sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Prestígio

Lisboa, 30 Jan (Lusa) - O Ministério Público (MP) proferiu acusação por crimes de natureza económico-financeira contra 23 pessoas singulares e três pessoas colectivas, no âmbito do "caso Universidade Independente", que teve início em 2006.

Segundo uma nota da Procuradoria-Geral da República (PGR), os arguidos são acusados da prática de crimes de "associação criminosa, fraude fiscal qualificada, abuso de confiança qualificada, falsificação de documento, burla qualificada, corrupção activa/passiva, corrupção no sector privado, branqueamento, recepção ilícita de depósitos".

Foi aqui, nesta universidade, que o actual primeiro-ministro e outro notório personagem, Armando Vara, "tiraram" a sua licenciatura e receberam qualificações académicas, para se intitularem engenheiro e dr.

Por estas acusações, a universidade mais parecia um antro de delinquência

A licenciatura do PM ainda conta com uma particularidade de relevo: o seu professor principal, António Morais, que o PM só conheceu enquanto professor ( claro, claro...) vai responder em breve, por crimes de corrupção e branqueamento de capitais.

Prestígio como este, não há por aí, aos pontapés.

3 comentários:

KILAS disse...

http://downloadsexpresso.aeiou.pt/expressoonline/PDF/CartaRogatoriaFreeport_300109.pdf

Karocha disse...

E pronto lá saiu o ZEZE

Tino disse...

O que vou dizer poderia ser tanga, mas não é.

Podia ser uma insinuação, mas não é.

Conheço uma pessoa que conhece (e não posso particularizar mais) o ilustre professor.

Quando o engenheiro foi para o poleiro, o Morais disse a essa tal pessoa que conheço: Se precisares de alguma coisa do Sócrates é só dizeres.


E depois diz o engenheiro que não o conhece de lado nenhum.

Quando um figurão destes chega a PM, está tudo dito sobre o estado a que isto chegou...