segunda-feira, 13 de junho de 2011

Uma salada eléctrica com barbas

Em 1976, Mário Soares que agora fala outra vez no "socialismo democrático", sem explicar minimamente as contradições inerentes, já sabia o que era tal salada. É ler a pequena parte da entrevista no S.I. de 9.7.1976, conduzida por Maria Antónia Palla ( sempre de esquerda, como há pouco disse na Gulbenkian, na apresentação de um livro de Cândida Pinto sobre Snu Abecassis e Sá Carneiro). Nela se dá conta da tremenda salada eléctrica de Mário Soares que dizia acreditar no socialismo por contraposição ao capitalismo, coisa horrorosa que só gerava "exploração do homem pelo homem".
Actualmente a ideia é a de socialismo versus neo-liberalismo. Uma mudança de retórica para a mesma salgalhada de sempre. Na página anterior não tinha dúvidas quanto ao programa de governo que seguiria ( Ramalho Eanes acabava de ganhar as presidenciais e Soares governaria até vir o...FMI, logo em 1977): "manteremos as nacionalizações" , afirmava. Mas o melhor mesmo é colocar a entrevista para se perceber uma das razões do nosso mal actual e uma das principais raízes da crise que temos.

1 comentário:

Floribundus disse...

o socialismo de distribuição gasta o que não produz

só metade da importação de alimentos é compensada por exportações

o boxexas nunca compreendeu a verdadeira situação do país

para proteger os tachos dos correlegionários recorreu duas vezes às 'tranches' dos empréstimos.

nessa altura pagava juros de 40% à cabeça (pedia 100, recebia 60)

bardamerda

O novel consultor...será da nau 21?