sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

A treta do costume

"O serviço público de televisão não é, ao contrário do que tantas vezes se propaga, um problema de custos nem de financiamento, mas antes de visão e de estratégia." - Manuel Maria Carrilho, Diário de Notícias, citado pelo Público de hoje.

Claro. Claríssimo. 300 milhões de euros por ano são uma bagatela. Um terço das comparticipações totais que o Estado concede às empresas onde participa, é nada, para o Carrilho. Dêem-lhe a batuta da estação e teremos a visão estratégica do jacobinismo e o assento almofadado do erário público para definir o serviço público.
Foi precisamente com este tipo de ideias que nos afundamos economicamente o que demonstra que a filosofia é uma treta que nem sequer permite pensar melhor.

2 comentários:

ZéBonéOaparvalhado disse...

O Carrilho, pioneiro do PCP, é

uma "besta quadrada" -

o Psd devia de fazer a sua

aquisição (é barato e leva um

bónus, a sua passionária).

É uma figura petulante e insolente.


Não sei, o que a "passionária" viu

naquele meio leca...são gostos

aristófanes disse...

O dr Carrilho quando passou pela Ajuda mandou fazer um wc anexo ao seu gabinete pela módica quantia de 10.000 contos - tanto quanto eu me lembro.