sábado, 25 de abril de 2009

Conta-me o que não foi



Entretanto, sobre este dia, ontem mesmo comprei este livro de um pseudónimo- Diogo de Andrade- que se diz ser "alto quadro do Estado, com obra publicada e que optou pelo anonimato". Já li algumas páginas e recomendo, pelo facto de tratar de algo que por cá não se faz: contar como não foi para se perceber o que foi.
O livro chama-se Alvorada Desfeita e relata os acontecimentos deste dia como se se tivessem frustrado na época, tendo o Movimento de Capitães sido derrotado...

O livro retoma esta imagem ( tirada daqui) precisamente, de Salgueiro Maia a receber , no Terreiro do Paço os rendidos da situação ( o mesmo disse que foi precisamente neste momento que percebeu que tinham ganho o dia) e inverte as posições...





3 comentários:

hajapachorra disse...

Uma prova excelente de que apesat de tudo ainda respiramos democracia foi a humilhação de Vital ontem na SIC-N. O craque de Coimbra que era betamente apreciada pelos operários comunistas da minha terra levou um surra de Paulo Rangel, que é apenas bonzinho, note-se. Como Vital arranjou aquela reputação de rapaz inteligente e culto é para mim um mistério. E nem falemos do carácter do homenzinho.

hajapachorra disse...

beatamente, claro.

zazie disse...

Mas olhe que essa gralha também tem piada. Um revolucionário a ser apreciado como um beto pelos operários.

":O)))))

Finito, Fernando Esteves