terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O ónus do protagonismo judiciário

Segundo os jornais de hoje, o juiz desembargador Rui Rangel vai presidir ao colectivo que na Relação de Lisboa irá apreciar os recursos do processo Casa Pia.
Depois de vários desembargadores terem declarado o seu impedimento, calhou a bola preta ( et pour cause) ao mediático comentador da SIC e outras tv´s e escrevinhador ocasional no Correio da Manhã, em regime de avença ou pago por improváveis direitos de autor.

Para os visados, arguidos ou assistentes, ministério público e advogados, a presidência de Rui Rangel dura até que algum deles se lembre de repescar artigos de opinião de Rui Rangel sobre o caso Casa Pia. E nem precisa de procurar muito...

É por isso lamentável que Rui Rangel não tenha já pedido a devida escusa.

2 comentários:

Vitor disse...

Cheira-me a marosca. Claro que estará em situação de impedimento, depois de tanto falar sobre esse e inumeros outros processos. Talvez deixem arrastar o processo até ao momento em que requerem o seu afastamento se virem as coisas mal pintadas para os pedófilos "ainda" supostamente inocentes. Entretanto as datas das prescrições aproximam-se.

lusitânea disse...

Julgo que vou morrer antes que este processo esteja concluido.Para a malandrice ninguém bate os portugas...