sábado, 10 de dezembro de 2011

O dito certo

Esta pequena crónica de João Pereira Coutinho, o marcoense que escreve no Correio da Manhã, é imperdível porque apanha o tom certo sobre mais uma aldrabice Inenarrável:

José Sócrates é o típico aluno medíocre que ‘apanha’ umas ideias e depois debita-as com grande autoridade. Conheço vários. Felizmente, nenhum deles chegou a primeiro-ministro, embora o futuro seja uma surpresa constante.

Agora, de Paris, Sócrates resolveu abismar o mundo com uma teoria que aprendeu: pagar a dívida é ideia de criança. Dito assim, a coisa exigia um cordão sanitário nas fronteiras para impedir o retorno ao país – e, quem sabe, a Belém – de semelhante génio financeiro. Mas depois Sócrates corrigiu esta teoria com uma versão igualmente mal colada: infantilidade é pagar a dívida por inteiro e de imediato.

Quase, José, quase. A lição completa é outra: a dívida de certos países só pode ser ‘eterna’ quando existe crescimento económico para a ir ‘eternizando’. Quando um país não cresce e só contrai mais dívida, o resultado é a bancarrota.

Eis um pensamento melancólico que o estudante Sócrates teria aprendido se não andasse a faltar às aulas.

3 comentários:

Anónimo disse...

A única pessoa que até hoje falou em pagar a dívida por inteiro e num só ano foi esse senhor, ou seja, foi pior a emenda que o soneto. E fê-lo nas mesmas condições que presidiram às entrevistas dadas sobre o caso Independente: uma entrevista para tentar limpar a imagem pública revelada pelos factos de origem patológica.

Wegie disse...

"Felizmente, nenhum deles chegou a primeiro-ministro."

O gajo deve andar completamente cego!!!!

Floribundus disse...

férias de ouro em Paris

um domingo de manhã um correlegionário atribui-lhe um doutoramento

As achas das rachas