segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A nossa CGD é mais rica que o FMI...mas não chegava para o Pinho das chancas

Recebido por correio electrónico, este postalzito de Julho do ano corrente:

A nova directora do FMI, Christine Lagarde, vai ter um rendimento anual líquido de 323 mil euros, a que se somam 58 mil euros para gastar em despesas, o que representa mais 10% do que o seu antecessor, Dominique Strauss-Kahn.

A antiga ministra francesa da Economia assinou hoje contrato para dirigir a instituição durante 5 anos.

O total de 381 mil euros anuais que Lagarde vai receber (salário mais despesas) é um aumento de 11% relativamente ao que recebia Dominique Strauss-Kahn, o ex-director da instituição acusado de abusar sexualmente de uma camareira de hotel em Nova Iorque.

Quando foi nomeado, em 2007, Dominique Strauss-Kahn acordou em receber um salário anual de 291 mil euros, com despesas de representação de 52 mil euros - um total de 343 mil euros. Menos quase 38 mil euros anuais do que vai agora receber a francesa.

Christine Lagarde é a 1ª mulher a dirigir a instituição e a única que não é economista de formação, desde a sua fundação em 1944.

Para que conste, retirado do site da CGD, referente a 2009 (não divulgaram os valores de 2010 nem de 2011...):

Presidente -
Remuneração base: 371.000,00€;
Premio de gestão: 155.184,00€;
Gastos de utilização de telefone: 1.652,47€; Renda de viatura: 26.555,23€;
Combustível: 2.803,02€;
Subsídio de refeições: 2.714,10€;
Subsídio de deslocação: 104,00€;
Despesas de representação: cartão de crédito onde "apenas" são consideradas despesas decorrentes da actividade devidamente documentadas com facturas e comprovativos de movimento - não quantificado...

Em suma, apenas com o vencimento base e o prémio de gestão, foram 526.184,00€!!! (a Directora do FMI foram 381€ já com despesas de
representação) e depois ainda há uns gastos com telefones, combustíveis, etc., para além de um cartão de crédito de valor não quantificado!

Palavras para quê?

Contrastando algo com esta escandaleira continuada, o economistas Eduardo Catroga, mais ou menos pela mesma altura, contava esta ao Expresso:

"Há um episódio curioso com a CGD a propósito do Manuel Pinho. Em Outubro ou Novembro, convidou-me para almoçar e disse: "Dizem que vou para a CGD, mas aquilo só dá 350 mil euros e o carro também não é grande coisa..." Eu aqui resolvi gozar: "Ó Manuel, a CGD nunca deu dinheiro, dava prestígio. Quem ia para administrador tinha status. Agora vocês abandalharam o banco todo! Meteram lá o Vara e o Bandeira [presidente do BPN e vice-presidente da CGD]! Abandalharam aquilo tudo!" Meteram lá o aparelho que controla os movimentos de crédito da CGD. A Caixa está ao serviço de interesses!"

Parafraseando Miguel Relvas é por causa destas CGD´s e outras que tais que estamos como estamos: na penúria. Os manuéis pinho deste regime são apenas personagens obscenos, neste contexto.

6 comentários:

Mani Pulite disse...

BATER PUNHETES AO ZÉZITO E AO RICARDO RENDE MUITO MAIS E NÃO É OBSCENO.VAMOS LÁ A DAR-LHES COM O PUNHO!

joserui disse...

Está na linha de uma Reserva Federal que nunca chegou sequer aos calcanhares do Banco de Portugal e do seu presidente... um tal de Constâncio, cúmplice activo!... do aldrabão nos actos que desgraçaram o país. Nada de novo. Até quando é que não consigo imaginar... aparentemente isto é para sempre... -- JRF

Zé Luís disse...

RE-PU-GNAN-TE

rita disse...

Brilhante!!!

Karocha disse...

Eu também recebi, o que não entendo é que com tanto money, seja preciso o FMI !
Mas como sou loira...

ZéBonéOaparvalhado disse...

Boa peça - comentário para quê? são "pobrezinhos" da banca pública