foto acima, "centenas de mortos". Muitas zonas da cidade eram precárias. É verdade. Mas o maior bairro de lata da Europa situava-se em Paris, na democrática e evoluída França, e era habitado por centenas de milhar de ... portugueses. 
Como poderia Salazar esconder do Povo semelhante tragédia se este mesmo Povo fazia excursões aos milhares para visitarem as zonas atingidas pelo temporal mortífero. Satisfaziam a curiosidade mas não ajudavam. Nem uma pedrinha afastavam do caminho. Esconder as cheias de 1967 era como os americanos esconderem o ataque às torres gémeas, em Nova Iorque. Impossível.
E naquele tempo não havia o SIRESP nem a imensa frota de veículos dos bombeiros como a que combateu os fogos de Pedrógão Grande, em Junho, ou de todo o centro do país, em Outubro, com os trágicos resultados que se conhecem. Não houve, então, um Presidente da República que, entre lágrimas, beijos e abraços mentiu aos portugueses, referindo que "foi feito tudo o que se podia fazer", houve, sim, um Presidente da República que visitou, de cara fechada, todas as zonas alagadas. Era almirante e chamava-se Thomaz. 
E neste disputa ditadura-democracia em tempos de luto nacional parece que a "censura da liberdade" recusa-se a tornar público o capítulo VI do Relatório dos Incêndios de Pedrógão Grande. Porque será?

21 comentários:

Arnatron disse...

Para que se não possa confirmar, que os mortos são bastante mais dos que os oficialmente decretados como mortos, devido ao incêndio.
A propósito, que é feito da senhora, que chegou a ir à televisão e disse, que tinha provas de que os mortos atingiam pelo menos o número 95 ?
O lápis vermelho da censura dos comunas é de facto eficiente ...
Conseguiu calá-la ...
Depois dizem que a censura terminou em 25 do 4 ...

Floribundus disse...

não gostava da 2ª rep
mas estes filhos da PUTA
são milhões de vezes piores

também morava em Campdórique na Ferreira Borges em frente da falecida Ertilas

o meu vw ghia conseguiu levar-me para casa em segurança com meio metro de altura de água

a que caiu nesse dia faz hoje muita falta

o almirante Thomaz era alguém que não perdia tempo com beijos e 'verborreia frenética'

veja-se o porto 'frumosa estrevaria'

onde me posso inscrever para figurante dos eventos do panças?

joserui disse...

Os assalariados dos pasquins, facilmente conseguiriam dúzias destes testemunhos, mas não encontraram ninguém.

Da Serra disse...

Onde está "Rua João XXI" deve estar "Rua D. JoãoV".

Floribundus disse...


Todas las heridas de sus más de mil kilómetros de tronco principal se resumen aquí, a las afueras de Aranjuez. El Tajo, el río más largo de la Península Ibérica, agoniza. Y la sequía, la peor en España de las dos últimas décadas, está dejando más expuestos que nunca sus gigantescos problemas. La imagen en ese punto de Aranjuez lo dice todo: a un lado, el hilo verde y limpio del mermado Tajo; al otro, el negruzco Jarama, con mucho más caudal. Ambos se unen aquí, pero el cauce principal lleva tan poca agua que es incapaz de diluir la contaminación del afluente, que arrastra los desechos de la ciudad de Madrid y su área metropolitana

Lura do Grilo disse...

Muito bom

Floribundus disse...

« Segundo a Pordata, entre 2010 e 2016 a tiragem somada de jornais e revistas baixou de 800 mil exemplares para metade. A tendência de queda continua imparável. E o desespero é mau conselheiro»

óptimo se falirem todos menos os desportivos que nunca li

RogerMac disse...


RogerMac
Á data era oficial de PM no Reg Lanceiros 2 na Ajuda. Logo nessa noite foi toda a gente mobilizada para controlar a seguranças dos Paiois de Lisboa que também conhecíamos. O quartel ficou com o pessoal mínimo e os que sobraram dos paiois foram distribuidos para as localidades dos arredores de Lisboa
A situação só ficou normalizada lá para o final da semana. Claro que há 50 anos o país era muito mais pobre que hoje e os bairros de lata de quem afluía a´capital eram muitos. Como oficial de PM nunca percebi que o governo de então quisesse esconder a tragédia. Nunca percebi qualquer censura. Não sei porquê se levanta agora aquela história . POLITICOS de arremesso ... !!!

Unknown disse...

A tragédia de 1967 ora abundantemente evocada trouxe ao blog momentos de desespero e revolta. A censura de hoje tem escondido do povo português a tragédia que ocorreu 8 anos depois. Veja-se a propósito o livro QUANDO PORTUGAL ARDEU, de Miguel Carvalho, que seria uma excelente oferta de Natal aos netos dos visitantes deste blog.

João Pedro

joserui disse...

Ò João Pedro, revoltado andas tu mas é com a bicha solitária que apanhaste na Coreia do Norte. E quando descobrires que é mais que uma, 30 ou 40 no mínimo, de outras tantas espécies, vais ficar desesperado!

Vivendi disse...

Eu tenho um testemunho estático:

Nesta aurora democrática já morreram mais portugueses ainda na gestação da gravidez com a promoção de abortos do que aqueles que morreram por catástrofes naturais e guerras do ultramar nos tempos fassistas.

fernando disse...

"É óbvio que existia a Censura, como existe em todos os países que estão em guerra"
Não havia necessidade desta boçalidade. Por acaso nos EUA quando participaram na II Guerra Mundial também imprensa com lápis azul ?

zazie disse...

Ai não?

Então como foi com hibakusha?

zazie disse...

Mais, aqui

zazie disse...

https://en.wikipedia.org/wiki/Censorship_in_the_United_States#/media/File:Censored_WPA_poster.jpg

zazie disse...

Para quem vem para aqui armado aos cágados, bastava uma simples pesquisa na net

Office of Censorship

Floribundus disse...


« EL TAJO SUCIO | 2

LA CLOACA DE MADRID

El río es incapaz de diluir todos los residuos urbanos e industriales que le llegan desde sus afluentes »

parece o caneiro de Alcântara da 1ª rep

Floribundus disse...

«
Como a despesa pública pode asfixiar a nossa autonomia
Jorge Jordão, Presidente da Confederação dos Serviços de Portugal
00:07
Mais despesa pública equivale à perda inevitável de autonomia e liberdade de decisão política.


Temos por hábito prestar mais atenção ao que nos chega de fora do que às vozes que se fazem escutar no país. Por isso, é de esperar que a chamada de atenção feita pela Comissão Europeia ao Governo português, a propósito da proposta de Orçamento do Estado para 2018, encontre o devido eco nos responsáveis pelas nossas finanças públicas.

Bruxelas alerta para o “risco de não cumprimento” das metas estabelecidas no Pacto de Estabilidade e Crescimento devido a um “desvio significativo” no ritmo de ajustamento recomendado pelos responsáveis comunitários e pelo Banco Central Europeu, que continuam a monitorizar as contas nacionais. Os documentos do semestre europeu colocam Portugal num reduzido grupo de países em risco de derrapagem financeira.

Espera-se que a referida advertência seja escutada em São Bento e no Terreiro do Paço. Ao contrário do que se tem vindo a apregoar, o Orçamento do Estado para 2018 não apazigua os mercados nem mobiliza os agentes económicos. Isto, desde logo, porque a nossa dívida tem crescido para patamares alarmantes: em agosto transpôs, pela primeira vez, a barreira dos 250 mil milhões de euros, cifrando-se no mês seguinte em 130,9% do PIB.

Os mais recentes sinais estão ainda longe de ser tranquilizadores. Pelo contrário, o compromisso estabelecido pelo Governo com os seus parceiros da esquerda parlamentar para o descongelamento de carreiras e promoções por antiguidade (não por mérito) na administração pública só pode suscitar preocupação. Só no caso dos professores, prevê-se um acréscimo de despesa da ordem de 650 milhões de euros, em atualização de escalões e salários até 2023, com efeitos permanentes nos próximos exercícios orçamentais

Unknown disse...


Ó Zé Rui olha que não, olha que não...

João Pedro

joserui disse...

Eu estou convencido que durante o Estado Novo, o Mundo era um imenso paraíso… censura era cá, bairros de lata era cá, pobres só por cá, analfabetismo era aqui, repressão e violência não havia igual, insegurança, colonialistas e inventores da escravatura, ladroagem e lei do isqueiro.
Depois do 25A o Mundo piorou muito…

lusitânea disse...

Mas agora com a "livre circulação" vamos voltar ao antigamente.E ninguém precisa de ir apanhar calor e mosquitos.É só participar na feitura da raça mista a que já estão obrigados os pobres em bairro social multicultural.Embora os ciganos andem a resistir a misturar-se aqueles malandros...
Claro que é tudo com subsídio para nossa riqueza...

A corrupção larvar em Portugal