segunda-feira, 25 de maio de 2020

O crime de detenção de documentos da PIDE...

O jornal i de hoje, em artigo assinado por Felícia Cabrita,  conta que "o agente Pinho",  autor material da documentação "confiscada" a uma mulher que os pusera à venda no OLX, já foi ouvido pela PJ, o que confirma duas coisas:
Em primeiro lugar que a PJ foi lesta a ouvir o agente Pinho, uma vez que se dá conta que tal aconteceu depois do semanário Sol ( ou seja, a mesma jornalista Felícia Cabrita) ter publicado a revelação, no passado Sábado. Ou seja outrossim durante o fim de semana e obrigatoriamente entre a tarde de Sábado e a de  Domingo. Notável!  Até entregou documentos em que provará que não foi ele o autor do terrível crime de furto, acontecido há décadas, como já se sabia e que nunca deveria ter autorizado a abertura de qualquer inquérito criminal. 

Em segundo lugar confirma a existência de um inquérito criminal, forçosamente.  Crime? Não sei. Se for o de furto, é ridículo e ainda mais se estiver a cargo da PJ tal investigação.  Um abuso, a meu ver e de poder.

Quanto ao mais, a jornalista continua nas trevas da ignorância atroz: nada quer saber do crime em causa e a propósito disso nada questionou o coordenador Pedro Silva, com quem falou ou mensajou, salvo seja.

Alvitra ainda que a "mulher não prescinde dos documentos" mas "em termos práticos o inquérito deverá ser a arquivado". Porquê? Porque não terá sido possível determinar a autoria material do crime de furto. Furto, santo Deus!

Leia a lei, santinha! Leia a lei e faça as perguntas certas a quem de direito. Terá uma cacha maior que a lata dos que assim procederam.


E é isto o jornalismo de investigação que temos: a  PIDE, o fassismo, os abusos de poder impunes, a irrelevância informativa, a ignorância...

Sem comentários: