sábado, 26 de novembro de 2011

Para tentar perceber os adeptos fervorosos

Em 7 de Março de 2002 a revista Visão publicou uma separata com várias páginas que intitulou "O Estado da Nação". Pediu a figuras públicas como Boaventura Sousa Santos e Maria de Lurdes Pintassilgo para escreverem artigos de opinião. Boaventura não se fez rogado e em quatro páginas explanou o seu excelso pensamento de terceiro-alter-mundialista. Começa por escrever que as "sociedades são teias complexas de vasos comunicantes onde tudo tem relação com tudo." É por isso que Boaventura se especializou na teoria geral do tudismo...com referências anexas e vinculadas à esquerda marxista e pratos requentados de anticapitalismo a ferver.
Maria de Lurdes Pintassilgo, então como sempre, defendia que era preciso "inventar a democracia".
Para além desses dois próceres de uma certa esquerda folclórica que nos animou sempre o circo mediático, houve mais dois cronistas de opinião cujos artigos vale a pena ler no contexto da época- após a saída de Guterres que governou desde 1995.
Um deles foi o ministro das Finanças do governo do mesmo Guterres, Sousa Franco, entretanto falecido. E que escreve o antigo professor de finanças públicas que sempre teve lucidez para perceber o país e não foi capaz de fazer melhor que o que deixou de herança dos governos de Guterres? Isto que aqui fica.

Outro cuja opinião importa ler porque se tornou adepto fervoroso do socialismo democrático, rompante nos anos a seguir, para abandonar a meio caminho, depois de ter assegurado que José Sócrates era indivíduo extraordinariamente capaz e fora nos anos sessenta e setenta do século que passou um adepto fervoroso de Salazar (como o revelam cartas entretanto publicadas )merece atenção do ponto de vista psicológico.
Em conclusão resta dizer que se chegamos onde chegamos não foi só por nossa culpa colectiva em votarmos nestes adeptos fervorosos de qualquer coisa. Foi porque o mandato que lhes conferimos foi simplesmente atraiçoado por coisas que importa perceber. Basicamente, interesses pessoais cruzados com ideologias avulsas e difusas e ideias supostamente redentoras.
Esta gente foi quem nos tramou o futuro e é bom que nos lembremos disso.

Só como exemplo, o adepto fervoroso de Salazar, entretanto virado adepto fervoroso de um socialismo tipo José Sócrates ( é de causar perplexidade como é que um professor catedrático de Direito Administrativo aceita conviver politicamente num governo chefiado por um Inenarrável como José Sócrates e ainda por cima assegurar que era pessoa altamente capaz...) só como exemplo, dizia, o tal adepto fervoroso escrevia já sobre o défice crónico das contas públicas que era insustentável e tal, dizendo "Poderá alguém compreender, e aceitar, o défice crónico do Ministério da Saúde, ou da RTP? Que medias se tomaram? E quem foi responsabilizado por desrespeitar os orçamentos aprovados, gastando muito para além deles? Que se saiba, ninguém!"

É. Foi assim e continuou a ser durante a década toda. Com o fervoroso adepto dedicado à causa do licenciado na Independente.
A troco de quê? Um Ministério, apenas. Bastou um Ministério para um silêncio de década. Isso e uns lugarzitos em Assembleias gerais de ep.s .

4 comentários:

lusitânea disse...

Adeptos fervorosos do tudo e do seu contrário, desde que entre o "seu".Tristes figuras que um dia a história castigará, porque a "justiça" essa é deles...

JMCL disse...

As cambalhotas de Freitas do Amaral são evidentes.
Os políticos do regime meteram Portugal no bolso - uns literal e directamente, outros porque se calaram. As responsabilidades ainda não foram apuradas.

O sofrologista católico disse...

Existem duas formas de destruir a misericórdia: eliminando o pecado e eliminando o perdão. Estas são precisamente as duas atitudes mais comuns nos dias que correm. Numa enorme quantidade de situações não se vê nada de mal. Naquelas em que se vê, não há desculpa possível. As acções do próximo ou são indiferentes ou intoleráveis. O que nunca são é censuradas e perdoadas. O que nunca se faz é combinar o repúdio do pecado com a compaixão pelo pecador.

ZéBonéOaparvalhado disse...

O Freitas? - óh, meus Deus, nem para limpar a pia da sacristia -foi a pior "shit" que passou pelo Governo do Sócrates.

Já se esqueceu do "contra golpe" que fez o psd - aquando a sua candidatura à PRepública - o champanhe da vitória quem é que pagou?.

É mesmo infantil - valha-me Deus