sábado, 15 de outubro de 2011

Os chefes do serviço público

Público de hoje:

"Na informação da RTP há vencimentos superiores a 10 mil, 13 mil e 14 mil euros, e muitos outros acima dos 6000 euros."
"Deputados, parceiros sociais ou gestores de empresas vão deixar de receber as remunerações que agora recebem por cada presença em programas televisivos, sejam pontuais ou permanentes, e que oscilam entre 100 e 600 euros por cada intervenção".
(...)

"Um dos chefes de serviço do hospital do Barlavento Algarvio ganhou 744,6 mil euros em 2009, o que dá uma remuneração mensal de 53,1 mil euros, sendo o salário base de 5523,24."

"PGR determina que pedidos de informação a órgãos de soberania têm de passar por ele".

"Má governação não é crime nem pode originar indemnização."- dizem juristas como Costa Andrade ou João Remédio Marques ( escola de Direito Penal de Coimbra). Entendimento seguido por António Cluny, procurador no Tribunal de Contas e reiterado por Germano Marques da Silva, advogado e professor de direito penal em Lisboa.

PS. A leitura do Expresso de hoje confirma o já sabido: o jornal está em decadência acelerada. Não tem uma única notícia que nos dê conta das "chefias do serviço" a não ser a continuada historieta das "secretas" cujo secretário-geral do SIRP os desiludiu. Não encontrou motivo para castigar a ovelha negra feita toupeira dos serviços e tal desagrada aos jornalistas do Expresso que tendo cometido crimes mais graves olham para o argueiro como uma ofensa pessoal aos negócios do patrão da sua Impresa...
Por outro lado, o comentador Sousa Tavares escreve uma carta imaginária um "filho ausente" a certa altura diz assim, a propósito do caso Isaltino de Oeiras: " Já depois de condenado, foi reconduzido pelo povo agradecido de Oeiras ( sim, os mesmos que se queixam da venialidade dos políticos- e, aliás, segundo as estatísticas o povo mais educado do país). "

Essa da "venialidade", num indivíduo que se pretende escritor é de truz.

2 comentários:

Zé Luís disse...

Os 600 euros por presença tamb+em ganha o imbecil do Tadeia para as coisas da bola. E eu até gosto de bola...

Henrique Pontes disse...

Uma nota, que eventualmente tem pouco interesse: João Remédio Marques é especializado em Processo Civil e Dto Comercial e não em (ou da escola de) Dto Penal...

O TCIC é para acabar...