sábado, 8 de outubro de 2011

O pai dos Portas numa lição de ética

Nuno Portas em entrevista à Única ( Expresso) de hoje, sobre a circunstância de serem quatro irmãos "todos do contra" o salazarismo e à pergunta sobre como o pai deles reagia a tal fenómeno:

"Sempre nos demos muito bem. De vez em quando discutíamos. Mas ele respeitava-nos e nós respeitávamo lo como estadonovista, porque era extremamente sério e dedicado à comunidade. Estava era completamente equivocado. Já muito tarde disse me: ´Convosco eu tinha de defender o Estado Novo, mas há uma coisa que o Salazar fez que foi gravíssima, um erro tremendo e foi a partir daí que comecei a perceber que vocês teriam alguma razão, foi não ter deixado discutir as colónias`. Isso chega."

Esta pequena frase dava um tratado sobre o Estado Novo. Ou um romance. Que não me parece que exista, apesar dos escritores que na altura escreviam para a gaveta e chegados ao 25 de Abril se viu que era sem fundo...

Outra passagem deliciosa é esta, sobre a génese do MES que não o aceitou como membro...
"Não aceitava membro do governo burguês, como se não fôssemos igualmente burgueses. Foi um amigo meu, não foi nenhum malandro quem mo disse, posso ainda acrescentar que em seis meses estavam todos fora. Inclusive esse."

Esta frase é extraordinária porque mostra o que eram as pessoas de esquerda, já adultas e presumivelmente com o juizo todo. Esta concepção da vida e do mundo que tinham nessa altura, nem era infantil sequer. Era absurda e perigosa. E mesmo assim, fizeram carreira, nunca se arrependeram, fizeram percurso político, mandam no país e nada esqueceram. Nem aprenderam...

4 comentários:

Floribundus disse...

conheci o beato Nuno quando aluno de arquitectura. era excêntrico.

conheci pessoal do mes. um deles deixou de me conhecer porque eu conhecia o seu passado. morreu de overdose.

a criancinha de 'ladrão de bicicletas' dizia 'quando for grande quero ser delinquente'. politicos de esquerda também disseram o mesmo, no mesmo filme.

Mário Rodrigues disse...

Ao contrário do que se diz, Salazar equacionou resolver o problema das colónias. E para isso convidou Adriano Moreira, que tinha ideias contrárias à política de então, para o Governo.

Algum tempo depois chamou Adriano Moreira e disse-lhe que tinha de mudar de política, pois, caso contrário, nem ele Salazar, nem o ministro durariam muito tempo no poder. Adriano Moreira respondeu-lhe que teria de arranjar outro ministro, pois deixara de o ser.

Quase tudo o que se diz sobre Salazar são ou disparates ou mentiras...

josé disse...

Por isso mesmo, por causa dos disparates ou mentiras que se dizem sobre Salazar é importante conhecer o Homem, a Época e perceber o contexto Histórico. E ouvir as testemunhas presenciais que ainda as há e ler os que o ouviram e presenciaram.
Escusado será dizer que das pessoas de Esquerda o discurso está feito e arrumado. Se não estivesse seria pior para eles uma vez que teriam de renegar aquilo em que acreditam. E não há pior cego que o que não quer ver...

Mesmo assim, se Nuno Portas disse que o pai lhe disse aquilo acredito que o tenha feito mas duvido que o contexto e a convicção do velho POrtas tenha sido assim tão definitivo como o filho o apresenta.

Discutir o Ultramar português é coisa que não devia ser entregue a Joaquims Furtados ou a Fernandos Rosas.

lusitânea disse...

Agora também não se discute o "ultramar" cá dentro e por nossa conta.A fazerem-se de ricos com Leis governadoras do planeta que querem salvar com a Segurança Social...