sexta-feira, 22 de maio de 2020

Leituras para cépticos e afins que não alinham com a carneirada geral

O Observador, digo o Sapo24, foi à procura de alguém que não é contra Trump "porque sim" ou porque se deixou informar pela esquerda liberal, tendência americana, o que vai dar ao mesmo.
E encontrou um médico que entrevistou igualmente na altura em que o mesmo Trump perfez 100 dias de governo. Pelo nome parece ser judeu, mas ninguém é perfeito...:

Aaron Arroyave. Norte-americano com ascendência colombiana, é médico e está a frequentar o internato de cirurgia geral no hospital universitário de Knoxville, no estado do Tenneessee. Precisamos ainda de partilhar que esta é a segunda conversa com Aaron — a primeira aconteceu exatamente quando Donald Trump, de quem é apoiante, cumpriu os primeiros 100 dias de mandato.
Eis o que o mesmo diz agora numa altura em que  com 30 anos, Aaron vê-se rodeado de amigos democratas, identifica-se como republicano e afirma que o socialismo é perigoso por ser idealista. Ao mesmo tempo, acredita que devemos dar o nosso melhor pela sociedade. Faz questão de dizer que o facto de se querer especializar em cirurgia oncológica vai beber a esse princípio.

Para Aaron, Trump não é claramente a melhor solução para o país, mas o choque é grande quando fala nas alternativas. Foram poucas as vezes em que não levou as mãos à cara quando mencionou o nome de Joe Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama e aquele que se encaminha para ser o candidato democrata. As reações mais viscerais são motivadas pelos momentos em que o político parece esquecer-se do nome de Obama [por exemplo, neste vídeo, que motivou várias sátiras] e, em particular, pela maneira como Biden interage com as mulheres — há já vários anos que o político é criticado por ter uma proximidade física excessiva, tornando-se por vezes desconfortável.

Aaron vê a imprensa como a responsável pela desunião no país, mas também como a solução — e explica como. Termina a reconhecer os aspetos que o aproximam das pessoas que vivem na bolha contrária à dele e a explicar em que é que gostava de ser compreendido..


Por outro lado, o indivíduo menciona um sítio de notícias que considera minimamente isento, ou seja, não alinha com a carneirada geral de panurgos contra Trump, como é norma nos media norte-americanos e os seus papagaios na Europa, com nomes tão diversos como Pacheco Pereira ou estações de televisão nacionais.

O sítio é o The Skimm é já o coloqui nos meus favoritos . Em Portugal precisamos urgentemente de um sítio como este. O Observador deixou de ser um local semelhante e tornou-se oura loca infecta de esquerdismo liberal com alguns envergonhados da direita "cosmopolita", cheios de complexos por não partilharem o forum dessa esquerda de papagaios e outras aves canoras, como cucos.

Um pequeno exemplo: o Brasil e Bolsonaro. É impossível ler ou ver em Portugal algo como isto que aqui vem, sobre o Brasil de Bolsonaro.
O resultado será esmagador se alguém fizer uma sondagem acerca de Bolsonaro e o Brasil...o que demonstra o grau de carneirada que por aí vai, por esse Portugal fora.


Sem comentários: