quarta-feira, 13 de julho de 2011

Será isto o jornalismo caseiro?

O historial de um director de informação que sai sem fazer ondas, do posto de trabalho. Diz que "rescindiu"...
mas resta saber por quanto. E se não há escândalo escondido com este jornalista de fora e que durante alguns anos se prestou a dirigir a Lusa do modo como se pode ler.

Correio da Manhã:


O director de Informação da Lusa, Luís Miguel Viana, e o director-adjunto, Domingos de Andrade, anunciaram esta terça-feira à redacção a sua saída da agência noticiosa, tendo a administração indigitado David Pontes como novo director interino.

Correio da Manhã em 21.9.2009 ( a oito dias de eleições legislativas e que foram consideradas pelo então primeiro-ministro "uma vitória extraordinária"):

"A economia portuguesa recuou 3,7 por cento no segundo trimestre face a igual período de 2008, abrandando a queda do trimestre anterior, que tinha atingido 4,0 por cento, informou hoje o INE", escreveu a agência Lusa no dia 8 deste mês, às 11h22.

Menos de meia hora depois (12h45) a notícia foi corrigida para: "O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou hoje que Portugal saiu da recessão no segundo trimestre, com a economia a crescer 0,3 por cento face ao trimestre anterior." O caso foi denunciado pelo crítico de TV Eduardo Cintra Torres, no jornal ‘Público’.

Recorde-se que este tipo de ‘correcção’ das notícias por parte da Lusa já levou o seu director, Luís Miguel Viana, a prestar esclarecimentos no Parlamento. Na altura a palavra ‘estagnação’ foi retirada de uma notícia de economia. Luís Miguel Viana não atendeu o telefone até ao fecho da edição

1 comentário:

Karocha disse...

E o Camões?