terça-feira, 21 de abril de 2009

Lições de direito europeu

"Ó Vital! Deixa-te de tretas e vai ler o Tratado!" - Miguel Portas, ontem no Prós & Contras.

10 comentários:

Karocha disse...

LooLLLLL

José,vi o programa todo,o ar do Vital...

Leonor disse...

Arredada destas lides, por falta de tempo, ontem só cheguei a tempo de assistir a escassos minutos do fim do programa.
Foi, porém, suficiente para ver um VM atrapalhado e sem argumentos e não pude deixar de recordar o argumento que, em tempos, ultilizou para se opor ao referendo do Tratado(deve aindar por lá, no causa nossa, essa pérola): ninguém sabe lê-lo ou interpretá-lo, não foi?

Leonor disse...

Em face disso, presumo que, ontem, tenha dado cartas no programa!

josé disse...

Cartas?
Deu: fora do baralho, com insinuações pessoais ao candidato do PSD e respostas a condizer. Alguns sons guturais a explicar o contrário do que todos estavam a dizer ( sobre impostos por exemplo, disse que este governo baixou os impostos).

E por fim, com indicações do Tratado que motivaram a interpelação de Miguel Portas nos termos indicados no postal.

Foi um fartote, para quem costuma ler o Vital.
Como já escrevi noutro sítio, um peixeiro, disfarçado de polido. Valente com o remoque soez, mas sempre a remoer civilidade.

Levou porrada de todos, porque se prestou à sabujice do costume, desnecessária porque parece melhor que o dono.

Mas, pelos vistos, é o que é.

Haverá mais debates.

Karocha disse...

É verdade Leonor!
Eu que nunca vejo o "OMO" nunca me ri tanto e, a cara do meu rapaz, quando chegou à sala para me pedir um cigarro :-))

josé disse...

O "rapaz" publicou no Insurgente um comentário que comento num postal mais abaixo e que merece destaque:

"A única explicação minimamente lógica para o comportamento de Louçã é, para mim, o seguinte: dada esta crença na incapacidade de controlar a economia capitalista, então a solução é simples: em vez de se admitir “não controlamos, não sabemos, deixemos o mercado ajudar na resposta”, acabe-se com o mesmo. É o equivalente a dizer que dado que o sistema de votos é um meio inconsistente de revelação de preferências públicas (e o mercado é um meio muito mais consistente de se chegar ai), então acabe-se com a Democracia!"

Leonor disse...

Sendo assim, fico com mais pena ainda de ter perdido um bom serão de comédia. Há dias contavam-me que a primeira aula de dt.º constitucional em coimbra é toda ocupada a visualizar um power point com o curriculum do senhor. A vaidade tem destas coisas!!

Calatrava disse...

É a velhice Leonor. Antigamente não era assim. Quem o conheceu sabe que estou a ser sincero. Tem-me custado bastante, desde que a desgraça nos caiu em cima, vê-lo representar este miserável papel, nunca pensei!

Leonor disse...

Velhice?
A idade era suposto dar-nos maturidade, sabedoria, ponderação, reflexão, poder de encaixe e, sobretudo, capacidade de não aceitar desempenhar certos papéis em nome do que quer que seja. Em suma: era suposto capacitar-nos para uma terceira idade sem humilhações ou papéis indignos. Desmentirmo-nos a nós próprios é típico das idades púberes.

Rebel disse...

Desculpem, mas prefiro para o Vital Moreira utilizar o cognome que lhe foi atribuído com toda a propriedade por um habitual frequentador deste blog: o Calimero de Coimbra, para os amigos, o CC. se é que ainda tem amigos.

O verdadeiro super-juiz