sexta-feira, 5 de março de 2010

O ridículo

Marinho Pinto em escalada no ridículo que o descredibiliza completamente:

“O poder judicial está, neste momento, empenhado em derrubar o primeiro-ministro. Alguém tem dúvidas disso?”, afirmou Marinho Pinto, no Porto, à margem de uma conferência realizada na Faculdade de Direito no âmbito da semana do emprego que hoje termina naquela instituição.

Adiantou que “este primeiro-ministro, bem ou mal, tocou em alguns privilégios da corporação”, sendo “manifesto” que a mesma “está empenhada em derrubá-lo”.

“O caso Freeport é óbvio. Há seis anos que está este processo e vai ser arquivado agora? E durante este tempo todo vejam o que fizeram ao primeiro-ministro”, frisou.

Marinho Pinto salientou ainda que “há decisões judiciais que são produzidas para o debate político” e sustentou que “tudo está aqui numa promiscuidade aviltante para as instituições democráticas e para a própria cidadania”.

Em resposta ao presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, que hoje o instou a concretizar as acusações de que há contaminação política no MP, o bastonário sublinhou que “não” comenta “declarações de sindicalistas”.

“Os sindicatos querem, e bem, mais dinheiro e menos trabalho para os seus associados, o objectivo que me move e move a Ordem dos Advogados é melhor justiça, mais rápida e mais justa para os cidadãos, sociedade e empresas”, salientou.

Continuando com as suas habituais críticas a magistrados, Marinho Pinto reiterou que “há uma agenda política por trás de sectores das magistraturas do Ministério Público e dos juízes”.

“O discurso público, hoje, dos juízes e dos procuradores e dos polícias é o mesmo o que é muito estranho quando o juiz devia estar equidistante”, afirmou.

Questionado pelos jornalistas sobre a gravidade das suas acusações o bastonário respondeu “paciência”. “A verdade por vezes incomoda muito”, frisou.

3 comentários:

Mani Pulite disse...

TRÊS PINTOS NOJENTOS.TRÊS PARVALHÕES QUEIMADOS.TRÊS CASOS DE POLÍCIA.

Diogo disse...

Concordo que há uma agenda política por trás de sectores das magistraturas do Ministério Público e dos juízes. Tal como há uma agenda política por trás de Marinho Pinto.

josé disse...

Diogo

em que factos concretos se baseia para anunciar essa novidade?

Gostava de saber, porque se fossem verdade publicaria.

Assim, a afirmação vale tanto como o seu contrário.