quarta-feira, 18 de abril de 2012

O caso BPN não é só um caso de polícia...

Ventura Leite, antigo deputado do PS disse no programa Negócios da Semana, de Gomes Ferreira, na SICN, que a intervenção do Estado no BPN ficou a dever se, não ao propalado "risco sistémico", mas pura e simplesmente para acautelar os interesses das pessoas que lá tinham o seu dinheiro.

Para ver quem foram os beneficiários do "buraco do BPN" é ver quem eram os maiores accionistas e os maiores depositantes...
Entretanto, algumas destas pessoas sabem explicar muito bem o que se passou. Mas ninguém lhes pergunta...por exemplo Rui Machete sabe tudo de tudo e mais que tudo. Mas ninguém lhe pergunta por nada.
Estranho, não é?
E quem responde a algumas destas 17 perguntinhas a que ainda falta responder? O Expresso sobre isto não contará nada nunca. É garantido ou não tivesse o patrão que tem.

15 comentários:

Floribundus disse...

diz-se que o centrão e os tu-barões nunca serão incomodados
o presidente da sln é sapientíssimo grão-mestre do gol

Eduardo F. disse...

Corajoso como sempre, Ventura Leite!

Ruvasa disse...

Sou de opinião de que essa tese acerca da nacionalização do BPN está correcta.

No entanto, há igualmente uma outra que não deve ser descuidada e que talvez esclareça muitas coisas inexplicadas e inexplicáveis que vão sendo constatadas, como, a título de mero exemplo, a não substituição do PGR, que a dignidade nacional tanto requer.

Essa outra consiste na "conveniência" de apanhar Cavaco com as calças em baixo - ou não mão, como se quiser - em face de negócios de favor jamais convenientemente explicados, para tentar impedir a sua reeleição e, no caso de não não a impedir e talvez mais lucrativo, para ter em Belém alguém a quem conviesse, no mínimo, estar sossegado até ao inimaginável.

Carlos disse...

Este "post" revela, José no seu melhor. Siga!...

josé disse...

Melhor ou pior, a verdade é que a corrupção não tem cor partidária. Quem a vê segundo esse prisma facetado nunca entenderá o quadro todo.

Carlos disse...

Por este comentário (último), e pelos anteriores - assim penso. Ainda há pouco tempo, estranhava aqui, a obsessão por um só personagem. Siga!...

Karocha disse...

Isso mesmo José!
A corrupção está em todo o lado.
Não vi o programa, mas hoje ou amanhã a SICN põem on line

josé disse...

Carlos:

Esse personagem inenarrável corporizou durante meia dúzia de anos o inner core da corrupção política, sendo igualmente suspeito em alguns casos de corrupção ( Freeport e licenciatura).
A tal "fixação" no personagem deve-se apenas a isso.

Se José Sócrates se afastar da vida política, não me verá mais falar no indivíduo, a não ser que sobrevenham motivos para tal ( e estou certo que aí virão, mais tarde ou mais cedo, porque os assuntos graves não se limitam àqueles dois casos...).

josé disse...

Não me considero um puro da justiça ou um cavaleiro branco contra a corrupção.

Apenas pretendo manter um equilíbrio sadio entre a injustiça que vejo nesses casos que aponto e o ideal de dar a cada um aquilo que lhe pertence.

josé disse...

Ou seja e resumindo: pretendo apenas um módico de Justiça geral e que todos sejam tratados de igual modo perante a lei.

Carlos disse...

Boa!

mujahedin مجاهدين disse...

Ou que a lei seja tratada de igual modo perante todos...

O que me espanta a mim é a obsessão que alguns têm em acusar de obsessivos aqueles que procuram denunciar um indivíduo que traiu consciente e sistematicamente o país e o povo que o elegeu, encaminhando-o para uma situação tão terrível que requererá o sacrifício de várias gerações e cujo o preço a pagar é manifestamente incalculável.

Um indivíduo que, na eminência da catástrofe, abandonou impudicamente o seu dever e o poder por ele conferido e entregou o povo à sorte que o esperava. Impudicamente se emigrou em direcção a uma vida de luxo e tranquilidade, enquanto o país e o povo que deixou agoniza com as consequências do seu legado.

Não será o único responsável mas quando se pretende limpar um sítio, trata-se primeiro daquilo que mais tresanda. E esse indivíduo fede de mais.

Anónimo disse...

Ruvasa,

Também me parece que não é normal umas escutas apanharem uns senhores a dizer que o esquema era manter o Presidente "em casa a tomar conta dos netinhos" e a reacção ser a que foi. Estou mesmo a ver onde estaria quem isto fizesse em alguns países, qual seria a tipificação do crime, a pena e a urgência dada ao caso.

BICIFILA disse...

um desses srs, referenciado no JN do norte, uma vez pôs a boca na TV, foi profundamente apertado com ameaças...

Streetwarrior disse...

Pois claro BICIFILA.
Aliás só por causa dessas chantagens é que se consegue compreender o fenomeno que é, algumas pessoas não agirem em conformidade como deveriam supostamente agir...rabos de palha.

Eu tenho para mim ( e é apenas a minha opinião) que certos cargos indicados politicamente, certas pessoas só para lá vão se...
1)- pertencerem a uma rede de contactos influentes.
2)- Possuirem um certo perfil, ganancia, falta de caracter e personalidade influênciavel, ambição desmessurada.
3)- ( A mais importante ) terem bastantes esqueletos no Armário para assim, estarem reféns de quem os lá colocou.

Pela lógica, como é que alguém, com 1 forte sentido etico/moral, com forte personalidade e consciencia civíca, aliada ao sentido de Justiça, poderia/á ser indicado para desempenhar BEM o cargo como por exemplo o PGR, se aqueles que o indicaram, são corruptos, traidores, borlões, e suspeitos de delapidarem o erario publico.
Isto não faz sentido!
Eu nunca vi 1 ladrão, a fornecer todas as condições necessárias para mais tarde vir a ser preso.
Lógicamente que estas pessoas, estão lá não para exercerem BEM os seus cargos mas para em ultimo caso, protegerem BEM quem lá os colocou.
É claro que depois as pessoas sérias, depois, não querem nada com a politica...pudera.