quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Quem com ferros mata, com ferros morre.

Sapo:

"Anunciamos ao mundo que Kadhafi foi morto pelas mãos da revolução", declarou o porta-voz do CNT, Abdel Hafez Ghoga.
"É um momento histórico. É o fim da tirania e da ditadura. Kadhafi encontrou o seu destino", completou.
De acordo com o porta-voz, a morte foi confirmada pelos comandantes do movimento rebelde de Sirte, os mesmos que capturaram Kadhafi."


Se for verdadeira, esta imagem é muito dura. Chocante, até. Tanto como a de outros ditadores mortos em circunstâncias idênticas ( o casal Ceausescu, Sadham) e outros guerrilheiros avulsos ( Bin Laden, Che Guevara e muitos outros) ou vítimas ( Aldo Moro, Castelo Branco, vítima das FP 25).

Há no entanto nesta imagem uma emanação de um sentimento de justiça. A morte para quem matou às centenas ou aos milhares. Para manter o poder, exclusivamente.

O que dirão desta imagem aqueles que ainda há poucos meses lhe apertavam a mão e se deixavam fotografar em pose de circunstância?

PS em 23.10.2011:

«Que as pessoas livres de todo o mundo saibam que podíamos ter negociado e abdicado da nossa causa em troca de segurança pessoal e de uma vida estável. Recebemos muitas ofertas para este efeito mas escolhemos estar na frente de batalha como prova do nosso dever e da nossa honra».

Pode ter sido tudo: guerrilheiro terrorista, até assassino de inocentes. Uma coisa não foi: cobarde.



110 comentários:

AF disse...

"O que dirão desta imagem aqueles que ainda há poucos meses lhe apertavam a mão e se deixavam fotografar em pose de circunstância?"

Como, por exemplo, Obama? :)

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRegImVoFobDBNzH9hLKUq58M139NdqYo6HoxHoIJRy-YmF2OV2BA

Foi só há dois anitos!

Karocha disse...

Não foi só o Obama e,cá?

Floribundus disse...

tal como outros criminosos que ordenaram genocídios devia ter sido entregue ao Tribunal de Haia

AF disse...

Sim, não foi só o Obama, claro. Provavelmente todo os chefes de estado ocidentais posaram uma vez ou outra, em particular ou em conjunto, com o dito cujo.

Racionalmente, sim, Tribunal de Haia.
Mas não nos esqueçamos que este mundo é uma grande hipocrisia. Crise da Líbia incluida.

O facto de eu ter destacado Obama... bem, para pôr a coisa em termos mais humorísticos, eu se fosse chefe de estado, pensava duas vezes antes de tirar uma foto a apertar a mão do Nobél da Paz.

Wegie disse...

Mas oh Zeca, o Castelo Branco não é aquele da Betty e das orgias? Esse ainda não está morto carago!

joserui disse...

Tenho uma coisa a dizer sobre Kadafi: eu respeito alguém que podendo ir, fica. E paga o preço. -- JRF

joserui disse...

E mais outra coisa: não me deixa sossegado fazer parte de um Ocidente que andou para lá a despejar bombas dias depois de ter andado aos abraços com o regime.
Estes amanhãs que cantam nos países árabes, desde a mortandade como nunca no Iraque, perseguição aos católicos no Egipto e agora estas imagens do Kadafi, entre o selvagem e o animal... o fundamentalismo sempre à espreita... enfim, se há alguma coisa estratégica para lá do petróleo, não a entendo. -- JRF

hajapachorra disse...

Essa geral lamentação ética, ou acusação, lançada sobre as recentes 'amizades' do facínora irritam-me. É que a imagem que tenho do sacana é a das paradas na Praça Vermelha e ele e o Fidel e o Agostinho Neto e outros assim aos beijos ao Brejnev. Ver agora os comunas a desprezarem esse fantoche do imperalismo provoca náuseas. O grande fdp patrocinou todos os facínoras dos últimos 30 anos, a Eta, o Ira, o Chacal, a Olp e outros grupos terroristas dos soviéticos. Outros bandalhos se seguirão nessas paragens sarracenas pois aquilo não é defeito é feitio.

sts disse...

tenho pena do castelo branco naquele horrível atentado no conde redondo e do sidhartta.

Oscar Maximo disse...

Era mais Carrero Blanco. mas o Castelo Branco é mais fotogénico

Carlos disse...

"O que dirão desta imagem aqueles..." - Livra! este já não fala.

nobigdeal disse...

mas ele não foi apanhado quando estava a "ir"?

claro que às vezes temos sentimentos contraditórios: o tipo manteve-se sempre coronel, podendo ser marechal, generalíssimo ou o que bem entendesse.

zazie disse...

«É que a imagem que tenho do sacana é a das paradas na Praça Vermelha e ele e o Fidel e o Agostinho Neto e outros assim aos beijos ao Brejnev.»

Os beijinhos dos russos são iguais aos apertos de mão dos civilizados.

Ou não são? onde está a diferença?

Acaso a superioridade da diferença se afirma quando se comporta como os dissemelhantes?

Ruvasa disse...

A capa do DN de hoje mostra imagem semelhante.

Peço desculpa, mas transcrevo aqui o que deixei no Facebook, a propósito e que tenho repetidamente afirmado em outras ocasiões semelhantes, como as que O José apontou:

"Aqui está uma das razões - infelizmente não a única - porque abomino o jornalismo de sarjeta que por cá abunda.

A falta de decoro, a total ausência de humanidade, a ignorância do que seja o respeito devido à vida humana (a qualquer vida humana) atingiu em Portugal níveis de demência.

Este é o vergonhoso conjunto de título e foto que os idiotas do DN não tiveram pejo em apresentar ao mundo no dia de hoje. Piores do que uma matilha, porque a matilha ainda arrisca algo, ao atacar; eles, não, atacam apenas quando a "caça" já está morta e incapaz de revidar.

Kadhafi foi um patife. Ninguém contesta. Está morto. E estes nojentos, como estão? Com a consciência em paz!"

R.I.P. também para eles, ámen!

zazie disse...

Não sei se reparou nas capas do El País, Figaro, Vanguardia, etc. etc. etc....

Ruvasa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ruvasa disse...

Reparei, sim, Zazie. Não de todos eles, mas de alguns.

Mas não sou dos que a par e passo e a propósito de tudo e de nada, procuram amparo nos exemplos lá de fora.

Tenho o hábito - que sei maledetto - de usar o intelecto, os sentimentos e a noção de sociabilidade "que me estão distribuídos"...

josé disse...

Siceramente, para mim, choca-me mais a capa do Público, com um Kadhaffi no trono do poder.

A vista da morte é sempre chocante, mas no caso concreto, torna-se inevitável perante as circunstâncias em que ocorreu. As imagens foram captadas por telemóveis e postas a circular imediatamente.

Seria impossível evitar que fossem publicadas.

AF disse...

Caro hajapachorra,

"Essa geral lamentação ética, ou acusação, lançada sobre as recentes 'amizades' do facínora irritam-me."

Faz mal em irritar-se. Trata-se da morte de um tirano inqualificável. Qua a terra (ou o mar?) lhe sejam pesados. Mas não deixe a irritação toldar-lhe o raciocínio nem a coerência.

"É que a imagem que tenho do sacana é a das paradas na Praça Vermelha e ele e o Fidel e o Agostinho Neto e outros assim aos beijos ao Brejnev. "

Como comentou a Zazie mais acima, beijinhos são beijinhos, e o facto dessas imagens que relata terem acontecido, não apaga as das outras "beijoquices" mais recentes.
Essa selectividade das imagens, desculpe que lhe diga, não me parece muito correcta.

"Ver agora os comunas a desprezarem esse fantoche do imperalismo provoca náuseas."

Geralmente colocar rótulos quando somos deparados com opiniões contrárias não é lá grande sintoma. Para além disso, não vejo maior desprezo por parte dos comunas, do que vejo por parte dos ... outros.

"O grande fdp patrocinou todos os facínoras dos últimos 30 anos, a Eta, o Ira, o Chacal, a Olp e outros grupos terroristas dos soviéticos. Outros bandalhos se seguirão nessas paragens sarracenas pois aquilo não é defeito é feitio."

E então, sabendo-se disso há muito tempo, os que lhe apertaram a mão e deram beijinhos, por interesse próprio, são grandes filhos de quê?
Pior, os que andaram aos beijinhos, sabendo de antemão que lhe estavam a preparar a caminha no momento oportuno? Esses são quê? Paladinos da liberdade e justiça?

joserui disse...

Não percebo José... não podia ter evitado publicar aqui, tal como os outros?
Foi um critério editorial.
Para mim o Kadafi não é um big deal... é mais um a juntar a outros. Mas parabéns a quem está contentinho consigo e com o Ocidente.
Miguel Castelo Branco: http://combustoes.blogspot.com/2011/10/sorriso-da-morte.html -- JRF

joserui disse...

Tanto quanto julgo saber, Kadafi distribuiu apoios desde a extrema esquerda (mais) à extrema direita (menos)... a estratégia seria destabilizar a Europa e tudo servia. Entretanto mudou, arranjou novos amigos e esses novos amigos ajudaram a abreviar a estadia por cá. -- JRF

hajapachorra disse...

Decerto há aqui um equívoco, meu com certeza. Uma coisa é a real politik obrigar-nos, sim a nós, porra, a tratar e a negociar com um vizinho incómodo que se tornou razoável depois de levar com umas bombas em cima. O sacana tinha petróleo, do melhor que há, e quieto podia ajudar a calar várias bandas terroristas (é curiosa a coincidência do seu desaparecimento com o adeus às armas da eta). Outra coisa, completamente diferente é o bloco soviético ter-se servido do anormal durante 27 anos para todos os trabalhos sujos, desde o treino e apoio a dezenas de grupos terroristas à acção directa de terrorismo de estado. Querer esquecer esta parte, a principal, da história do facínora é proceder como o Púbico que de forma estalinista põe na fotogaleria todos os dirigentes ocidentais com o marmanjola mas nem uma imagem das tais e paradas na praça Vermelha. E estas eram anuais e o dito cujo sempre lá esteve durante mais de duas décadas. Lembrar que o Otelo ou a Vanessa Redgrave foram fãs de Khadafi não é conveniente. Estranho é que quem não tem complexos de esquerda alinhe neste silenciamento.

AF disse...

Hajapachorra,

"O sacana tinha petróleo, do melhor que há, e quieto podia ajudar a calar várias bandas terroristas"

Porreiro, entretanto as tais coisas que faziam do indivíduo um tirano sobre o seu próprio povo ... afinal não eram assim tão importantes.

O meu amigo chama-lhe realpolitik, e chama-lhe muito bem. Só não se esqueça é que a realpolitik é basicamente hipocrisia ao mais alto nível. Estão todos sujos... TODOS! Desde um extremo ao outro. E não se esqueça que, no que diz respeito à criação e armamento de terroristas, ambos os "blocos" estão igualmente sujos.

zazie disse...

Pois, será essa diferença: uns beijavam por semelhança política, outros por interesse.

Ok. Foi isso mesmo que eu disse- lá se assemelham, apesar de serem diferentes.

E, quando chega a hora de deitar abaixo também são iguais.

O Obama mandou matar o Bin Laden da mesmíssima maneira que a barbárie faz justiça.

zazie disse...

Quanto a mostrar a forma como morreu, é como diz o José.

Foi assim, não foi de outra maneira.

Também ninguém recorda o Duce sem ser de pernas para o ar.

zazie disse...

Quanto à Vanessa Redgrave, essa senhora é cá uma trotskista que mete impressão.

Tem de estar em todas as porcarias.

zazie disse...

A propósito do "humanismo" e destas aflições todas por causa das imagens do tipo morto, não sei se ficaram igualmente incomodados quando passaram as imagens da criada da mulher do gajo- toda queimada- por não ter batido numa das filhas.

Pois bem- a vaca também vai socorrer-se para essa gitantesca trampa chamada "Direitos Humanos".

Um lobby em que ninguém toca nem querem saber a história, porque também é muito bonito, muito "preocupado com a barbárie".

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2051958/Gaddafi-dead-video-Widow-demands-UN-inquiry-husbands-killing.html

zazie disse...

Aqui:
http://edition.cnn.com/video/world/2011/08/28/rivers.scarred.after.gadhafi.cnn.640x480.jpg


Foi um video que também correu "despudoradamente" na net e as fotografias nos jornais.

zazie disse...

Ah, e esquecia-me dos prisioneiros queimados vivos que eles deixaram na fuga e as reportagens "desumanas" onde se via os cadáveres.

joserui disse...

Zazie, eu não sei de nada disso que descreve e pouco (nenhum) interesse tenho. Só tenho uma televisão em casa, 90% do tempo ocupada pelos filhos.
Na internet não ando à procura de escabrosidades. Neste caso, acho uma falta de gosto atroz — por parte do José —, apresentar esta imagem em particular. Além disto vi na BBC algo sobre o assunto (que achei surpreendente até). E é suficiente.
Eu venho aqui ler, se gramo uma imagem com este teor de violência, seja o Kadafi, seja o Zé do Telhado, não tenho que gostar. O José utilizou o critério editorial que achou servir um propósito qualquer (o que pensam os novos ex-amigos do ditador).
Mas sim, foi assim que ele morreu. -- JRF

joserui disse...

E concordo com o hajapachorra, se as imagens do passado com os amigos comunistas desapareceram, está mal. Ficam só as com os ex-amigos capitalistas. Se fosse há uns anos seriam os amigos fassistas. Enfim, a comunicação social continua bem e recomendável. -- JRF

josé disse...

Curiosamente o Jornal de Notícias de hoje tem uma imagem mil vezes mais chocante do que a que aqui coloquei. E os critérios editoriais desse jornal são muito diferentes dos de há alguns meses atrás.

Perderam leitores para o Correio da Manhã e acham que se imitarem o sensacionalismo ou o jornalismo de faca e alguidar ficam com maior fatia de mercado...

josé disse...

O que vi na televisão hoje ( e só vi há bocado nem tem comparação com as imagens dos jornais porque é ainda mais chocante.

Portanto...habituem-se.

Karocha disse...

Pois é José,já dizia o Toneca Guteres!

Na net, jornais espanhóis dizem que não é ele e sim um duplo, parece que tinha 10!
Estou a vender como mo venderam...

zazie disse...

Mas alguém consegue imaginar que esta realidade podia ser escondida?

E é preciso ser-se voyeur para ver a realidade, incluindo as reportagens televisivas com os esturricados no armazém ou a rapariga queimada com água a ferver pela mulher dele?

Está tudo louco. Se querem fingir que vivem dentro de uma redoma, fiquem à vontade, mas não chamem é malucos aos outros.

Karocha disse...

Tem toda a razão, zazie!

zazie disse...

Acaso não andou meio mundo a criticar não existirem fotografias do Bin Laden morto?

Se calhar achavam que estava mais apresentável por causa das criancinhas que também vêem o noticiário.

Isto é História. E se nem no passado se deixou de ver o Mussolini e mais a namorada expostos daquela maneira na praça pública, queriam agora, na mediatização global, evitar que a deste fosse conhecida.

zazie disse...

E esta imagem não é nada. Nada de nada.

Eu acho que v.s estão malucos.

Ou então é lá por causa da "ética militar" e assim. Como tinha status, era um chefe de Estado, choca mais que se for a criada queimada e mais os opositores esturricados no barracão.

zazie disse...

É como as imagens dos fetos abortados.

Também fica tudo indignado com esse "voyeurismo". Só é chato ser realidade.

zazie disse...

Mas até fiquei parva com essa do "pouco ou nenhum interesse tenho"...

Em saber por que motivo o tipo foi ditador, já agora, acrescente-se.

Um ditador sem imagens dos crimes é um facto que é mais cool.

As guerras até só acontecem por causa de uns tarados que passam a vida à procura de "imagens chocantes" e coisas escabrosas.

É mesmo uma actividade das forças armadas- andarem à procura de imagens escabrosas na net por causa da Paz.

joserui disse...

José, habituado estou eu, quanto a isso no worries... o mau gostinho deste post, fica. E nem sequer é o estilo do blogue. Mas como não vi o JN e há dias que não vejo TV, a coisa vai passar sem eu dar por ela. Vi no entanto o Mail do link da Zazie. Coisa fina.
Zazie, ainda há pouco dizia que ia desligar da política interna. Custa-lhe assim tanto que outros se desliguem de outras coisas? Disse e repito, o interesse é nulo. Não acompanhei minimamente a situação na Líbia -- não só esta parte, como o processo. Nem percebi porque se haveria de envolver a Nato. A parte gráfica do final, a mim não serve.
Destas primaveras todas a que acompanhei foi o Iraque. Como Ocidental, estrategicamente, preferia um milhão de vezes o ditador Saddam. Na Líbia? Hmmm...
Eu não tenho dúvidas que estes ditadores são criminosos, não é isso que está em causa. Mas a parte da turba, da falta de disciplina, de hierarquia, de voz de comando, linchamentos,... devidamente documentados... não me serve. É aquela tropa que vai substituir o deposto? Parabéns ao povo líbio e aos seus apoiantes e novos amigos. Depois da Primavera, mais um Verão solarengo se anuncia.
Não concordando exactamente com tudo, identifico-me com a opinião do Miguel Castelo-Branco. Viu o futuro. -- JRF

joserui disse...

Do Bin Laden, se andou meio Mundo não sei... como normalmente não faço parte de nenhum dos meios, estou à vontade.
Eu acreditei imediatamente que o biltre estava morto. E a história pareceu-me verosímil. Se para calar as teorias da conspiração fosse preciso mostrar, que mostrassem, não era eu que ia criticar.
Mas se o José o mostrasse morto a escorrer sangue no blogue porque um dia apertou a mão ao Sócrates, eu criticava na mesma. E dizia que não era para ver "imagens reais" que venho cá. Para isso, diz que há o JN. -- JRF

zazie disse...

Pois, é verdade que disse que ia desligar da política.

Mas não desliguei da net

ahahahahaha


Se desligasse da net não via, não sabia e pronto.

Agora o que acho piada é imaginar o JRF a fazer a coisa pela metade.

Está a par, sabe os factos mas não vê, só ouve.

":O)))))

E esta imagem do blogue, repito, não é nada. É uma mancha desfocada.
As outras sim, são lixadas e passei à frente.

Também me recusei sempre a ver os vídeos de Abu Grahib.

Mas, nada tem de tara assistir ao telejornal e saber e ver como foram esturricados os tipos que eles deixaram para trás, dentro do barracão ou o caso da criada, queimada com água a ferver.

E, é uma gigantesca vergonha, a cabra da mulher dele, depois de ter cometido esta barbaridade, ainda ter a lata de ir lá para as Nações Unidas e vir com a treta dos Direitos Humanos por causa do que lhe fizeram.

Ela devia estar na cadeia pelo acto que cometeu.

Ora, se o FRF se recusa a saber estas realidades mas sabe outras, não pode ter julgamento nem moral nem político.

Tem lá o dogma da ética militar e das honras ao chefe de Estado.

E foi por isso que se enxofrou.

zazie disse...

E eu até estou sempre a leste de tudo.

Calhou ter visto aquilo do barracão e da rapariga queimada.

Há infinitas coisas que me passam ao lado porque também quase nem vejo tv.

Agora essa treta de ai jasus que falta de gosto e que é muito impressionante esta treta que o José postou, por favor.

Isso é exagero.

zazie disse...

Só agora reparei que o José chamou Castelo Branco ao Carrera Blanco

Por isso é que estava tudo a gozar

eehheheheheh

zazie disse...

Li o post do Combustões e agora sou eu que digo que não percebi corno.

Que é que foi aquilo dos leões e que tem a ver com o caso?

Aí está outra coisa que também não vejo há muito: o National Geographic

joserui disse...

Sei pela metade... não sei nada... venho aqui e levo com ela (a foto hehe).
Estive agora no NY Times, acho de referência... tem lá os videos todos e ainda mais alguns (não vi, mas acredito neles). Talvez eu esteja errado, o natural de facto é mostrar tudo. Falta o homem a levar o tiro na cabeça... e o filho a ser degolado... tá bom.
Ah, e nunca gostei dessas imagens do Mussolini...
Sim, mas pode ter a certeza Zazie, se há guerra é bom que exista exército. É uma conquista da civilização. PS: Atrocidades e crimes, são atrocidades e crimes, nunca me vai ouvir a defender a mulher do Kadafi por isso e sei lá que mais. Mas não é coisa que me interesse assim muito... e como tal nem sabia disso. -- JRF

joserui disse...

Aqueles animais mortos são de uma "reserva" particular cujo o dono se suicidou e soltou a bicharada (aparentemente para o caos, não por caridade). As autoridades chacinaram todos, incluindo 18 tigres de uma espécie que haverá 3.000 no Mundo, no máximo.
Mas a ligação ao Kadafi é, vá lá, rebuscada. É de serem casos recentes, ambos.
Mas basicamente o que concordo é que a Líbia vai ser outra desgraça arbitrária... mas nessa altura já os olhos do Ocidente estarão noutro lado. País tribal, enfim, o costume. -- JRF

zazie disse...

Já viu mais que eu: não vi nenhum vídeo nem fico com interesse em ver.

E também não gosto dessas imagens mas são históricas. Vi-as em miúda, numa altura em que havia muito menos imagens de tudo e, pelo facto, se calhar ainda marcavam mais.

E ficar a par não é doentio, é natural. Andar por lá a cuscar detalhes, sim, é tara e vender as mais chocantes, idem.

Agora, repito, estive a par da brutalidade que a mulher fez à criada e não precisei de saber disso no cabeleireiro (que é local onde não vou há séculos)

E também não foi no café que vi os queimados vivos. Mas isso tem peso para se saber dos actos e, no caso da mulher, para se perceber como pode ser gratuito uma criminosa andar para aí, feita pessoa importante a pedir batatinhas em nome dos "Direitos Humanos".

zazie disse...

Não sabia isso da reserva. Passou-me ao lado. Hoje nem vi telejornal.

Mas, se é isso, então ele mete para a veia...

":O)))))

zazie disse...

Quanto ao resto, passo. Está visto que sim, que aquilo por lá é trampa.

Agora o Kadafi é natural que tenha acompanhado um pouco porque não nasci ontem e ele marcou a História.

Não era propriamente o zé dos anzóis e não houve por ali nenhuma tragédia ecológica por desaparecer da maneira que desapareceu.

zazie disse...

Reparou como é gratuito aquilo que sabemos ou não sabemos e vemos ou nos passa ao lado?

Não é por me interessar muito que soube o caso da rapariga que foi queimada e deixada naquele estado quando eles fugiram.

Foi por ter calhado de ter visto.

O mesmo se pode dizer em relação ao que o JRF viu ou lhe passou ao lado.

joserui disse...

Não houve tragédia ecológica é facto... e eu não acompanhei foi esta... o que é mesmo? Revolução? Isso. Sobre a Líbia e o homem, sei uma coisa ou duas... até li o Livro Verde há uns anos... (muitos). Não acompanhei. A coisa torna-se repetitiva... Tanta Primavera é como comer fruta e legumes fora de época... vem tudo ou de estufa ou de frigorífico... Hehe. -- JRF

AF disse...

Ena pá! Ainda há bocado vim aqui e ao ver 42 comentários pensei "eh lá, isto tá animado!"

Agora já vai nos 52! :)

Tá bem. Olhem, deixo-vos aqui um link para uma discussão sobre o tema em questão (e outros conexos)

Gaddafi’s Murder And International Law

(não vi o video com atenção, mas a discussão vale só por si)

joserui disse...

Isso é verdade... eu muitas vezes por acaso do destino vejo coisas que não queria (num café, à espera do médico, na casa de um amigo...). Mas também é verdade que muitas vezes vejo coisas que quero (e não sabia)... funciona para ambos os sentidos e não constitui juízo de valor...
A da reserva apareceu em tudo que é blogue que sigo... dessa não escapava...
Mas há uma coisa que consegui libertar-me que foi da TV... lembro-me dos meus tempos de estudante, a verdadeira tragédia que era não ver determinado programa... agora, não me interessa nada. Nem me lembro de ligar a TV... tipo neste momento... estou sozinho, pessoal a dormir, podia estar a tv a debitar mesmo sem som (estou a ouvir música), mas não. Está desligada.
Bem, vou até lá fora observar umas estrelas com o meu pequeno telescópio. Que em breve chove e quero aproveitar! -- JRF

Ruvasa disse...

Caro José!

"Siceramente, para mim, choca-me mais a capa do Público, com um Kadhaffi no trono do poder."
*
"Seria impossível evitar que fossem publicadas" (as fotos)

Tive o cuidado, por questão de não confrontação estéril - de calar a publicação que o José fez. Referi apenas e tão só a do DN, que apostrofei, à luz de critérios de humanidade e decoro que são os que me regem.

Em resposta, o José ofereceu-me as duas frases que acima transcrevo.

Cada qual com as suas exigências. Exigências, sem adjectivação, note!

Mas surpreendeu-me essa sua resposta, porque agora tenho mesmo que a ligar à publicação inicial.

Surpreendeu-me ainda mais, por tudo quanto o José escreve há anos por aqui, escritos esses que tenho suposto o definem como pessoa tout court, como cidadão e como - não esquecer - homem de leis.

Surpreendeu-me, creia. Não vou deixar de o ler, porque sei que todos temos momentos menos felizes e não são esses momentos que alteram o nosso carácter intrínseco, a nossa idiossincrasia, mas tenho de registar a surpresa.

Não falo de outros comentários na mesma linha. Na oportunidade, interessa-me apenas o blogger José, do Porta da Loja. E por aqui me fico, sem chamar à colação moralidades ou imoralidades, porque ambos somos crescidos qb para seguirmos as nossas opções e ninguém deve armar-se em moralizador de consciências alheias.

Quanto à última daquelas suas frases que transcrevo, ainda mais uma observação:

Pois. Acredito que tenha sido impossível evitar a publicação. E as do enforcamento de Saddam, anos atrás? Também foi impossível? Tantas impossibilidades!

Cumprimentos

zazie disse...

Mas eu também não acompanhei (ou apenas acompanhei por alto) esta revolução.

O que eu disse é que era impossível não saber ou passar-me ao lado a morte do Kadafi, alguém que era mundialmente conhecido e estava no poder desde 69.

E isso não tem nada a ver com ver tv.

E, muito menos, de andar à cata de "imagens escabrosas" - acho que esta expressão é que foi infeliz.

zazie disse...

Mas o Ruvasa insiste na imoralidade das imagens da morte do ditador e é incapaz de responder se também lhe chocam as dos queimados vivos dentro do barracão ou da rapariga encontrada na casa, toda queimada com água a ferver por ter desobedecido às ordens da mulher dele.

E isto eu não entendo.

Ou bem que as pessoas deram em flores de estufa e andam para aí armadas em menininhas a terem chiliques por lhes impressionar muito tudo o que não seja cor-de-rosa, ou então sabem muito ter duplos critérios.

E, repito, sendo assim, a única justificação é o status e as honras ao chefe-de-estado.

E isso não é humanismo.

zazie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zazie disse...

Torna-se é cretino, quem tem duplos critérios, vir dar lições de moral aos outros.

Vão passear.

zazie disse...

E a iliteracia também reina.
.
Será que os indignados com a imagem e com o post nem sequer o compreenderam?.
.
O que o José escreveu é básico- usou até um provérbio popular no título:


"quem com ferros mata, com ferros morre".

E isto para dizer que as imagens são brutais mas não mais brutais que de outros sacrificados, tenham sido algozes ou vítimas.

E no fim acrescenta um detalhe que faz a diferença- por muito cruel que seja ver esta realidade, há por aqui uma reposição de equilíbrio de justiça.

(coisa que não existiu nas brutais imagens que também correram mundo, do Aldo Moro morto, por exemplo).

josé disse...

A imagem do Aldo Moro é bem achada porque é ainda mais chocante, plasticamente, do que esta que publiquei.

A questão é outra, a meu ver: o choque das imagens é inevitável em casos como este e não há maneira de contornar e fazer de conta que não aconteceu assim ou que tal não se deve mostrar minimamente.

De resto não deve mostrar-se porquê, exactamente?
Isso é que gostaria de ler.

josé disse...

Confesso uma coisa: dificilmente uma imagem, por muito escabrosa que seja, me choca ao ponto de virar a cara para o lado ou pretender que outros a não vejam.

Há imagens muito pior que estas, de massacres, de crianças com moscas a passearem na cara para se alimentarem da fome delas, por exemplo.

Não obstante, a plasticidade dos media retira-lhes o elementos de natureza, transformando-as quase em natureza morta, por vezes duplamente.

O cheiro e o ambiente em que essas imagens são captadas, esses sim, são elementos de choque intraduzível em imagens e que a mim me põem em indisposição quando vejo ou sinto.
Já assisti a muitas autopsias ( muitas mesmo) e sempre, mas sempre quando dou de caras com o cadável fico transtornado. Sempre.
E no entanto se vir o mesmo cadáver em foto ( com aconteceu em casos de homicídio) fico quase indiferente.

Porquê isto? Talvez por um reflexo de defesa.

josé disse...

Uma vez, num sítio do Minho ( Terras de Bouro) vi um cadável de um agricultor que tinha sido morto a tiro por um vizinho por questões de água de rega.

O cadáver estava decomposto parcialmente e o cheiro era insuportável. O aspecto nem se fala.

Essa imagem e esse cheiro permanecem muito tempo depois disso, mas passa.

Imagino o que os médicos de urgência passam com estes casos.
Ou os legistas.
Só de pensar nisso considero logo que deve ser a pior profissão do mundo.

zazie disse...

Eu creio que isso acontece com toda a gente: as imagens são simulacros.

Eu nunca vi um morto de perto. E sei que é coisa que me impressiona de uma forma tremenda.

Mas, estou como o José, as fotografias são outra coisa. Seria hipócrita se dissesse que vomito ao vê-las ou algo no género.

E uma descrição de quem está a ver ao vivo é até mais impressionante por isso- por nos descrever o cheiro.

E isso aconteceu agora, com os corpos dos queimados vivos que ele deixou no barracão. Os repórteres não viram reproduções fotográficas e diziam isso mesmo.

Ruvasa disse...

Zazie!

É eternecedor o seu estrebuchar, ao ver-se apanhada no meio de algo que nada tem que ver consigo, mas que, pelos vistos, a "descalçou", já que se meteu de permeio, no seu conhecido voluntarismo militante e... asneirou.

Se pretendo dar lições de moral ou não, isso não é consigo, nem a si me referi nem refiro. Livra!

Qualquer imagem desse calibre é ominosa. Não as torne ainda mais trazendo-as a colação sem nexo.

Quem lhe disse que aceito outras, que não as de Saddam ou de Kadhafi?

Recomendo-lhe que se remeta às suas tamanquinhas, que a conversa é com o José e, assim, terá oportunidade de não dizer mais inconveniências.

Qualquer coisa que o José faça que me pareça mal, afecta-me pelo juízo que dele faço. Qualquer coisa que a Zazie faça e que me pareça mal é-me indiferente. Nunca vi da sua parte algo que realmente valha a pena comentar. Tem blogue? Porque, francamente, aqui, nada deixou até hoje digno de nota. Boa ou má.

Para terminar e mostrar-lhe que a Zazie, além do mais é deturpadora do que se escreve: com que então eu insisto na imoralidade ao afirmar que não chamo à colação moralidade ou imoralidade?

Santa paciência!

Cumprimentos e adeus.

zazie disse...

V. é tolinho, Ruvasa.

Tolinho e nem se enxerga. V. moralizou e não é por dizer o contrário que o não fez.

Veio para aqui dar uma lição de moral por achar uma vergonha a publicação das imagens da morte do Kadafi e este post.

E o José perguntou-lhe porquê. E v. não responde.

E eu perguntei-lhe se também achava uma ignomínia as imagens dos opositores dele, esturricados vivos no barracão.

E v. a isto não consegue responder.

Porque é que qualquer imagem "deste calibre" é ignominosa?

Explique-se. Força. Estamos à espera que saiba sustentar as suas indignações.

zazie disse...

Quanto a mandar-me calar, vá lá dizer isso à sua mulher que a mim ninguém me dá ordens dessas.

Eu argumentei. V.s deixaram aqui uns desabafos estapafúrdios, como se fosse coisa de meninas de escola a terem desmaiarem por verem uma treta de uma mancha completamente impressionista (que nem se sabia o que era se não tivesse legenda).

E eu comentei a questão e deixei argumentos.

Portanto, v. cala-se ou argumenta, mas não me manda calar a mim.

zazie disse...

Quanto à sua paixão pelo José, fique cool que eu não meto no meio

ahahahahahha

Ele há com cada um que faz favor...

Deve ser da idade. Espero bem não ficar assim que é tão caricato.

Ruvasa disse...

José!

Com este comentário vou terminar, porque entendo que cada qual com a sua...

A morte de um ser humano, seja ele quem for e seja por que razões for, é sempre um acto sério, o mais sério da sua existência e faz jus ao maior recolhimento por parte dos circundantes, próximos ou longínquos. Por maioria de razão, a morte de um ser humano, acontecida com requintes de selvajaria.

Como tal, não pode servir de espectáculo de efeitos mais ou menos conseguidos. As imagens desse "espectáculo" são sempre escabrosas.

Poderia, a partir daqui, elaborar abundantemente acerca do tema. Não o faço, por respeito a si, José.

Creio que considera também que não vale a pena, pelo que não preciso de lho perguntar.

Foi por esse respeito que, no meu primeiro comentário, não referi expressamente a sua publicação, mas apenas e tão somente a do DN.

Estou em crer que o José alcançou isso.

Cumprimentos

zazie disse...

Esqueci-me de retribuir o adeus.

Adeus, Ruvasa. Até logo. V. é um bacano com piada, mesmo quando escreve tolices.

":O)))))))))

zazie disse...

Portanto, o Ruvasa acha uma ignomínia toda e qualquer fotografia onde aparece um ser humano morto, seja lá por que motivo for.

E também achava possível e desejável que alguém que esteve no poder durante mais de 40 anos, sendo mundialmente conhecido e com culpas por atentados á Humanidade, passasse despercebida a forma como morreu.

Ok.

Há gente maluca e outra que abusa.

zazie disse...

Quanto aos requintes de selvajaria, se não fossem visíveis, se não se soubesse, explique lá o motivo pelo qual ele - Kadafi- era um criminoso.

Força.

Ou v. vai dizer que o Kadafi foi deposto e morto apenas por ter estado demasiado tempo no poder?

Essa treta de falta de democracia e tal e coisa e ditador sem se saber os actos é que é paleio que fede.

josé disse...

Por causa disto estive e rever um livro que tenho por aqui, com fotografias da Life dos velhos tempos. Fotos de fotógrafos famosos.

Tem lá duas ou três dos campos de contentração.
E há mais, de guerras e não só. Tem a do assassínio de Lee Harvey Osvald e do norte-coreano pelo general do sul. E outras ainda.

Ruvasa: conhece essas fotos? Deviam ou não ser publicadas?
São simplesmente escabrosas e chocantes em patamar muito superior às actuais do Kadhafi.

E então?

Ruvasa disse...

José!

Conheço, sim. Todos conhecemos.

E então:

Essas fotos de que fala, embora muito cruéis, não desfrutavam a morte de seres humanos.

Constituíram uma necessidade, cruel, mas indispensável, para dar conhecimento de algo que milhões afirmavam ignorar.

Tiveram uma intenção recta. Onde está a recta intenção destas de agora?

Agora, embora por outro motivo, repito: cada qual com a sua.

Mas, José, chover no molhado?

* * *

Não consegue convencer a sua amiga a não se enterrar mais do que enterrou até agora?

Tantos dislates, tantas inconveniências, tantas falhas, tantas... carências postas à mostra!

Olhe que será uma prova de amizade que lhe dará.

Cumprimentos

zazie disse...

Olha-me este.

Então v. é que diz que só lhe importa o que o José escreve e pensa e que só por ele pode ficar triste e eu é que tenho carências?


Não se enxerga sequer na burrice das contradições?

Então afinal já existem fotografias vergonhosas com a morte de seres humanos que deixam de ser chocantes por transmitirem uma boa mensagem.

E v. achava que uma imagem histórica da morte de um ditador podia ficar escondida porque não entra nessa categoria onde o obseceno deixa de o ser.

E chama espectáculo à reprodução do acto como se fossemos actores da vingança por lá praticada.

Então, pelos vistos, v. moraliza é os espectáculos e quer que a realidade seja escondida quando não faz parte dessa tipologia.

zazie disse...

As fotografias do Aldo Moro não "desfrutavam" a crueldade como foi morto?

Explique-se. Não se lembra? tem idade para isso e muito mais.

E as do Che, já agora, não serviram também de bandeira precisamente oposto à "rectidão" que lhe pode atribuir?

Não se lembra que até chegou a ser comparado com o Cristo morto do Mantegna?

Como é?

Tem de haver censura para sabermos se a "mensagem é recta"?

E quem decide?

E o que é factual, é avaliado de olhos fechados para o coração não sentir, é isso?

Porque, como v. disse, não seguem os critérios de humanidade e decoro que são os que (o) regem?

Ou porque «A morte de um ser humano, seja ele quem for e seja por que razões for, é sempre um acto sério, o mais sério da sua existência e faz jus ao maior recolhimento por parte dos circundantes, próximos ou longínquos. Por maioria de razão, a morte de um ser humano, acontecida com requintes de selvajaria.»?

Sustente o que disse a ver se é capaz.

josé disse...

"Essas fotos de que fala, embora muito cruéis, não desfrutavam a morte de seres humanos.

Constituíram uma necessidade, cruel, mas indispensável, para dar conhecimento de algo que milhões afirmavam ignorar.

Tiveram uma intenção recta. Onde está a recta intenção destas de agora?"

Ruvasa: Era o filósofo medieval Bernardo de Claraval quem diia que tudo depende da recta intenção, da finalidade das coisas.

Estas fotos têm como finalidade mostrar uma realidade que foi a de um indivíduo que morreu de modo bárbaro e à semelhança do que ele mesmo praticou, a crueldade.

A recta intenção destas fotos de doutras é mostrar um documento histórico que demonstra um facto acontecido, no caso a morte violenta de um ditador. Não é apenas a morte de uma pessoa, mas também a de um regime violento e ditatorial.
Tal como as fotos dos campos de concentração,muito chocantes, serviram para mostrar uma realidade que de outro modo não seria conhecida também estas fotos mostram a violência de quem morre com os ferros com que matou.

É esta, para mim, a intenção. E parece recta, no caso.

josé disse...

Há inúmeras fotos nos media que são chocantes. Algumas são gratuitas, como por exemplo mostrar a morte de alguém anódino só por voyeurismo.

Aqui não é o caso embora conceda que nesta documentação pode ser evitado mostrar algumas fotos mais violentas. De qualquer modo, se existem e foram publicadas por quem as tirou, nada há a faer a não ser censurar as imagens. E por mim, sou contra a censura.

Isto não é a mesma coisa que ir a uma morgue e fotografar corpos esquartejados só para mostrar...

josé disse...

Mais chocante do que as fotos do Kadhafi para mim, foi um video ontem passado numa das tv´s: uma menina de dois anos, numa cidade chinesa brinca na rua e de repente uma van, uma carrinha atropela a.
A menina cai e fica assim durante minutos enquanto passam pessoas e outros carros que se desviam mas nada faem.

A menina acaba por ser atropelada uma segunda ve e depois vai para o hospital onde acaba por morrer. Tudo documentado em imagens a mexer.

zazie disse...

Mas ainda existe outro detalhe. Estas fotografias foram tiradas pelos rebeldes e divulgadas lá, antes de serem notícia no Ocidente.

E, não é nada absolutamente claro que o julgamento do regime e do ditador fosse unânime.

Portanto, mesmo lá, antes de serem rectas, são factuais e acerca dos factos é que opinamos.

Factos esses que não se resumem ao "The End".

Mas o Fim, foi mesmo este. E só por tolice se podia imaginar que ia ficar escondido.
...............

Nada disto implica defender-se julgamentos desta forma. Também fui contra o enforcamento do Saddam que me pareceu bem mais cínico.

zazie disse...

Do mesmo modo que não posso dizer que defendo a forma como os americanos fizeram desaparecer o Bin Laden.

Como um caso "pessoal", depois de terem mobilizado meio mundo para dar o aval às invasões para a suposta caçada.

Mas, se a fotografia do Bin Laden tivesse corrido mundo, acaso íamos dizer que era pornográfico conhecê-la?

joserui disse...

Zazie o que não se entende é porque repete vezes sem conta a criada queimada e os queimados vivos... não entendo... em que é que isso acrescenta ao assunto... não há aqui ninguém a defender esses actos, nem a defender a tese que o ditador não fosse um criminoso... a tese que eu defendo são duas: é um mau gosto atroz a ilustração deste post e nada perderia o ditado popular se não fosse ilustrado; a Líbia, apesar do criminoso, vai ficar pior agora.
Tal como não percebo a questão da menina chinesa José (que alguém contou hoje ao almoço, num assomo de refinado gosto...)... o seu ponto é?... Quer dizer... estamos no circo de atrocidades agora? É mais chocante isso torna o seu menos?... não se percebe a lógica e a relação. E se o seu critério fosse outro, então era censura... está certo.
E tudo tem o seu contexto. Eu no JN ou CM, se calhar espero a escabrosidade; aqui não. Pode não parecer, mas é um elogio. -- JRF

zazie disse...

O que noto é que existe uma tendência para se esquecer tudo em função do último acto.

Como se o último acto dos dramas e tragédias tivesse de ter a pureza e correcção que não teve toda narrativa que o enforma.

zazie disse...

Mas quem é que repete a "criada queimada"?

Pois se tu desconhecias o facto e até disseste que, mesmo sabendo, o achas anódino e desinteressante...


Então julgas o quê, politicamente?

O último acto com honras de Estado e código militar que achas que faltou aqui?

E é por isso que depois metes tudo no mesmo saco e dizes que é escabroso?

O exemplo da menina, que o José deu, é certeiro e responde a quem deu como exemplo a divulgação de mortes onde o lado gore é gratuito e nem existe mensagem, nem História, mas tudo se vende de forma a chocar.

E isso sim, isso é obsceno. É obsceno provocar sentimentos de curiosidade de olhar para além do necessário.

josé disse...

Sobre a menina chinesa o meu ponto é simples: fiquei muito chocado com essas imagens, mas não acho que devessem ser censuradas. Fiquei triste em saber que a menina morreu por causa daquilo.
A Tv censurou o momento do choque da carrinha com a criança e a meu ver fez bem, mas se não o tivesse feito não seria eu a atirar pedras.


O que fica das imagens dos media é uma documentação de factos ocorridos e cujo problema principal me parece este:

Com estas imagens choque cria se em quem vê uma carapaça de indiferença. Como as imagens não tem cheiro nem cor ambiente suficiente para reproduzirem o real, tornam-se apenas bonecos de uma realidade que assim vira irreal. E que tornas pessoas embotadas para esses problemas. Indiferentes.

zazie disse...

Sucede que em casos de personagens históricas o factual, mesmo que terrível, nunca deixa de se conhecer.

Muito menos nos dias de hoje onde qualquer pessoa divulga tudo na net e capta por telemóvel.

E o interesse pelo Kadafi não tem a menor comparação com o interesse na forma como uma criança morreu atropelada.

Lembro-me que por cá um jornal foi condenado por ter mostrado na primeira página o corpo morto de um piloto de ralis (acho que foi na Serra de Sintra).

josé disse...

Voyeurismo é mostrar mais do que será estritamente necessário para informar. É isso mesmo.

Para mostrar o modo como Kadhafi morreu é presido mostrar a crueldade com que tal aconteceu.

Quem não quiser mostrar a crueldade tem na mesma que a relatar.

zazie disse...

Por isso é que hoje em dia somos mais indiferentes a todas as atrocidades. Por excesso de as vermos na tv.

Parecem todas a fingir. Daí que custe a acreditar que alguém (um homem, principalmente) se sinta enojado com esta mancha impressionista que o José mostrou.

Ruvasa disse...

José!

Exactamente. Vejo que o José entendeu a questão da recta intenção.

E parece-me ver mais: que, afinal, não estou só no propósito.

Parece que diferimos apenas no seguinte:

Ambos vemos recta intenção na e necessidade de publicação de fotos de grande atrocidade relativamente ao genocídio nazi e a outros genocídios. Tudo bem.

Pelo contrário, o José vê essa recta intenção e essa necessidade igualmente, na publicação da foto de Kadhafi e nas de outros ditadores sanguinolentos; aqui, já eu não vejo tal. Nem uma nem.

Serviu tal publicação para alertar o mundo ignaro para os malefícios praticados pelo ditador? Quomodo? Seguramente que não.

Para alertar o mundo para a realidade da morte do facínora? Seguramente que também não. A notícia seria mais do que suficiente.

Logo, a foto é redundante para que se alcance o segundo desiderato e dispensável para o primeiro.

Não discutamos mais.

Basta-me que, implicitamente, tenha aceitado a razão do comentário que fiz.

Cumprimentos

zazie disse...

É isso José.

Informar é sempre uma narrativa. Se não é por imagens é por palavras.

Se se omitir a parte principal está-se a tapar a informação.

Se se exagerar e repisar e andar a apanhar os "inserts" está-se a fazer novela e pornografia.

zazie disse...

E é hipócrita alguém dizer que se não tivesse sido mostrada aqui ou no jornal nem a conhecia.

Ainda há pouco fui ao café e, mesmo sem querer, lá vi as imagens em movimento do vídeo.

V.s falaram antes de tempo por nem se darem conta que isto fica na História. E fica da mesma forma como os beijinhos mais antigos e os apertos de mão demasiado recentes e demasiado inúteis

(ao contrário do que disse o hajapachorra, há tretas que nem real politick são. E essas também não se apagam).

josé disse...

Há outras fotos que agora me lembrei e que retratam um acontecimento do outono de 1978: na Guiana Francesa o suicídio colectivo da seita de Jim Jones.
Foram publicadas na capa da Newsweek de então.
São imagens chocantes porque mostram cadáveres já em decomposiçao, inchados e aos montes.

E os media publicaram essas fotos.

josé disse...

Sobre o Kadhafi prefiro ver e saber como aconteceu do que ler relatos acerca disso, até porque a imaginação é mais estranha que a realidade. Ou será o contrário?! Ahahaha.

joserui disse...

José a questão inicial (para mim) era a ilustração do seu post. Se mais nada pode ser dito, reduzo ao gosto outra vez: mau gosto. Se a questão é a dos média, acho diferente. Com os telemóveis e a internet as imagens ficam disponíveis para quem as quiser ver imediatamente, nesse sentido, pode-se dizer que a censura acabou. Mas a manipulação não e com isso gosto de ter cuidado.
Para chegar à maior parte da população os media ainda são necessários, se vão exercer algum tipo de filtro ou não, parece que depende do critério de cada um. Como se tem visto mesmo à escala nacional, para uma certa degradação de valores tanto informativos como de entretenimento, basta haver um que alinhe e o resto depois segue atrás das audiências.
Pode-se dizer que é o público que, com o seu dinheiro, dirá o que é correcto. Veja lá se os seus jornais de referência, por exemplo, são os mais vendidos. São? Óptimo. Tenho dúvidas. Aliás, note-se a actualização dos critérios editoriais do JN (que julgo que li por aqui). Já não eram brilhantes e no entanto, parece que o patrão quer mais leitores...
Por outras palavras, não tenho certezas e certamente que o que é publicável para uns, não será para outros. Mas o seu método publique-se tudo e depois logo se vê, na minha opinião e pelo que tenho visto, só contribui para um contínuo degradar da vida em sociedade e um embrutecimento da população. Mas não duvido das rectas intenções. -- JRF

josé disse...

Por exemplo ainda: no caso das torres gémeas não foram mostrados cadáveres na tv que eu saiba.

E ainda bem: tal nada traria de novo ao acontecimento.

O que justificaria uma imagem de uma pessoa esborrachada no pavimento depois de se ter lançado do 100º andar em queda livre?
Nada de nada, mas não é por isso que tal nao sucedeu ou deixou de ser notícia.
Aliás, as fotos que retratam a queda livre de várias pessoas, em antecedência à morte certa já em si mesmas são chocantes, mas relatam um facto que não se confunde com a imagem do corpo despedaçado.

zazie disse...

Como dizia o Cristóvão Colombo, acerca dos monstros que dizia ter visto na América " muito mais fantástico será para quem ouvir contar, do que para quem esteve lá e presenciou".

joserui disse...

Bah. Ninguém disse que se não a visse aqui não a via... eu vi na BBC e disse a cima que fiquei surpreendido. E Posteriormente no NYTimes... mas foi aqui que vi primeiro... sou muito fiel ao escritos do José... defeito meu certamente. Espero o melhor. -- JRF

josé disse...

ora bem, gostos não se discutem como diz o outro. Porém, aqui, os gostos serão sempre maus porque as imagens não permitem que sejam bons...
A solução seria nada publicar de imagens e relatar os factos.
Mas então repare: os relatos jornalísticos com mil palavras, por vezes não valem uma imagem. E se a foto em si mesma já reduz a dimensão do real, transformando-o, então o relato simples ainda o reduziria mais.

Ficaria qualquer coisa como isto:

Kadhafi foi apanhado a fugir pelas forças adversárias, ficou encurralado num cano de esgoto, mas foi apanhado por aqueles e nessa altura ferido e eventualmente morto a tiro disparado por alguém ainda não identificado.
Isto informaria mas a imagem mostra mais do que isso: mostra o estado em que ficou nessa altura. Os ferimentos que tinha e o modo como foi abatido.
Chocante? Sem dúvida.E dispensável?
Também tenho dúvidas.

zazie disse...

Conta lá qual o problema desta imagem e do post?


Tu, por exemplo, manifestaste um julgamento que não me passou pela cabeça.

E fizeste-o não tendo sequer acompanhado a guerra ou grande parte das atrocidades que ele cometeu.

Disseste que reconhecias a coragem (ou algo no género) de ter ficado, quando podia ter fugido.

Isso também é um balanço escolhido a dedo, né?

E deste o exemplo de um bom post feito pelo Castelo Branco onde confronta a morte do Kadafi com a morte dos leões fugidos da reserva.

Eu acho esta última uma treta surrealista. Completamente marada, caso não soubesse que ele tende a desculpar demasiados ditadores daquelas localidades.

zazie disse...

Acho que eles não queriam o post ou queriam que o José filosofasse acerca da justiça final, como fez o "Combustões"

ehehehehe

zazie disse...

O hajapachorra também se enxofrou todo e eu nem percebia o motivo e depois lá contou que foi por causa dos comunas terem omitido os beijinhos e insistido nos apertos-de-mão.

E achou que estes últimos tinham uma justificação pragmática por facto do petróleo não ser feito a martelo.

É de boa qualidade

":O))))))

joserui disse...

Nenhum problema! E só nos enobreceu a todos... A mim inclusivamente... principalmente a mim!...
No Combustões reparo agora que linkei para esse post específico.. hehe... não era bem isso... eu referia-me ao geral da opinião do MCB, vários textos... identifico-me com a opinião dele. O último post dele tem um vídeo a explicar as origens desta queda em desgraça. Parece-me credível que tudo se tivesse passado assim.
Kadafi... sim, ficou. Respeito isso. Não tinha dúvidas sobre a sua sorte caso fosse apanhado. Nem os filhos. Ficaram. Mas não é um balanço nem julgamento de uma vida, é apenas uma atitude, quando podia facilmente ter um exílio dourado algures. Nem acho que os crimes prescrevessem... mas já não achei no Polanski e era bem mais simples... daí a linchá-lo, vai alguma distância.
Eu não queria que o José fizesse nada. É um post muito fraco que na minha modesta opinião tem como motivação o facto dos ocidentais lhe andarem a apertar a mão ultimamente. Designadamente um em particular.
E mau gosto. E sim José, não lhe faltavam mais imagens para ilustrar o post. Esta agradou-lhe para transmitir a mensagem que pretendia. Excelente. Avancemos. -- JRF

zazie disse...

Sabes o que dizia o S. Boaventura acerca dessa estética?

Dizia assim: «A imagem do diabo é considerada bela quando representa bem a fealdade do diabo e por isso é feia.»

zazie disse...

Quanto ao Castelo Branco e seu panegírico do herói e da "Líbia que não se rendeu", só posso dizer que

http://combustoes.blogspot.com/2011/10/grandeza-que-se-conquista-pelo-sangue.html

este post é pornográfico.

E gosto de muitas coisas que ele escreve. Mas às vezes sai besteira.

A última que lembro foi do encómio ao ao Sócrates com a justificação que era um homem muito educado e lhe respondeu sempre por escrito.

Ruvasa disse...

José!

Caramba! O que aí vai de busca de exemplos para sustentar uma posição! A que atribui tal desassossego?

Desde o último comentário que aqui deixei, esta tarde, já fui a Lisboa, onde passei duas horas a ouvir várias oradores a dissertar sobre a Ressurreição de Cristo e outras maravilhas, já devorei umas belas ameijoas com queijo gratinado, regadas com uma "imperial" bem fresquinha, em plena Praça dos Restauradores, já fiz um risco num dos retrovisores externos da carripana, ao retirá-la do parque de estacionamento, já fui à beira Tejo, ao Piazza di Mare onde pensava encontrar determinada pessoa, o que não consegui, já regressei a casa, devagarinho, a apreciar a noite na Ponte Vasco da Gama, já assisti a uma vitória do meu Benfica, sem brilho e sem brio, já postei e comentei abundantemente no Facebook e, veja lá, de todo este lapso de tempo - umas 6 horas e tal - o José gastou parte substancial a carrear para aqui outros "carnavais" e exemplos que ajudem a justificar a publicação que fez.

Isto não lhe diz nada?

Cumprimentos

ae disse...

assim não pode ser.

josé disse...

Ruvasa:

Também fiz outras coisas nessas 6 horas, mas o vexata quaestio da imagem permanece em aberto.

O Público de hoje lá deu à estampa, em páginas interiores, a tal imagem que publiquei aqui, mas ainda mais nítida.

Por isso, não adianta fazer como o soldado na parada que marchava ao contrário dos demais e só ele é que estava certo...

josé disse...

A imagem não é a mesma: é pior...

Ruvasa disse...

Viva, José!

Sou dos que não se atrofiam por ter de marchar na parada ao contrário de todos os restantes, ou seja, considero isso uma minudência sem valor. Outros valores me causam mossa. Como a si, estou certo, pelo que conheço dos seus escritos.

Quanto ao resto, a Com. Social portuguesa, merece-me muitíssimo pouco respeito. E só não a classifico agora aqui, para que não haja a tentação de tal classificação ser brandida como minha intenção de a estender a outrem.

Como disse, não a respeito muito, para não dizer, quase nada. Outrotanto, não posso dizer de outros comunicadores. Essa até a razão desta saga. Se tivesse por eles a consideração que por ela tenho, nada teria escrito neste post.

Mas deixemos isto. Encerremos o capítulo que a vida é p'rá frente.

Cumprimentos renovados

O CM arrasa um juiz do TCIC