segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Um negócio ruinoso apetecido?

 Observador:

A Impresa recebeu, através da subsidiária Impresa Publishing, uma proposta de Luís Delgado para a compra das revistas do grupo, onde se inclui a Visão, que será negociada “com carácter de exclusividade” até ao final do ano.
Numa nota enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Impresa indica que “a sua subsidiária Impresa Publishing SA recebeu na presente data uma proposta de Luís Jorge Sales Martins Delgado” que será negociada “até ao dia 31 de dezembro de 2017, com carácter de exclusividade”.
Em causa está “a eventual aquisição” por uma sociedade a constituir por Luís Delgado das publicações Activa, Caras, Caras Decoração, Courrier Internacional, Exame, Exame Informática, Jornal de Letras, TeleNovelas, TV Mais, Visão, Visão História e Visão Junior.

Quem é que se dispõe a apostar milhões num negócio duvidoso que pode render tostões e dívidas a multiplicar por mais milhões?
Só se for um maluco ou então alguém disposto a enfrentar um desfecho falimentar, com prejuízos que se adivinham certos para alguém: o Estado e os credores. Já aconteceu noutros casos, por exemplo no O Jornal.
Isto faz algum sentido?

20 comentários:

Floribundus disse...

é um negócio delgado.
há delgados que ainda apostam no papel cada dia menos lido.

a maior parte dos nativos não se apercebeu que tudo mudou

a começar por antonio das mortes, o churrascador sempre em festa

dá vómitos ouvir sujeitinho tão elegante no porte e linguagem

fernando disse...

Pergunta igualmente interessante é, onde é que este senhor descobriu a fortuna ?

Unknown disse...


Não faz sentido nenhum, José.
O grande negócio é viver à grande, agora, e no final transfere-se os prejuízos para o Estado. Estamos fartos de ver este filme. São estes empreendedores que mostram a face voraz, destruidora, do capitalismo em todo o seu esplendor.

Obrigado por trazer para esta plataforma matérias de interesse relevante para o nosso destino colectivo.

João Pedro

josé disse...

Foi debaixo de uma pedra. Deu um pontapé e...zás! Uma fortuna escondida...

Ricciardi disse...

É preciso ter fortuna pá, para fazer uma proposta pela revista?
.
Rb

Unknown disse...


Tenho cá para mim que este Ricciardi é sócio do Delgado. Ninguém me tira isso da cabeça. Este sim, José, é dos cristãos-novos.

João Pedro

jbp disse...

Deve ser primo deste

Empresário de Macau investe 15 milhões de euros no grupo Global Media

http://observador.pt/2017/11/06/empresario-de-macau-investe-15-milhoes-de-euros-no-grupo-global-media/

foca disse...

Andam por aí uns negócios estranhos

Como os artistas que compraram os CTT. Não terão ouvido falar nos emails?

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Vivendi disse...

Os jornaleiros passando para uma nova empresa torna-se mais simples e mais barato o processo das rescisões.

fernando disse...

Mas que raio é que anda a fazer o IEFP http://expresso.sapo.pt/economia/2017-11-04-185-empregos-e-um-deserto-de-candidatos Com um IEFP deste calibre Portugal vai longe

josé disse...

Ou seja, este Delgado cheira a esturro.

Carlos disse...

Neste eventual negócio importa sobretudo, conhecer a origem do dinheiro para a sua concretização. Ou a "inginharia" que o suporta. Para mim, e pelo que é (pouco) conhecido do negócio, o Sr. Delgado, pode só estar a funcionar como mandatário de alguma "lavandaria".

josé disse...

É preciso não esquecer a história dos 40% que a SIC do senhor Balsemão conseguiu através de um testa de ferro.

Este Balsemão não pode continuar a gozar com o pagode...

Unknown disse...


O Delgado é um empreendedor...Tal como o Sócrates também o era, veja-se a lista de empreendimentos em que se envolveu. Só no começo da actividade possuía centenas de cheques de uma entidade bancária. Tal como empreendedores são os detentores dos paradise papers, os nossos banqueiros, etc. Muita gente que se apropriou do dinheiro dos não empreendedores. Um polvo. Um produto, todos eles, do capitalismo neoliberal.

Também por isso os não empreendedores devem impor, por larga maioria, uma nova ordem oposta àquela.

João Pedro

josé disse...

. "Um produto, todos eles, do capitalismo neoliberal."

Li, não sei onde, que o nome Putin também lá estava. Um produto típico do capitalismo neoliberal, pela certa. Não?

josé disse...

O nome Putin genro, quero dizer...

Unknown disse...


José, a "correcção" que fez não elimina o que anteriormente escreveu.
Não percebi se está a absolver os beneficiários dos Paradise papers só porque o genro do Putin lá está. O José habituou-me a argumentação mais consistente na defesa das suas damas. Será que isto prenuncia a queda dos ideólogos do capitalismo neoliberal ? Que tal referir os 70 nomes dos portugueses envolvidos, se porventura tiver acesso a tal informação, tendo em vista que é um cidadão muito bem informado e que disponibiliza muita informação aos seus concidadãos. E não só. Também comentários que importa apreciar.

João Pedro

J. R. disse...

Desde não ponha o OE/2018 em causa, afundem-se essas "Nau catrinetas"

Corrigan, o Agente Secreto X-9