quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Diário Popular de 1971- o Pif Paf de Millôr Fernandes

Em 1971 recolhi na loja do meu avô, vários exemplares do Diário Popular, jornal que se publicava diariamente e era um regalo ler por causa das notícias e suplementos quase diários.
À Quarta-Feira aparecia um suplemento que trazia O Pif Paf, uma página inteira com o humor brasileiro de Millôr Fernandes, falecido recentemente, em "edição especial" para o jornal conforme o mesmo escrevia.

Aqui fica uma dessas páginas, a do dia 2.6.1971. Já não se faz disto, nos jornais. E é pena.


4 comentários:

Floribundus disse...

não sou saudosista e procuro esquecer o passado por razões terapeuticas, mas não consigo.
gostava imenso de Millôr

3 poderes
'executivo, exercicutivo, executado'
'exército, marinha, força aérea'
'quem se baixa ao opressor mostra a bunda aos oprimidos'

felizmente os jornais de hoje já não servem nem para embrulhar castanhas assadas

Bem Haja

Unknown disse...

José, nunca é demais homenagear o maior pensador do Brasil. Aqui fica o “Poeminha: Última Vontade”. Foi escrito em 1967, 45 anos antes da morte do pensador genial.





Enterrem meu corpo em qualquer lugar.
Que não seja, porém, um cemitério.
De preferência, mata;
Na Gávea, na Tijuca, em Jacarepaguá.
Na tumba, em letras fundas,
Que o tempo não destrua,
Meu nome gravado claramente.
De modo que, um dia,
Um casal desgarrado
Em busca de sossego
Ou de saciedade solitária,
Me descubra entre folhas,
Detritos vegetais,
Cheiros de bichos mortos
(Como eu).
E, como uma longa árvore desgalhada
Levantou um pouco a laje do meu túmulo
Com a raiz poderosa,
Haja a vaga impressão
De que não estou na morada.
Não sairei, prometo.
Estarei fenecendo normalmente
Em meu canteiro final.
E o casal repetirá meu nome,
Sem saber quem eu fui,
E se irá embora,
Preso à angústia infinita
Do ser e do não ser.
Sol e chuva ocasionais,
Estes sim, imortais.
Até que um dia, de mim caia a semente
De onde há de brotar a flor
Que eu peço que se chame
Papáverum Millôr

Unknown disse...

José,tenho-me despedido sem pressa do génio que o Brasil perdeu. Millôr Fernandes foi ─ corrijo-me: é ─ o maior pensador brasileiro. Tal constatação é ilustrada pelos seis exemplos reproduzidos abaixo, todos extraídos ao acaso do livro Millôr Definitivo – A Bíblia do Caos ─ um monumento à inteligência feito de 5.142 lições geniais:



* “Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem”

* “O melhor movimento feminino ainda é o dos quadris”

* “Otimismo é atirar-se do 20° andar e, ao passar pelo 18°, constatar: até aqui, tudo bem”

* “Os corruptos podem ser encontrados em várias partes do mundo, quase todas no Brasil”

* “A corrupção anda tão generalizada que já tem político ofendido ao ser chamado de incorruptível”

* “Jornalismo é oposição. O resto é armazém de secos e molhados”.

josé disse...

Bom, então vai mais um número...