sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Acusação grave na sede do poder político

Declarações do director do Sol, na A.R. hoje:

"Hoje acho que há uma conivência do poder judicial com o poder político.
Mas penso que se pode dizer mais, há encobrimento do poder político pelo poder judicial.
Há factos suficientes para se poder afirmar que há encobrimento", disse José António Saraiva, que está a ser ouvido pela comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Cultura a propósito de alegadas intervenções do Governo na comunicação social.
A edição de hoje do Sol refere que o Procurador-geral da Republica foi informado pessoalmente de escutas que estavam a decorrer no âmbito do caso Face Oculta e afirma que "a partir desse dia, as conversas mudam de tom e há troca de telemóveis".
Em mais de trinta anos de democracia, creio ser a primeira vez que o director de um jornal produz uma afirmação tão grave e prenhe de alusões explícitas à falta de separação de poderes em Portugal.
Se o poder judicial- e note-se que abrange o terceiro pilar da democracia, depois do legislativo e do executivo- está manietado pelo poder político, subjectivamente, o facto assume gravidade inaudita e que merece a intervenção do presidente da República, último garante dessa separação de poderes. Depois do P.R. quem nos resta a nós, povo, para sindicar esta imputação?

3 comentários:

Valério Guerra disse...

O que nos sobra
é a torrente salivar
e a lucidez de manobra
para o naufrágio evitar,

é o aço das palavras
brandidas sem medo
no combate pelas escravas
mantidas em segredo,

e é a fogueira da mente
se recusar a ceder
ao rebanho aquiescente
a que a querem prender.

Diogo disse...

Resta-nos a nós, povo. E já há muito que o devíamos ter começado a fazer, porque a corrupção dos três poderes não começou agora. Basta de ingenuidade e de carneirada.

Mani Pulite disse...

AO POVO RESTA A DESOBEDIÊNCIA CIVIL E O RECURSO AO ARTIGO 21 DA CONSTITUIÇÃO.