sábado, 10 de novembro de 2012

Bloco: uma farsa

 Sol:

Esperava-se que Daniel Oliveira tivesse como adversário principal Luís Fazenda. Afinal, o duelo oratório foi com Fernando Rosas. O mote da discussão que incendiou a VIII convenção do BE: haverá um Governo de esquerda sem o PS? Para Daniel Oliveira não há. Fernando Rosas falou a seguir numa das mais aplaudidas intervenções da convenção, respondeu-lhe duramente e levantou os delegados quando gritou: «Haverá um governo de esquerda queira ou não queira o PS!».
Foi um final de tarde intenso centrado no debate que divide a convenção: as alianças de governo e o PS. As intervenções sucessivas de Luís Fazenda, Daniel Oliveira, Ana Drago e Fernando Rosas trouxeram os delegados para a primeira divisão da discussão política. Com surpresas.
Fazenda optou por não se referir à lista B e fez o discurso da alternativa que se constrói à margem da direcção do PS. Chegou o tempo de o BE se impor, com quem quiser seguir os bloquistas, mas sem cedências à linha oficial do PS. Sem nomear nunca a linha da oposição.
«Há um ano, antes das legislativas, todos perceberam que tínhamos ventos contrários». Nessa altura, o medo da troika limitava a votação no BE: «a troika era um míssil contra nós». Agora não é assim. «Os ventos viraram» e com a queda do Governo de Passos Coelho virá uma votação histórica -- foi a mensagem de Fazenda, muito aplaudido.
Seguiu-se a primeira figura da lista B, ainda que tenha aparecido na convenção como simples delegado. Daniel Oliveira foi directo e não se inibiu de atacar directamente o adversário interno. Pegou no artigo de opinião de Fazenda, publicado no portal do BE, em que o líder parlamentar afastava a hipótese de um governo com o PS, por ser «contrário à genética do BE» e pediu aos bloquistas uma atitude diferente.
Daniel Oliveira acusou certos dirigentes do BE de fazerem do governo de esquerda um chavão sem conteúdo. «O Governo de esquerda é agora uma boa frase para um outdoor», disse. Pedindo aos camaradas de partido que se deixem «de rodriguinhos» disparou: «Não haverá governo de esquerda que exclua o PS».
Estava para chegar a intervenção decisiva. Fernando Rosas subiu de seguida ao palco e não largou Daniel Oliveira. Disse que os ataques da lista B de Daniel Oliveira eram «insultuosos» para João Semedo, Catarina Martins e os delegados. «Deixemo-nos de rodriguinhos» -- pegou Rosas na expressão de Daniel Oliveira -- atacar a direcção bicéfala é atacar pessoalmente Semedo e Catarina. «Eles são uma espécie de marionetas?», indignou-se. A intervenção prosseguiu exaltada: «Sucessão dinástica? O que estamos a fazer há três meses se não a discutir esta proposta de direcção?».
Contrariando várias vezes Daniel Oliveira - e arrebatando os delegados - Fernando Rosas saiu do palco afirmando o que uma boa parte do Bloco parece acreditar. A solução à grega, em que o PS deixa de ser a maior força da esquerda é perfeitamente possível.

O Bloco é uma farsa há um ror de anos. O que deviam discutir nesta espécie de congresso era apenas isto:

 "O BE é um movimento socialista ( diferenciado da noção social-democrata, entenda-se-nota minha) e desse ponto de vista pretende uma revolução profunda na sociedade portuguesa. O socialismo é uma crítica profunda que pretende substituir o capitalismo por uma forma de democracia social. A diferença é que o socialismo foi visto, por causa da experiência soviética, como a estatização de todas as relações sociais. E isso é inaceitável. Uma é que os meios de produção fundamentais e de regulação da vida económica sejam democratizados ( atenção que o termo não tem equivalente semântico no ocidente e significa colectivização-nota minha) em igualdade de oportunidade pelas pessoas. Outra é que a arte, a cultura e as escolhas de vida possam ser impostas por um Estado ( é esta a denúncia mais grave contra as posições ideológicas do PCP). (...) É preciso partir muita pedra e em Portugal é difícil. Custa mas temos de o fazer com convicção."

Enquanto esta discussão não se fizer, o Bloco é uma farsa constante. E o tal Oliveira é o que é e vai sair chamuscado deste confronto com os fósseis.
E claro, lá aparece o PS. Sempre o PS. Quem não conhece a História está condenada a repeti-la. Como farsa, evidentemente que é o que acontece agora.

6 comentários:

zazie disse...

ah pois vai. Ainda o esborracham no assalto ao Palácio de Inverno (boca do jmf57)

Floribundus disse...

'pudim flan rosas' e 'arrastão':
'diz o roto ao nu,
porque te não vestes tu?'

estórias de 'cópulas' partidárias

zazie disse...

O Rosas não é flor que se cheire.

Arnatron disse...

Ele é a plebe rústica e exaltada ... em tom monárquico ... uma maravilha ... para divertir a malta ... sempre atenua a crise ... a ouvir os fósseis ... a debitar baboseiras ... e outras que tais ...

hajapachorra disse...

Uma vez, por azar, tive de falar com o Rosas. É um anão. Por dentro e por fora.

zazie disse...

Os anões também mordem.