terça-feira, 6 de março de 2012

O branqueamento moral

O antigo ministro Alberto Martins em diálogo com Ângelo Correia no jornal das nove na SICN, disse que em Portugal há a preocupação com os cursos, as licenciaturas, os doutoramentos das pessoas, mas o que conta são outras qualificações. Ângelo Correia abanou com a cabeça...

A gente sabe onde estes figurões querem chegar: o caso da licenciatura de José Sócrates, na Independente é coisa que "agora não interessa nada".

É só isso, porque para o tal Martins a ética é a lei. Um jacobino acabado.

7 comentários:

Floribundus disse...

o lema destes gajos é o da cidade de Paris
fluctuat nec mergitur
ou
flutua e não se afunda

Mani Pulite disse...

A qualificação de saber roubar e vigarizar o mais que puderem,por exemplo.

pandacruel disse...

Os ícones do PS falam como se os falantes que nasceram, se criaram e têm vivido fora do dito partido tivessem areia na cabeça. São o maior partido da oposição e pronto. É esta cantiga que custa a crer que possa vingar. Não há memória? Tudo vem a jeito para se não para deturpar pelo menos entorpecer o que devia surgir com clareza na mente sã do vulgo que ainda possa haver. É o que se afigura a quem está de fora. Custa a crer que acreditem no que dizem quando o dizem, não sei.

pandacruel disse...

se não deturpar...

Carlos disse...

Já não sei se isto é doença (declarações de AM...que coisa, estas iniciais também dão para atrazado mental!), ou se é mesmo lata!?...

muja disse...

Na verdade, o homem até podia ter razão. Dependeria de saber quais são as "outras" qualificações de que fala...


Poderiam ser, por exemplo, honestidade, franqueza, responsabilidade, bom-senso, sentido de dever público, entre outras. Fossem essas, e dar-lhe-ia razāo, porventura.

Mas, hoje em dia e infelizmente, estando na posição dos indivíduos em causa, ninguém precisa de razão nem das qualidades (ou qualificações) que lha dariam...

Zephyrus disse...

Mais quais são as outras qualificações? Falarão da cunha? Do compadrio? Dos «contactos»? Das «carreiras» dentro de comissões de praxe, associações de estudantes ou juventudes partidárias?

Ou falarão da carência de iniciativa individual? Da dependência extrema de terceiros (Estado, família) das novas gerações?