sexta-feira, 22 de abril de 2011

A realidade virtual do jornalismo português

Este texto que segue é de Henrique Raposo, do Expresso.

Os media conseguem fazer uma campanha só com fait divers. Foi assim em 2009: os jornalistas conseguiram fazer uma campanha sem forçar o tema central do país (endividamento) . A coisa parece que se vai repetir. Há um tango permanente entre os media e o spin de Sócrates. O tom e a escolha de temas favorece sempre os malabarismos de Sócrates e prejudicam aqueles que querem falar seriamente da realidade. Ferreira Leite foi crucificada por causa disto . Na sociedade e, por arrastamento, nos media, existe uma cultura de cinismo pós-moderno que chega ao ponto de desprezar a realidade ("ai, o Medina Carreira diz sempre a mesma coisa"; pois, a realidade e verdade não mudam, meus amores) em detrimento dos jogos florais ("ai, o Nobre", "ai, o telefonema"). Por uma vez na vida eu gostava de ver os media preocupados com a realidade do país e não com os joguinhos dos mestres do spin. E a realidade é esta:

I. Temos a segunda maior vaga de emigração dos últimos 160 anos. Temos a segunda maior fuga de cérebros de toda a OCDE. Há maior fracasso que este? Mas é inacreditável o silêncio dos media em relação a esta fuga em massa de portugueses. Parece que é tabu. Nós estamos a emigrar como nos anos 60, mas não se fala disso.

II. Na última década, Portugal teve o pior crescimento económico dos últimos 90 anos.

III. Temos a pior dívida pública (em % do PIB) dos últimos 160 anos. A dívida pública este ano vai rondar os 100% do PIB. E esta dívida pública sem precedentes não inclui os 60 mil milhões de euros das PPPs (35% do PIB adicionais), que foram utilizadas pelo PS para fazer obra (auto-estradas, hospitais, etc.) enquanto se adiava o seu pagamento para os próximos governos e as gerações futuras. As escolas também foram construídas a crédito.

IV. Temos a pior taxa de desemprego dos últimos 90 anos (desde que há registos). Em 2005, a taxa de desemprego era de 6,6%. Em 2011, a taxa de desemprego chegou aos 11,1% e continua a aumentar.

V. Temos a maior dívida externa dos últimos 120 anos, e nossa dívida externa bruta é quase 8 vezes maior do que as nossas exportações

VI. A nossa dívida externa bruta em 1995 era inferior a 40% do PIB. Hoje é de 230% do PIB. As dívidas das famílias são cerca de 100% do PIB e 135% do rendimento disponível

VII. Cerca de 50% de todo endividamento nacional deve-se, directa ou indirectamente, ao nosso Estado

VIII. E há muito mais.

Em vez de partirem desta base, os media partem do spin que chega às redacções. Os jornalistas não vão à procura da realidade pelo seu próprio pé. Recebem a realidade filtrada pela indústria do spin associada ao Poder. Temos, assim, um debate inquinado à partida, um debate sempre enxameado de casos e fait-divers. Há um nevoeiro permanente em redor da realidade, em redor dos problemas.

Em Portugal, a realidade não é a gramática dos jornalistas e dos media. Neste terreno, os demagogos vencem sempre. Quando os factos e a realidade não são o vocabulário do debate público, os demagogos vencem sempre.


10 comentários:

Floribundus disse...

lenine, estaline, mao, hitler, mussolini, pinochet
eram todos socialistas
'uns mais que outros'

este é o pior de todos
vive da agit-prop, da opressão-repressão
e o rectângulo cada dia mais falido

José Domingos disse...

O "jornalismo" em Portugal, limita-se, a escrever o que lhe mandam, eless, é que dizem ao povo, qual é a realidade. Acho, que alguns, começam a dar ares de orfãos. Já beijam, qualquer cú, que lhes passe ao alcance, andam, nitidamente, á procura de padrinho.
Mas,felizmente,também há bons JORNALISTAS.

JC disse...

Enquanto o País está nesse estado moribundo de que ninguém fala, o inenarrável aproveita a tolerância de ponto para ir de férias para o Algarve, logo na 5ª feira à tarde.
Umas merecidas férias, digo eu...

Em Hotel de 5 estrelas, porque isto de ser 1º Ministro obriga a estas mordomias...

http://www.vidas.xl.pt/noticia.aspx?channelId=83c1118f-0a09-426d-88d0-7a0980df951a&contentId=e7440036-1921-425e-9dab-2486c7719235

Pável Rodrigues disse...

E o povo? De que vive o povo português? Como responde à repressão e à falência? Votando no Sr. Sócrates e seus apaniguados?
.."Não se governam nem se deixam governar". E a ditadura também não é solução. A última acabou por lançar o País num segundo Alcácer Quibir que viria a dar origem a um processo de descolonização a todos os títulos vergonhoso e lesivo dos interesses de PORTUGAL.
Espere pelo dia 5 Junho, e depois falaremos.

skeptikos disse...

Acho que não temos alternativa, porque falta racionalidade neste país. Seremos a nova China (pobre e inculta) europeia! Amarelos já ficámos e em estado de choque com as contas ditas "públicas". Os olhos em bico virão após as eleições quando ficarmos a saber (somos sempre os últimos!) quantos furos mais iremos abrir nos nossos esfarrapados cintos que deixaremos como herança aos nossos descendentes.

miguel disse...

O mais lastimável é que os sacrifícios que vão exigir aos inocentes,de nada vão servir.
Após a eventual recuperação,a canalha política prosseguirá na mesma senda.
Só seria diferente se fossem enjaulados e confiscados.

JC disse...

Pior que isso, é que a canalha política não vai fazer sacrifício nenhum.
Vai continuar a viver à grande e à francesa.
Veja-se o nosso 1º ministro a aproveitar estas mini-férias num hotel de 5 estrelas no Algarve.
Crise? Qual crise?

Karocha disse...

Porque é que a Troika se reuniu, com os maiores escritórios de advogados
?

Via Blog Pedro Santana Lopes.

JC disse...

Para pedir um parecer?

Ah ah ah

Lura do Grilo disse...

Não há jornalismo. É apenas um marketing rasteiro e não vulgar apenas por ser muito profissional.

Até as escolas de jornalismo necessitam de ser arejadas.

O CM descobriu os ciganos!