domingo, 9 de outubro de 2011

A guerra das toupeiras

O problema das "secretas" explicado a neófitos, hoje no Público, com uma entrevista de três páginas ( com honras de a directora do jornal ser uma das entrevistadoras, de resto duas mulheres a fazerem perguntas) ao presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos.

" Está a ver aquela pilha de jornais? São Expressos. Desde há dois anos, quando propus um aumento de capital a Balsemão, que a SIC e o Expresso não tem parado de fantasiar e criar factos sobre a Ongoing. Até lá, a Ongoing era assim tão falada? Não era.
E porque começou a ser falada? perguntam as entrevistadoras.
"Porque há um senhor, esse sim, que tinha e tem um projecto de poder, que pediu 400 milhões de euros a pequenos accionistas. O que é feito dos 400 milhões, 11 anos depois? Sabe quanto valem hoje? 40 milhões. O normal é dizer: investi 400 milhões, hoje tenho dois mil milhões. Se tivessem multiplicado até era pouco. E quanto houve de dividendos? Zero. Quando fiz a proposta, Balsemão estava no seu direito de dizer que não e eu disse: então vou para a TVI. E aí caiu o Carmo e a Trindade."

Foi assim que começou a "guerra das secretas" e por isso lemos as cretinices que lemos durante meses a fio. Nuno Vasconcellos explica assim: " As notícias começaram no Expresso ou na SIC Notícias, e depois o Público pega, depois o Correio da Manhã."

Sem comentários:

O Sindicato do MºPº honra o MºPº