sexta-feira, 26 de março de 2010

O PGR não é político...

Passou agora mesmo na TVI:

Num anfiteatro de uma faculdade de Direito, suponho, um interveniente interpelou o PGR Pinto Monteiro, presente, para lhe colocar uma questão simples:

Porque não mandou organizar um inquérito por causa do assunto da Face Oculta e do "expediente" que lhe foi entregue por outros magistrados para esse efeito?
Resposta de Pinto Monteiro: V. fez uma intervenção política. Eu não sou político. Por isso, não respondo.

E antes ainda balbuciou umas razões imperceptíveis sobre os jornais de "referência". Disse que não sabe quais são...a não ser a Bola. E disse-o em tom jocoso, procurando adesão à piadola.

Em suma e resumo, foi isto. E é isto que temos visto. Sem mais.

6 comentários:

João Simas disse...

Desta não deu resposta. Mas quando dá é mais triste: Diz que não instaura inquérito porque não há indícios da prática de crime, quando saber se há ou não indícios de crime é a própria finalidade do inquérito. Assim fecha-se o circuito, sem nunca ter de se investigar. Nunca o ouvi dizer que, considerado em abstracto, o comportamento imputado ao PM não era susceptível de configurar crime, que era o que teria de dizer: se a denúncia é susceptível de integrar tipo de crime ou não. E sendo, não tem alternativa, senão instaurar inquérito.

Continuo a achar que o titular do inquérito bem podia ter remetido o "expediente" depois de escrever na capa: "R.D. e A. como inquérito". A partir daí tudo era sindicável e haveria regras.


Ultimamente, o PGR tem-se dedicado, ao que parece, à análise do que é político ou jurídico. Que me parece ser um caminho perigoso para um PGR...

Anónimo disse...

Assisti e a aprimeira coisa que me ocorreu é que a intervenção do jovem poderia ter sido truncada, mas pelos vistos não. A única coisa adicional que disse foi que não percebia como era aquilo possível. Está explicado o caso: para Pinto Monteiro um caso é político desde que algo que envolva o PM seja posto em causa e ponto final. Não há volta a dar-lhe. É assim mesmo.

josé disse...

Exactamente. O que o Marques Vidal deveria ter feito era pura e simplesmente mandar autuar e registar como inquérito e depois remeter a quem de direito.

Podia chegar ao mesmo resultado mas...era outra coisa.

Pela certa. E o PGR nessa altura já tinha pedido a reforma antecipada.

Dr. Assur disse...

Sobre certas decisões dos juizes (homem que assassinou a própria filha com o cinto de um roupão):

"A sua grande pena foi a perda da sua filha (...) é a culpa que vai acarretar o resto da vida e o sentimento de perda irreversível"

Será?

Anónimo disse...

性愛文性愛性交自拍走光貼走光自拍自拍性照片蒼警空裸体女人裸體按摩辣妹18禁遊戲辣妹拍貼辣妹根辣妹做愛電影辣妹情色貼圖站舞碼臺灣圖貼臺灣情色榜維克斯論區維基百科臺灣 kiss 貼圖區臺灣一夜情臺灣巨乳臺灣本土貼圖臺灣自拍圖臺灣色情kiss臺灣色情片臺灣色情貼圖臺灣色情貼圖區臺灣色情影片臺灣美女寫真辣妹貼圖自拍gogogirl視訊美女 網路小說 正妹計時器自拍貼圖

victor rosa de freitas disse...

José:

O "labrego" foi apanhado com as calças na mão ou, como dizem os ingleses "he has been caught red-handed"...

O que pode, pois, o "labrego" fazer?

Apenas dar "desculpas" atabalhoadas até ser finalmente e devidamente demitido.

Entretanto, vai desacreditamdo, como nunca a "justiça".

O que podemos fazer?

Manter a pressão sobre o "labrego".

Força, José, que nós apoiamos!

Os governantes no antigo regime