quinta-feira, 30 de junho de 2011

Life in the fast lane*


Ao contrário do que tem sido divulgado nos últimos dias, por entidades oficiais, o problema da toxicodependência em Portugal nunca foi tão grave: entre 2001, data em que foi implementada a lei de descriminalização, e 2007, o consumo continuado de estupefacientes registou, em termos absolutos, uma subida de 66 por cento.

Nesse período, houve um aumento de 215 por cento no consumo de cocaína, 85 por cento de ecstasy, 57,5 por cento de heroína e 37 por cento de cannabis. Os dados são de um relatório do Instituto de Droga e Toxicodependência (IDT), publicado em Novembro de 2008.

Desde a descriminalização, houve um aumento de 50 por cento no consumo de drogas, nos jovens com idades compreendidas entre os 20 e 24 anos. Por outro lado, o número de pessoas que experimentaram drogas ilícitas, pelo menos uma vez, subiu de 7,8 por cento, em 2001, para 12 por cento, em 2007 (IDT – Relatório de Atividades de Novembro de 2008).


* título de uma canção dos Eagles, de 1976.

7 comentários:

joserui disse...

Não há nada verdadeiro neste país? Eu li sobre este assunto na imprensa internacional de referência e não foi só uma vez. Portugal como um exemplo. Mais notícias angelicais pelos vistos. -- JRF

Wegie disse...

Há um esperto, um tal Greenwald, que anda por aí a manipular estatísticas para apresentar Portugal como um caso de sucesso. O surpreendente é que ele pertence e publica os seus arrazoados num think tank conservador o Cato Institute.

joserui disse...

No Cato? Isso é surpreendente. Não a manipulação que é o que a casa gasta. O think do tank é só para encontrar formas novas de enganar os incautos. -- JRF

JC disse...

É preciso ver se o consumo de estupefacientes aumentou efectivamnte assim tanto ou se aumentaram apenas os REGISTOS de casos de consumo.

Eu com estatísticas estou sempre de pé atrás.

SEMPRE.

Estatísticas e sondagens, que são a mesma merda.

Wegie disse...

Para ser mais preciso,

Entre 2001 e 2008 aumentaram:

1- O número de contra-ordenações por consumo de drogas.

2- O número de toxicodependentes que no recorreu a uma primeira consulta para deixar de consumir.

3- As mortes com resultados positivos de drogas (opiáceos, metadona, canabinóides) em exames do Instituto Nacional de Medicina. Legal.

Floribundus disse...

começa com um milhão de alcoólicos.

o socialismo só tem tido saída para a droga

o paraíso socialista é artificial como o do poeta.

tive em tempos uma proposta para sintetizar 'cavalo' numa quinta do Alentejo

Lura do Grilo disse...

Admiro as soluções de Singapura quanto a este problema: traficar claramente tem um risco apreciável.