quinta-feira, 26 de maio de 2011

Outro mentiroso

Francisco Assis, ontem na tv em debate com Aguiar-Branco ( e também o incrível Sasntos Silva, um inenarrável iscteano) , a propósito dos imigrantes que frequentam comícios do PS em localidades longínquas, disse que esses imigrantes pertencem à secção do partido na Almirante Reis, um local tradicionalmente cosmopolita, por assim dizer.

Disse até que " Eu conheço a secção da Almirante Reis e sei que esses cidadãos têm uma importante actividade política lá"! Imagine-se!

Pois o jornal i de hoje fez melhor do que dizer coisas: foi lá, á tal secção da Almirante Reis, fotografou e falou com responsáveis do PS local. Pelos vistos os militantes da secção são bem portugueses e com apelido típico. E serão para aí uns 500. Um deles " que há muito perdeu a conta ao tempo de militância" por já ter 81 anos ( vai ser catado e repreendido), disse assim:

"Imigrantes? Temos alguns vizinhos, mas aqui dentro não. Aparece um ou outro moçambicano, mas nunca vi nenhum indiano."

Este Assis, agora sempre composto na mesura aos adversários, é tão mentiroso como o chefe que o sustenta. E o Santos Silva tão Inenarrável quanto o outro. E ninguém lhes perguntou como é que explicam que duas mulheres moçambicanas e de cor tenham dito no local do comício no passado Sábado em Évora que tinha sido a "Embaixada" a arrebanhar o pessoal. A Embaixada moçambicana, entenda-se.


Estas mentiras vão passar, como as outras. Para esta gente é simples mentir. Barato. E dá-lhes milhares de votos. Impunemente. Basta que mintam na tv, mesmo que as evidências os desmintam no minuto seguinte. Já passaram a mensagem e é isso que lhes interessa.

Nada mais.

6 comentários:

Floribundus disse...

entre outros mentirosos da Narrenhaus dos ratos:
canas de Macau
o analfa belfo
a múmia almeida

josé disse...

a múmia almeida é O Sombra. Personagem dos comics.

JC disse...

Esta gente percebeu que mentir é fácil, não trás consequências, e dá votos.

E, de facto, assim é.

Com o tal jornalismo suave que temos, estes mentirosos nunca ou raramente são confrontados pelos jornalistas com as mentiras que despejam aos chorrilhos.

E quando esse confronto vem de outros lideres partidários, metem a cassete do ataque pessoal, do radicalismo, da campanha do insulto.

É assim que isto tem funcionado.

PS: a propósito do "jornalismo suave", registo que os jornais JN e DN já não fazem capa com as sondagens de ontem da SIC.

lica disse...

MANUEL PINA
Talvez tenha visto mal mas não me apercebi de que, como vem sendo feito na Net, algum jornal se tenha ainda interrogado sobre a sucessão de três notícias em pouco mais de dois meses que, isoladas, talvez só tivessem lugar nas páginas de Economia mas que, juntas, e com um director ou um chefe de redacção curiosos de acasos, até poderiam ter sido manchete.

A primeira, de 16 de Março, a da renúncia - dois anos antes do termo do seu mandato - de Almerindo Marques à presidência da Estradas de Portugal (para que fora nomeado em 2007 pelo então ministro Mário Lino), declarando ao DE que "no essencial, est[ava] feito o [s]eu trabalho de gestão".

A segunda, de 11 de Maio, a de uma auditoria do Tribunal de Contas à Estradas de Portugal, revelando que, com a renegociação de contratos, a dívida do Estado às concessionárias das SCUT passara de 178 milhões para 10 mil milhões de euros em rendas fixas, dos quais mais de metade (5 400 milhões) coubera ao consórcio Ascendi, liderada pela Mota-Engil e pelo Grupo Espírito Santo. Mais: que dessa renegociação resultara que o Estado receberá, este ano, 250 milhões de portagens das SCUT e pagará... 650 milhões em rendas.

E a terceira, de há poucos dias, a de que Almerindo Marques irá liderar a "Opway", construtora do Grupo Espírito Santo.

O mais certo, porém, é que tais notícias não tenham nada a ver umas com as outras, que a sua sucessão seja casual e não causal.

Mani Pulite disse...

MAIS DEPRESSA SE APANHA O MENTIROSO QUE O COXO.ESTES SÃO QUADRAPLÉGICOS E SOFREM DE PARALISIA CEREBRAL.

josé disse...

lica. Obrigado pela dica. Já lá fica.

A corrupção larvar em Portugal