sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Campanhas brancas

Depois de ter sido condenado no caso do fax de Macau, Rui Mateus, desaparecido do combate, dado como tolo, escreveu um livro intitulado Contos Proibidos. Quem quiser ler, pode fazê-lo porque está disponível em Rede.

Em 1990, Rui Mateus prestou declarações no processo e terá contado a sua versão dos factos que implicava bem mais alto politicamente que o pobre do governador do território ultramarino. Almeida Santos e Mário Soares foram nomes pronunciados.
A publicação do livro poderia ter obrigado à reabertura do processo, nos termos da lei processual, para reinvestigação do que ficara esquecido.
O investigador Rodrigues Maximiano já faleceu e não se pode defender de acusações. Mas na altura em que as mesmas foram feitas, não respondeu convenientemente à réplica que Rui Mateus lhe deu, com três anos de intervalo, depois de ter comentado o livro Contos Proibidos, dizendo que nada de novo trazia ao assunto.

Estes dois textos- ambos do Independente, de 9.8.1996 ( a entrevista a Maximiano) e de 14.7.1999 ( a carta de Rui Mateus)- revelam o problema principal da nossa investigação criminal, sempre que encontra pela frente o poder político de topo: cede. Tem medo. Não avança.
É um problema grave e que a generalidade das pessoas adivinha, perscruta, mas nada faz para a mudança. E é preciso uma mudança, de facto. A independência do poder judicial e a autonomia do MP, não se afirmam: praticam-se. Souto Moura praticou-a, sem a afirmar muitas vezes.

Aqui ficam a entrevista e a carta de Rui Mateus. Basta clicar nas imagens, para ler.





32 comentários:

Tino disse...

Caro José

Acabo de ouvir na SicN as declarações do Augusto SS.

A expressão que uso foi exactamente "Tentativa de manipulação da imprensa livre".

Esta frase foi dita do contexto das outras declarações constantes de um link que pus noutro comentário.

Não consegui perceber se deu a entrevista ou conferência de imprensa em casa dele. Pelo fundo da imagem não percebi.

As declarações que ele fez foi na qualidade de cidadão.

Espero que tenha tido a dignidade de não usar um edifício público para fazer a tal declaração como cidadão indignado contra a Campanha Negra.

Já o engenheiro enviou o exame para a UI a partir do fax do Ministério. E posivelmente ia à UI no carro do ministério.

Para esta gente não existe crime de peculato de uso...

Karocha disse...

Pois é José.

Você arquiva umas coisas, eu outras, e continuo a aprender muito consigo.
Obrigada José.

F.C.Limpa Tudo disse...

Caro José

Vc. que gostou muito de escrever sobre Pinto da Costa e da tentativa de desculpar os agentes da justiça nesse processo.

Porque é que não explica que nesse caso (Pinto da Costa) foi nomeada uma super procuradora para reabrir processos que já estavam arquivados, e agora por assunto muito mais importante o sr Procurador não nomeia a super procuradora (Mizé)?

Será por causa do sr. Sanches?

Será porque o assunto não envolve os criminosos cá do Norte?

Será que não se pode colocar aí para o sul os telefones sob escuta da mesma maneira como o Pinto da Costa esteve escutado durante 1 (um) ano?

Segismundo disse...

Continua a campanha negra.

A capa do CM parece inserir-se neste quadro em que poderes ocultos tentam denegrir a sua impoluta honra.

hajapachorra disse...

Última!!!!!!!! A arder!!!!! Mãe do doutor sócrates compra casa a offshore em 2005, ver Correio da Manhã! Brutal!

zazie disse...

Foi em 98 e por 224 mil euros.

hajapachorra disse...

Ora porra! POdia ter esperado por 2005, o sacana. Mas compreende-se, o verdadeiro artista começa logo que pode. Seja como for, há três dias que o desgraçado etá morto. Já fede.

PJMODM disse...

Na operação OMO, existe uma bizarra esquizofrenia nos tiros contra os «poderes ocultos» que caso isto fosse um sítio normal seria mais do que suficiente para a coisa implodir mesmo sem emails e quejandos (o glutão em vez de tapar a nódoa era capaz de a comer).
Dos tiros nos «poderes ocultos» parece particularmente interessante a ambivalência sobre a justiça e em particular o MP sem credibilidade - agentes cujo juízo já foi desclassificado por princípio, de quem partem alguns dos maiores contributos (voluntários ou involuntários?) para a operação OMO (e recorde-se que os comunicados já existiram em 2005, também com a garantia branqueadora, anterior à fase banho maria).
Mas como digo, a operação branqueadora diz mais sobre o país do que as nódoas que se tentam lavar, até sobre a craveira intelectual dos glutões e glutonas. Do site oficial da corporação (espero que alguém se tenha dedicado a guardar o arquivo pois diz muito sobre o poder actual) nem vale a pena falar (há muito que se encontra ali o espelho mais fiel dos glutões, até na agressividade predadora), mas o melhor exemplo da força intelectual da nódoa engenhosa é devidamente escalpelizado aqui: http://5dias.net/2009/01/30/mitomania/#comments.

(Tenho ideia que o José não simpatiza com o LRainha, mas o homem ao aperceber-se daquilo com que estava metido há uns meses teve a frontalidade de fazer o retrato preciso do «animal feroz», levando a glutona da OMO a chamar-lhe filho da puta e a usar na bloga os métodos empregues pela malta no aparelho de Estado, um outro exemplo para um estudo histórico e antropológico dos glutões).

josé disse...

PJMODM:

Já estive a ler os textos ( e os dos links também, o do Miguel Dias, particularmente bem escrito) e devo concordar que há algumas coisas que não precisam de muita explicação erudita.

Sobre a Câncio, nada tenho a declarar de especial. É uma pesssoa corrente, parece-me. Jornalista sem grande background cultural.
Tal como o Zézito, menos a faceta de jornalista.

Para pessoas públicas é um handycap.

Tino disse...

A SicN tem feito um excelente trabalho de branqueamento.

Não sei se é o Costa, irmão do Costa, que está por trás do sistema.

Mas todos os convidados e comentadores que aparecem na pantalha têm uma forte propensão para minimizar efeitos, reduzir consequências, desvalorizar indícios, negar previamente culpas ou desfocar o centro do que é essencial analisar.

Anónimo disse...

Isto vai rebentar por inglaterra.
Só pode!

Tino disse...

O Rangel, Emídio, especialista em berbequins, é também um mestre em pinturas com cal ou em limpezas com lexívia.

O artigo que escreveu no Correio da Manhã é mais um para a antologia dos tira-nódoas socratinas.

É tudo de uma (nada) cândida alvura...

josé disse...

O handy não tem boné.

josé disse...

O Rangel está empenhado no Canal tv...

É mais um da Cooperativa e está a ver a ir tudo por água abaixo.

E vai.

Anónimo disse...

Hoje tive um maravilhoso sonho. Sonhei que estava a dormir na minha cama e de repente acordei. Abri a janela e estava na Sicília.

Anónimo disse...

É de mim ou o Cavaco está com medo de alguma coisa?

água na boca disse...

O Cavaco já trata o caso Freeport como "um assunto de Estado".

Karocha disse...

Está sim Flash Gordo.

Segismundo disse...

O "Expresso da Meia Noite" tornou-se uma tertúlia socretina.

Evitaram sempre a questão essencial,os prejuízos causados à nação.
Debruçaram-se quase exclusivamente sobre o incómodo que as notícias causavam ao mentiroso e à irmandade da rosa.

Cavaco sabe que tem que ser o poder judicial a cortar as cabeças da hidra e só depois as pode cauterizar.
Caso contrário fica targeted to destroy.
A famiglia é maior e mais poderosa de que se pode supor.

Anónimo disse...

O "Adormece antes da meia-noite" do Costinhas foi declarado incomentável cá em casa.

Vou preparar o computador para gravar um dos mais relevantes episódios da história da nação, que vai passar na segunda-feira: O OMOs&Contras na RTP.

Colmeal disse...

José,

Acha minimamente sustentável que em período de grande valorização imobiliária, alguém no seu perfeito juízo (foi por off-shore, foi o que foi...) perca cerca de 3000 euros na revenda de um apartamento no ultra-selecto Edifício Heron Castillo ?

Não haverá por aí uma boa alma que me queira revender um apartamento no mesmo edifício ? É que agora além da recessão existe a vizinhança de um certo individuo que contribuem fortemente para uma menos-valia dos apartamentos ...

Karocha disse...

De: rui araújo

Enviado: 21 de Novembro de 2008 01:52

Para: Press Office SFO

Assunto: Pedido de um jornalista português

Exmo. Senhor,

Sou um jornalista investigador português.

Cubro o crime organizado, a corrupção, a extorsão e a fraude para a TVI (Televisão Independente - Lisboa) e para o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigadores (Washington DC; EUA).

Serve o presente email para lhe colocar umas perguntas sobre a investigação da Freeport pelo Reino Unido.

Estou a compilar dados sobre a reunião das autoridades do Reino Unido e de Portugal que teve lugar esta semana em Eurojust na Haia.

Segundo os meios de comunicação social portugueses, o Reino Unido não respondeu de forma positiva a uma carta rogatória apresentada pelas autoridades portuguesas em 2005. Os jornais relatam que houve uma transferência de 4 milhões de euros do Reino Unido para contas em Portugal por intermédio de um escritório de um advogado.

Os jornais portugueses dizem que V. Exas. interceptaram comunicações mas que estas não podem ser utilizadas nos tribunais portugueses.

A fonte e o objectivo de tais artigos são bastante óbvios...

Eis as minhas perguntas:

1 - V. Exas. solicitaram uma reunião com as autoridades portuguesas (DCIAP)?

2 - Podem especificar o motivo de tal pedido?

3 - Como explicam o facto de a delegação portuguesa não ter ninguém no departamento a investigar o assunto? (A Polícia Judiciária estava representada pelo seu n.º 2 e pelo chefe da DCCCFIEF - crime económico, que se deslocaram à Haia a pedido especificamente da DCIAP; as pessoas que estavam a levar a cabo a investigação não marcaram presença). A vossa delegação incluía Investigadores?

4 - É verdade que V. Exas. não responderam de forma positiva até agora ao pedido formal que lhes foi efectuado pelas autoridades portuguesas em 2005?

5 - Confirmam que têm em vossa posse material electrónico (Intercepções telefónicas e um filme de curta metragem) relacionado com as actividades criminais dos cidadãos portugueses envolvidos neste caso?

6 - Confirmam que a Freeport Portugal foi vítima de extorsão?

7 - Confirmam que houve uma estranha transferência bancária de 4 milhões de euros? (Uma fonte disse-me que o valor era superior).

8 - Confirmam que o advogado é José Francisco GANDAREZ?

9 - Confirmam que a SOCA estava, ou está, ligada a este caso? Agradecia muito uma resposta.

Estou a tentar fazer o meu trabalho e não confio nas fontes locais (com excepção, em certa medida, dos investigadores policiais).

Agradecia que me Informasse se prefere uma reunião formal ou informal em Lisboa ou em Londres. Sei que a SOCA tem uma representante na vossa Embaixada em Lisboa (Sra. J...). Agradeço muito o tempo e consideração dispensados.

Os meus melhores cumprimentos,

Rui Araújo

PS - Caso seja necessário, queira verificar a minha biografia em:

http://www.publicintegrity.org/investigations/icij/

Karocha disse...

Advogado do Oliveira e Costa!
Esqueceu-se de dizer o apelido, quando apareceu na televisão.
Achei estranho, mas...

Segismundo disse...

"O Primeiro-ministro deu um voto de confiança às instituições da Justiça e, na fase das perguntas dos jornalistas, garantiu que não conhece o intermediário do projecto Freeport Manuel Pedro."
Tirado daqui,
http://www.rr.pt/InformacaoDetalhe.aspx?AreaId=23&SubAreaId=79&ContentId=275108

Agora veja-se:
http://www.correiomanha.pt/Noticia.aspx?channelid=00000181-0000-0000-0000-000000000181&contentid=FE69FA51-A477-4EA7-9E30-6603685680B7

Que Peça!!!

Segismundo disse...

Por mais que o polvo aperte os tentáculos em torno da justiça,parece que alguém se acabará por afundar nos pântanos de Alcochete,
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1358266

Segismundo disse...

Não há suspeitos,acho eu...

http://ultimahora.publico.clix.p...aspx? id=1358266

http://ultimahora.publico.clix.p...aspx? id=1358268

http://ultimahora.publico.clix.p...aspx? id=1358264

Tino disse...

Vital Moreira tem-se dedicado especialmente ao Direito Constitucional e ao Direito Administrativo, até com algum mérito ainda que à boleia de Gomes Canotilho e do PCP nos tempos em que a FDUC fervilhava de marxistas e em que o requisito essencial para a ascensão à carreira universitária era ali ser militante de Cunhal.

Quem mais tem perdido com esta especialização de Vital Moreira tem sido seguramente o Direito Penal.

Mas eis que o Caso Freeport parece trazer para este ramo do Direito um novo supra-sumo da dogmática jurídica.

Segundo o próprio mestre coimbrão, depois do desmentido de Manuel Pedro, associado da Smith & Pedro, em comunicado enviado à Lusa,em que afirma que nunca procedeu a «pagamentos ilícitos» e que a única vez que se encontrou com Sócrates foi no Ministério do Ambiente numa reunião pedida pela autarquia de Alcochete, ficam - e passo a citar - «assim categoricamente desmentidas pelos próprios as suspeitas de reuniões "clandestinas" e de pagamento de "luvas"».

No novo paradigma penalista de Vital Moreira, a partir de agora basta que um suspeito de um ilícito crime envie à comunicação social um desmentido em letra de forma para ficarem «categoricamente desmentidas pelos próprios» as suspeitas que sobre eles recaiam.

E nem é necessário passar a nova teorética às páginas de um cartapácio editado à sombra da cabra conimbricense. Com o Simplex socratino basta o blogue Causa Nossa para se constituir em doutrina e não tarda, pelo andar do Estado de Direito Democrático dos novos tempos, para se transformar automaticamente, com força obrigatória geral, em jurisprudência judicial.

Quanto anos de penoso estudo temos todos perdido em escuras bibliotecas, se afinal a sapiência jurídica está toda ali, ao alcance de todos, com um simples clique no rato, no blogue Causa Nossa. Ou será Cosa Nostra?

PS (salvo seja) - A referência ao rato não é uma subliminar insinuação torpe ao Primeiro-Ministro ou aos frequentadores do Largo com o mesmo nome do pestilento bicho.

água na boca disse...

Tino,
Nem sei como conseguiu comentar o raciocínio de Vital Moreira. É inenarrável.

josé disse...

E tem pior, o Vital: tenta demonstrar o infundado das dúvidas acerca da aquisição da casa pela mãe do PM, com a venda, por esta, de um outra em Cascais. Ela por ela.

Sisas, IMI´s, mais valias, etc interessam nada.
Valores reais muito menos.

Pobre Vital

Colmeal disse...

José,

Não sei se já leu, mas aqui vai a última saga do "consultor" Pedroso:

JN - Manuel António Pina - 1 FEV 2009

Colmeal disse...

Peço desculpa, o JN é de 30 de Janeiro e não de 1 de Fevereiro, fui enganado pela data do site e não reparei na do artigo.

josé disse...

Não tinha lido e como há tempos que não cito o Manuel Pina, vai sair já.