terça-feira, 26 de julho de 2011

O ignóbil grão-jacobino da esquerda conformista

Vital Moreira no artigo do Público de hoje posiciona-se para apoiar a nova direcção do PS que entende ser seguidora de Guterres por contraposição a Assis que era o herdeiro do "socratismo" ( É verdade, é mesmo o jacobino quem o refere).
Num parágrafo a meio do artigo considera o PS um partido de "esquerda" ( convém-lhe sempre esta dicotomia desde que ficou orfão ideológico, por ter "matado o pai" da verdadeira esquerda).
Provavelmente considerava o "socratismo" como sendo um refluxo eminente dessa tal esquerda que se opõe à "esquerda de protesto".
Até fala no "caso da nova administração da Caixa [que] revela uma clamorosa partidarização da gestão da instituição, num indecoroso loteamento do Estado entre os partidos governamentais."

O jacobino Vital além de ter a lata necessária carece da memória suficiente para ter pudor, ao escrever estas coisas. Nem vale a pena lembrar-lhe nomes. Só um: Armando Vara.

5 comentários:

Galactus disse...

Mas esse homem não tem vergonha? Depois de andar estes anos todos a levar ao colo o engenheiro licenciado ao domingo por fax, teve a lata de escrever isso?
Ao que chega a falta de vergonha.

lusitânea disse...

O VM ultimamente tem andado um bocado calado com o "aeroporto" internacional em Monte Real/Leiria...
Fizeram um em Beja e não o fizeram lá!Logo que lhe daria jeito!

joserui disse...

Não carece de memória nenhuma, carece é de carácter. Ele não escreve para o José, escreve para desmiolados, desmemorizados e broncos. Como os que estiveram num congresso em Matosinhos e já viraram todos para mais seguro para os tempos mais próximos. E continuam estes reles a ter espaço nos merdia. -- JRF

Mani Pulite disse...

VAI RANHOSO E NÃO SEGURO O MOÇOILO VITAL.POR VIA DAS TOSSES E DAS POSSES DECIDIU TORNAR-SE BI-PARRICIDA.PRIMEIRO FOI-SE AO BARREIRINHAS E AGORA ATIROU-SE AO SÓCRETINO.FORÇA VITAL DÁ-LHE COM O VARAPAU ATÉ FICAR FROUXO !MAS SEMPRE EM SEGURANÇA.

Camilo disse...

Jacobino, não: jacãobino!!!

Américo Tomás e os seus erros