Páginas

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Un certain regard...

Sábado de ontem. A crónica de Pacheco Pereira sobre as cheias de 1967 apontam no sentido do costume: os estudantes universitários, filhos de família, católicos de tradição aliados a extremistas da esquerda, acabados de descobrir a Revolução apesar da Censura, foram ajudar os desalojados das cheias e descobriram o Portugal paupérrimo que não conheciam antes: "aquele País de mortos por contar, aquele País de vivos miseráveis, aquele país que deliberadamente se tentou esconder por todos os meios"...

O articulista disse "eu vi". Viu o quê, afinal?



Há no mesmo número da revista quem tenha visto outra coisa e morava perto do sítio das cheias. Nuno Rogeiro sobre as mesmas cheias de 1967:


Nuno Rogeiro é filho de Clemente Rogeiro que foi ministro de Marcelle Caetano.

Pacheco Pereira é filho de alguém da classe média do Porto.

O percurso pessoal, político e intelectual de ambos não difere no essencial: fazem parte da elite nacional dos educados no regime anterior com estudos universitários.

Sobre as cheias de 1967 têm visões diametralmente opostas. Quando Pacheco diz "eu vi", será retórica. Viu a partir do Porto. Quando Rogeiro escreve sobre o que viu percebe-se que viu mesmo o que descreve.

A quem se deve comprar um carro em segunda mão? Ao primeiro ou ao segundo?

A pergunta é apenas retórica porque Pacheco não é de confiança no que relata.

19 comentários:

lusitânea disse...

O Pacheco ainda anda na fase da máquina duplicadora com o que fazia um pouco de subversão.Quem nasce torto tarde ou nunca se endireita...
Felizmente andam os antigos subversivos a queixar-se da "subversão" das "redes sociais"...

Floribundus disse...

nunca gasto todas as munições com sociais-fascistas ou ex-

começo sempre pelas de menor calibre, mas eficazes

neste GULAG de Frankenstein
há frustrados e iluminados para todos os gostos e gozos

a esquerda do 'fuá-grá'

Floribundus disse...

este MAGRIÇO entretém-se a defender a sua dama

participa em torneios
onde 'desfila a toda a brida' no seu ROCINANTE

há moinhos de ventania previstos pelo IPMA

acaba a apanhar as peças que caem da geringonça quando esta andar pelas ruas ... da amargura

'no entre tanto' anda aos papéis

Floribundus disse...

fico com a convicção que actualmente

a abreviatura pm significa
PÉSSIMO MENTIROSO

azar o do PP que escreveu
'Esmeraldo de situ orbis'
ter o mesmo nome de família
felizmente tinha o nome cristão de Duarte

joserui disse...

Esta malta que andou pelo MRPP e restante extrema esquerda, em idade mais que suficiente para ter juízo, depois de algum baile de debutantes foi apresentada à sociedade, porque a burguesia fala sempre mais alto, mas constato que nunca deixaram de ser o que sempre foram. Excepções a confirmar a regra devem caber nos dedos de uma mão e sobram dedos.

joserui disse...

Este Pacheco Pereira anda uma vida inteira a justificar acções de juventude. Não sei como é que um país tão reles de mortos e vivos deu ao Mundo tamanha sumidade.

Terry Malloy disse...

Sobre o Pereira, penso que não vale a pena gastar cera com tão ruim defunto.

Quanto ao Nuno Rogeiro, e apesar de não ser apreciador de tudólogos, sempre o considerei indiscutivelmente mais capaz e inteligente que a maioria do "especialistas em tudo" que vão aparecendo por aí e perguntei-me muitas vezes nos últimos 10 anos porque é que tinha desaparecido das televisões.

Está explicado. É gente que pensa pela sua cabeça e que é capaz de atirar ao focinho dos marxistas culturais, na mesma edição de revista em que estes vomitam a sua ignorância, os seus "mitos urbanos", que qualifica de "ofensivos". Traduzindo: diz-lhes que mentem.

Esses 10 anos de que falo são o período do triunfo do marxismo cultural no ocidente.

Maria disse...

Todos os comunistas, passados e presentes, têm uma inveja doentia dos ricos, das suas tradições, do seu dinheiro e da sua posição social e/ou estatuto. Também têm a mesma inveja da aristocracia e mais ainda dos nobres e dos monarcas e do seu poder, tradições e pergaminhos. Neste lote de invejosos estão incluídos os comunistas de todos os quadrantes, como é bom de ver.

Esta gente é de tão má índole que só descansa quando através de revoluções, guerras ou golpes de Estado sangrentos, consegue substituí-los alcançando o poder nos diversos países. Quando os invejosos por poder e dinheiro armados em libertadores dos povos e da pseudo opressão em que estes supostamente vivem, suspeitam que mesmo depois das revoluções e guerras fratricidas por eles próprios despoletadas, os governantes derrubados ou monarcas depostos podem mais cedo do que tarde voltar ao poder por possuírem o apoio dos seus povos e/ou súbditos, então os invejosos sequiosos de poder e dinheiro não hesitam um segundo em assassiná-los, sejam eles presidentes, primeiros ministros (ou ambos), monarcas ou famílias reais inteiras.

Temos exemplos destes, tremendamente dramáticos, em quase todos os países da Europa, mas também nos restantes Continentes, tanto em séculos passados como nos mais recentes. O mais trágico de todos foi sem dúvida o séc. vinte.

E a violência e a maldade indescritíveis a que Europa e o mundo assistiram neste último século provocadas pelos gananciosos por poder e dinheiro, foram consequência directa de uma inveja exacerbada dos ricos e poderosos e de uma cobiça insaciável pelas fortunas de outrem, para com estas poderem levar a vida luxuosa (e na maioria dos casos também de luxúria) que as mesmas proporcionam, pois caso optassem por vir a possuir os alvos da sua cobiça através de meios pacíficos e não bélicos, ela jamais estaria ao seu alcance.

Mas é óbvio que um método pacífico para alcançar o poder nos países onde se alojam nunca foi nem nunca será o adoptado pelos invejosos e sedentos por derramamento de sangue deste mundo.

Pedro disse...

Estive a ler e não vi nenhuma contradição entre os dois textos.

Sim, tentava-se esconder que o país era paupérrimo.

Sim, a catástrofe das cheias revelou esse Portugal desconhecido de muita gente.

Agora era impossível de esconder.

Onde está a contradição ?

josé disse...

Bem me parecia que não entende o que lê...

Então o Rogeiro também diz que se tentou esconder a miséria?

zazie disse...

Eles sabem que se tentou esconder pelos filmes e fotografias da época...

ehehehehe

Tudo nos jornais. Mas agora dizem que os jornais estavam escondidos e a coisa passou-se em terras que ninguém conhecia nem nunca tinha visto na vida.

aguerreiro disse...

Estáveis á espera de quê? Que o adelo da Marmeleira dissesse bem de alguém!

joserui disse...

O próprio doutor Salazar escondia os jornais debaixo da cama… tiragens de 1.000.000 de exemplares e mais, tudo bem escondido. Felizmente temos um jornalismo pujante, que descobriu tudo. Só não descobriram o 44 e o Costa e esta tropa fandanga.

foca disse...

Boa Joserui

Andam para aqui uma meia dúzia de idiotas a tecer opiniões palermas sobre os anos 60, como se na altura tivéssemos redes sociais.
Miserável é nos dias que correm os apaniguados do perdedor de eleições que ocupa São Bento tentarem esconder o óbvio ululante.

Se calhar nas cheias foram anunciados 500 vitimas e foram 700.
E então?

Se voltar a acontecer uma chuvada daquelas, é melhor que não seja nos novos bairros de barracas que voltaram a surgir na periferia de Lisboa

hajapachorra disse...

Nessa altura o Pacheco vivia em Lisboa.

Pedro disse...

Indirectamente sim, visto que refere a censura que não seria propriamente para esconder as coisas boas do regime...

Mas ambos concordam que a catástrofe das cheias foi grande demais pata esconder.

Rogeiro refere notícias em jornais e Pacheco afirma que foi nessa altura que muita gente tomou consciência da miséria dos bairros pobres.

Logo, embora haja diferenças de sensibilidades, as duas crónicas confirmam-se, não se contradizem.

Simplesmente Rogeiro sublinha o aspecto noticioso da época para desmentir alguém que tenha dito que até essa catástrofe tenha sido escondida.

Ora essa afirmação não aparece no texto de Pacheco, pelo que estará a referir outra pessoa. Ou outro texto de Pacheco, isso não sei.

Mas estes dois textos não apresentam contradições.

josé disse...

"aquele País que deliberadamente se tentou esconder por todos os meios" é uma frase no texto de Pacheco.

Preciso de dizer mais ou nem isso entende?

zazie disse...

ò hajapchorra- o Pacheco Pereira em 67 viva em Lisboa?

Onde foi buscar essa informação?

zazie disse...

Consta que estudava no Porto mas a informação das cheias chegou até ao Poto e a solidariedade e assim...
Despejou a k7 idológica, foi o que foi. Não viu nada.